A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Segunda-feira, 11 de Dezembro de 2017

31/10/2014 11:41

Diferença cai, mas mulheres ainda recebem 66% da renda dos homens

Aline dos Santos

Em uma década, o abismo diminuiu, mas o comparativo de remuneração entre mulher e homem mostra que ainda há muito para se avançar. A pesquisa “Estatística de Gênero – Uma análise dos resultados do Censo Demográfico 2010”, divulgada hoje pelo IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística), mostra que o rendimento mensal médio das mulheres em Campo Grande equivale a 66% do masculino. No comparativo com o levantamento feito em 2000, a situação melhorou, pois a renda feminina equivalia a 59%.

“Exprime uma realidade que ainda é de desigualdade. Porque muitas vezes a mulher exerce uma atividade muito parecida a que o homem desenvolve, mas ele ganha mais do que ela. Essa cultura não acabou. A melhora foi muito pequena em dez anos. Estamos caminhando, mas a passos muito lentos”, afirma a coordenadora de divulgação do IBGE, Isabel de Paula Costa.

Contudo, quando se olha o universo da remuneração de todos os trabalhadores em Mato Grosso do Sul, os números apontam que o fosso entre a renda não é somente questão de gênero. “Em 2012, 63% da população ganhava até três salários mínimos. Enquanto 0,6% recebiam acima de 20 salários mínimos. Já existe desigualdade em relação ao rendimento”, salienta Isabel. Os dados gerais de rendimento são da Pnad 2012 (Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílio).

De volta ao recorte por gênero, no cenário nacional, o melhor desempenho foi de Cuiabá (MT), onde a renda das mulheres chega a 80% da remuneração dos homens. Conforme a pesquisa, o rendimento é uma das principais variáveis para se mensurar pobreza e desigualdade, pois a renda é uma fonte de bem-estar.

No Estado, uma das esperanças para equilibrar o rendimento entre homens e mulheres é o avanço delas nos estudos. “Nas escolas, faculdade, curso de mestrado, doutorado, o percentual de mulher é maior”, diz a coordenadora.

Mercado de trabalho – Em Campo Grande, a taxa de formalização no mercado de trabalho de mulheres acima de 16 anos foi de 62,7 % em 2010. De acordo com o levantamento, o aumento da formalização dos trabalhadores leva a um cenário de conquista de direitos: férias, 13º salário, licença-maternidade, seguro-desemprego, licença para tratamento de doença e aposentadoria.

Termina na 4ª feira prazo para adotar cartinha e ajudar Papai Noel dos Correios
Termina na próxima quarta-feira (dia 13) o prazo para quem quiser adotar uma cartinha do projeto Papai Noel dos Correios. Os interessados devem compa...
Câmara de Vereadores entrega meio milhão de reais em emendas parlamentares
A Câmara Municipal de Costa Rica, a 305 quilômetros de Campo Grande, realiza nesta segunda-feira (dia 11) três sessões, duas delas especiais. Às 14h ...


imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions