A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Segunda-feira, 11 de Dezembro de 2017

04/06/2013 16:06

Dom Dimas defende CIMI e diz que igreja tomou partido por demarcação

Viviane Oliveira
“Hoje o que os índios precisam se chama demarcação de terra”, diz Dom Dimas. (Foto: Marcos Ermínio)“Hoje o que os índios precisam se chama demarcação de terra”, diz Dom Dimas. (Foto: Marcos Ermínio)

“Estou à disposição para ajudar no que for preciso”. A frase é do arcebispo metropolitano de Campo Grande, Dom Dimas Lara Barbosa, se referindo ao auxilio que a ministra Gleisi Hoffmann pediu à CNBB (Conferência Nacional dos Bispos do Brasil) na pacificação, tanto com os índios, como com os fazendeiros em Mato Grosso do Sul.

Apesar de ainda não ter recebido nenhuma orientação formal, Dom Dimas considera a mediação de conflito uma tarefa disponível para qualquer pessoa que tenha boa vontade. “O CIMI (Conselho Indigenista Missionário), que trabalha em comunhão com a CNBB há mais de 40 anos, vem assessorando e dando apoio às causas dos povos indígenas em todas as regiões do Brasil”, lembra.

Dom Dimas comenta que não são raras as acusações contra o CIMI de atividades ilícitas, porém o arcebispo defende a organização, reforçando que direitos dos índios são violados e por isso a igreja toma partido e defende com força a demarcação de terra.

“Os índios se tornaram muito discriminados e não compreendidos como diferentes. As pessoas querem que os índios sejam como os brancos, mas eles querem viver do jeito deles, a cultura deles, e eles têm esse direito”, afirma, acrescentando que os povos indígenas têm o direito de ser ouvidos.

Para o arcebispo o que traz a dificuldade em Mato Grosso, Mato Grosso do Sul e em outras regiões são os erros do passado. “Quem vendeu essas terras para os agricultores foi o Estado, antigo Mato Grosso, com o consentimento da União. Então a União tem que reconhecer o próprio erro e indenizar aquele que comprou a terra de boa fé”, diz.

Quanto ao conflito envolvendo índios terenas e a Polícia que acabou na morte de Oziel Gabriel, de 35 anos, na última quinta-feira (30), Dom Dimas, afirma que os terenas estão cansados de esperar. “Eles esperaram 10, 15 e 20 anos. É justo esperar mais uma década pela demarcação?” questiona, dizendo que falta vontade política.

“Infelizmente um índio teve que morrer em confronto com a Polícia para que as autoridades se mobilizassem. Na verdade a luta dos Kaiowá Guarani, kadiwéus e dos terenas não vêm de agora”. Dom Dimas finaliza dizendo que quanto à demarcação de terras, Mato Grosso do Sul se tornou palco de situações mais gritantes.

Alternativa - O Governo Federal disse que vai rever o modelo de demarcação de terras para buscar mais segurança jurídica e transparência. A intenção é envolver no processo coordenado pela Funai (Fundação Nacional do Índio) outros órgãos como o Ministério das Cidades, o Ministério de Desenvolvimento Agrário, o Incra (Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária), a Embrapa (Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária) e a CNBB (Conferência Nacional dos Bispos do Brasil).



BOM DIA,
Acredito ser um grande equívoco da Igreja apoiar o crime, a desordem e a barbárie perpetrada pelos índios. Para mim, ela deveria ajudar os produtores rurais que compraram a terra do Estado Brasileiro e são quem alimenta e dá trabalho para o Povo de Deus. Se todo o MS virar terra de índio, como a economia vai se manter? Os defensores dos índios deveriam se preocupar com o futuro de seus filhos, num país que ignora o processo econômico e incentiva a falta de desenvolvimento, porque tudo isso é atraso financeiro.
Já que é bonzinho...pede para o papa Francisco doar as terras da igreja pros indios..
PASSOU DA HORA DE PARAREM DE USAR PESSOAS HUMILDES COMO ÍNDIOS,SEM TERRAS E OUTROS TANTOS...
TODOS OS SERES HUMANOS TEM DIREITOS DESDE QUE TRABALHEMMMM...
FUNAI ESTÃO USANDO OS MESMO...
 
ZILDA MARIA RODRIGUES em 07/06/2013 09:03:29
Saí há pouco do Brasil por motivos de Estudos, atualmente estou em Roma. Sou Sulmatogrossense e trabalhei até setembro de 2012 em Campo Grande. Dom Dimas tem toda razão. Os nossos Irmãos Indígenas só querem viver o que eles são. É muito querer viver a própria origem e a própria essência? Em meio a tanta desestruturação da vida humana, porque impedir uma Nação ou um Povo a ser o que é?
 
Ir. Silvio da Silva em 06/06/2013 03:02:03
Darcy Ribeiro, sra. Suzi??? Você questiona meu aprendizado em escola. Pois foi justamente essa falácia do Darcy, Marx, etc... que me foi ensinada nos bancos escolares, isso pra eu não citar outras baboseiras do gênero... O que sei a esse respeito, aprendi fora da escola (e bem recentemente, até), lendo textos sérios, sem instrumentalização dos "doutores" ora filocomunistas, ora filodireitistas e, por isso mesmo, "censurados" desde a origem pelas grandes editoras... A "pedagogia construtivista" e a "história crítica" que imagino você tenha visto na faculdade geraram, na verdade, os novos "homens das cavernas" que se pensam doutos só porque decoraram a cartilha da UNE e do PC. Se quer me ensinar algo sério, comece por fugir dos clichês acadêmicos atuais.
 
Marcel Ozuna em 06/06/2013 01:43:50
sou a favor da demarcação das terras dos índios terenas que são legítimos donos a mais de 500 anos e a culpa de todo estes conflitos é o Governo do Estado que vendeu a suas terras com apoio da União e não repassou um único tostão para os Terenas, as demarcações são retardadas porque todos os índios brasileiros não tem o domínio de suas terras, somente o direito de uso e fruto

 
Helio Bucker em 05/06/2013 20:34:55
Como católica praticante, me sinto indignada pelo posicionamento da minha igreja. Vivo bem próxima a uma aldeia indígena, e lá, nós Católicos NÃO podemos entrar, para respeitar as suas tradições e crenças religiosas de sua etnia. No entanto, Vossa Reverendíssima, A MAIORIA DELES SÃO FIÉIS a outras religiÕes e seitas. E eu pergunto ao Senhor Bispo, Vamos trabalhar em nossas comunidades para a NOSSO IGREJA, em obras de evangelização, nas pastorais e movimentos, em festas para arrecadar FUNDOS para construir novas capelas, enfim, movimentar a nossa igreja, pois somos os vossos braços, somos nós leigos que enfrentamos nas nossas comunidades o árduo trabalho de CONSCIENTIZAÇÃO, doamos nosso tempo, para vermos os nossos líderes nos transformar em vilões? A IGREJA PRECISA EVANGELIZAR.
 
ELIZABETI CASEIRO em 05/06/2013 20:00:05
Sou a favor da desapropriação de todo o estado de Mato Grosso do Sul.
MS foi território indígena e tem que voltar a ser.
São somente 2,5 milhões de pessoas que deverão procurar moradia em outro estado.
Produtor rural quer plantar, que vá plantar em outro país. E depois exporte sua produção para o Brasil. Com certeza terá mais lucro fora, do que ficando por aqui.
 
Renato Gonçalves em 05/06/2013 15:25:51
A terra cumprirá sua função social; é isso o que diz a constituição cidadã de 1988.
Se a terra não produzir, seja na mão de branco ou de índio, deve ser desapropriada.

 
Heitor Lima Becker em 05/06/2013 15:22:29
A Fazenda Lagoa da Cruz da igreja catolica é uma area muito boa para os indios!!De frente para o asfalto e bem produtiva!!!Vamos falar com eles!!
 
Luis Azevedo em 05/06/2013 15:19:28
Ai Ozuna... ocê tá certississimo, essa é a estória dos bancos escolares, eu também até cheguei a admirar Pe. Anchieta, Manoel da Nóbrega, etc.... depois cresci e conheci outros livros; leia Darcy Ribeiro e outros, e conhecerá um pouco da HISTÓRIA.
 
Suzi da Costa em 05/06/2013 15:18:25
Dom Dimas ,ninguém é contra a demarcação de terras , o que se é contra é com a demarcação POLITICA E SANGUINÁRIA , que a Funai e CIME fazem ,..........Como cristão e católico me recuso a aceitar esse tipo de conduta dessas duas entidade que só exploram e usam o índio .....Por isso Dom Dimas procure ouvir outras pessoas e se informar melhor da situação......
 
joão molento em 05/06/2013 14:19:23
A maioria dos comentários aqui postados estão repletos de uma imensa ignorância histórica. Dá pena. Não é de se admirar de que os políticos fazem e desfazem do povo e continuam no poder. Os índios tiveram suas terras roubadas pelas autoridades e pela elite burguesa que até hoje mandam no nosso país. Agora quando surge alguém que defende os direitos dessa minoria, aparecem esses "latifundiários" (que a única terra que tem é a que está debaixo da unha) com comentários que mais parecem aberrações históricas.
Vão estudar um pouco mais!!!!
 
Alfeu Antares dos Santos em 05/06/2013 14:13:11
Foi por esses tipos de posicionamento da igreja catolica que muita gente deixou de ser catolico. A igreja so ta defendendo os interesses delas ou voces acham que os indios continuam com as suas religioes ancestrais.....
Daqui a poco vai ter "indio" vindo do paraguay, bolivia etc. pedindo terra aqui tambem, ta facil virou a casa da bagunça.
 
Lucas Guimaraes em 05/06/2013 13:32:58
Muito bem Dimas!Apoiado Que o governo indenize os fazendeiros sim,perfeita a colocação doleitor roberto ferreira
 
deolinda fleitas em 05/06/2013 12:33:34
Terras é para quem sabe trabalhar e assim contribuir com a produção, com pagamento de impostos, etc., e que geram circulação de riquezas e programas sociais. Isso é para quem tem o dom e a vontade de produzir. Que o diga muitos assentados que ganharam a terra para depois passarem fomes, sem saber trabalhar nelas. Aliás, nossas terras e muitas do país inteiro, só se tornaram produtivas por causa de pessoas que vieram dos estados do Sul, com vasta experiência e conhecimento e tornaram nosso país o celeiro do mundo. Muitas terras para quem não sabe trabalhar é mesma coisa que nada, é retrocesso. Pobre, não tenho um tiquinho de terra, não quero tê-las se não sei e não tenho condições de fazê-las produtivas. Os índios devem ter suas terras, com certeza! Só me pergunto porque querem tantas?
 
Luciano Correia em 05/06/2013 12:19:02
Dom Dimas
Antes da Igreja Católica tomar partido da questão indígena eu dou uma sugestão Por que é que vocês não compram as fazendas para os índios? Seria apenas devolver aquilo que vocês tomaram no passado, inclusive vendendo a salvação eterna. O sujo não pode falar do mau lavado.
 
Marcelo Fernandes em 05/06/2013 12:12:15
Pois sim, Jesuitas "ajudaram" é a estória, mas ajudaram como ???? FERRO CHUMBO E FOGO..... ! com certeza, sómente o ESTADO pode resolver o emblólio.
 
geraldo cançado em 05/06/2013 12:08:55
Não me lembro de ter lido a respeito de durante a reintegracao de posse, estivesse ali presente um representante da igreja para acalmar os animos dos indios e fazer prevalecer a lei. Facil e incentivar as ocupacoes, falar bonito para à imprensa, virou moda no Brasil defender as minorias ..... atras dos holofotes da midia......deveria os defensores de todas as minorias ir na linha de frente dos conflitos e protestos, mas pode ser perigoso....melhor é falar, apoiar, mas bem loge do problema.
 
EVALDO CARVALHO em 05/06/2013 12:04:21
Essa é a Igreja Católica que não me representa! Dom Dimas o senhor viu os estragos que fizeram em Raposa Serra do Sol? O senhor, como Católico, sabe também que existem tribos indígenas que praticam o infanticídio? O que o senhor tem a dizer sobre os fazendeiros que legalmente estão a mais de 100 anos naquelas terras?
 
Frederico Lopes em 05/06/2013 11:15:22
A igreja gosta de fazer caridade com o chapéu dos outros. Quem produz sustenta a igreja com o dízimo, ou a igreja possui alguma indústria? Sou católico, e produtor rural, mas me sinto discriminado pela igreja que sempre frequentei. Na verdade existe uma indústria de invasões por aqui, muita gente insuflando grupos para expropriar terras de proprietários legítimos. Na verdade é uma revolução de classes dissimulada. Há muitos anos, quando a igreja católica engatinhava por aqui os produtores, que eram a única fonte da economia do estado, foram convocados para construir igrejas e obras sociais paroquiais. Eram festas, doações, quermesses, leilões e nesta época eramos abençoados nestas ações, agora temos os sermões em que somos culpados do nosso progresso, dura e legitimamente conquistado.
 
Paulo Cruz em 05/06/2013 10:53:49
vamos começar dando as terras que sao da igreja para os indios. ninguem é contra dar terra só nao se pode tomar o que é dos outros.

 
cleones martins em 05/06/2013 09:57:21
Bom trabalho Dom Dimas, realmente os índios têm seus direitos e os fazendeiros que compraram suas terras de boa fé merecem uma indenização. Infelizmente não vejo mobilização de outras igrejas.
 
Luiz Carlos em 05/06/2013 08:52:46
Que tal o povo pensar um pouco antes de escrever? 1º Que a igreja católica não "pede" dizimo, ela te da a opção de ser dizimista, você contribui com o que você se sente bem, e sim, esse dinheiro vai pra igreja, porque la realmente quem faz a igreja são os fieis. 2º Que coisa mais boba falar que a igreja ainda possui "Terras guardadas", pensa um pouco, nem precisa de explicação... Esperamos que alguma pessoa sensata aqui entenda que o que ele quer dizer é "Para todos os tipos de conflitos, a nós estamos aqui para ajudar, não tirando o demônio do corpo de ninguém, más de forma sensata e objetiva"
 
Igor Adriano em 05/06/2013 08:42:58
Vamos esclarecer um pequeno detalhe. A igreja católica é muito rica, apesar de pregar a humildade e a pobreza. Porque o sr. bispo não entra em contato com o papa Francisco e não pede a ele recursos para comprar terras no Brasil e dar aos índios? É louvável que os indios tenham as suas terras,pois entendo que eles são os legitimos donos, mas não para serem arrendadas para os fazendeiros como fazem, mas para a sua própria subsistência. Hoje eles querem as terras, mas querem continuar vivendo de cestas básicas doadas pelo governo. Há algo errado em tudo isso.
 
Neuza Oliveira em 05/06/2013 08:03:49
Quando se compra a terra, é lavrada uma escritura pública por um tabelião e os impostos são arrecadados. E quando a venda é feita pelo Estado Brasileiro, não há o que se duvidar da legalidade. Se a tal terra fazia parte de território indígena, cabe ao governo indenizar o proprietário não índio na forma da lei, já que vendeu o que não poderia ser vendido. O governo em vez de resolver a questão, indenizando quem tem a terra registrada em seu nome, se vale do poder para empurrar a questão com a barriga, causando as partes sérios sofrimentos, onde vidas são perdidas, como foi o caso de Sidrolândia. Isto mostra um governo fraco, desonesto, pois vendeu o que não era seu e enrola p/ solver sua obrigação, que seria facilmente sanada com a indenização ao dono atual da terra.
 
ademir gomes em 05/06/2013 07:43:14
Temos então Don Dimas de sairmos de nossas casas pois tudo aqui era dos índios.
Eu não consigo entender uma pessoa culta como o sr tem a tamanha ignorância de dizer que índios precisam de terras, ÍNDIO PRECISA DE ASSISTÊNCIA que deveria ser dada pelo governo federal. O sr deveria fazer um estudo para ver no estado quem são os mais prejudicados com estas demarcações, são justamente os fiéis que frequentam e participam das comunidades do interior do nosso estado, eles ficam até sem sem jeito quando veem uma declaração dessas do sr., pois normalmente são eles que tomam frente para quase tudo que envolve a Igreja.
 
Luiz Rauzer em 05/06/2013 07:25:15
Dom Dimas, ao contrário do que o senhor pensa, os índios não querem viver do jeito deles, eles querem sim assistencialismo, como nosso governo vem incentivando a populção a viver. indio quer luz eletrica, acesso a educação, saneamento basico, direito de votar e expressar suas vontades, porém ele quer ganhar isso e viver só com direito e não deveres, foi o tempo que indio caçava e pescava para subexistir, hoje eles querem cesta básica, NÃO EXISTE MAIS ÍNDIO, eles só querem ser índios quando não podem ser punidos criminalmente. as aldeias não conseguem se manter, se alimentar não por falta de terras e sim por indolencia. podem dar terras para os índios que nada vai mudar, só deixaremos de produzir.
 
Adriana Lima em 05/06/2013 06:47:37
"Até que enfim um pronunciamento daquela que deu início a isso tudo em parceria com reino de Portugal e de Castela (...)"

Suzi, informe-se melhor. Foram os jesuítas - a mando do Papa - que ajudaram os nativos a, de nômades e apegados a canibalismo, crendices, etc..., a fixarem-se à terra e a observar o Decálogo. Depois vieram as entradas e bandeiras (exclusivamente fomentadas pelos Estados ibéricos "pré-laicos", como o do Mq. Pombal) a expulsar o clero e a escravizar os índios. Os silvícolas sobreviventes voltaram a ser nômades e as terras, sem dono, o Estado deu a quem as cultivasse. E as fábulas marxistas agora são endossadas por órgãos nominalmente "católicos" (CNBB, CIMI) mas que não têm as prerrogativas da Hierarquia Católica. O Estado "laico" e petista que pague pelas terras, então.
 
Marcel Ozuna em 05/06/2013 00:21:45
Como assim: "a mediação de conflito uma tarefa disponível para qualquer pessoa que tenha boa vontade"??? Penso que Dom Dimas deveria ser informado que a Mediação de Conflitos é uma atividade prática que possui elementos consistentes de execução, não sendo realizada por simples "boa vontade" e é por isso que tem profissionais especialistas - os mediadores. Também é importante que se esclareça que um dos fundamentos da Mediação de Conflitos é a imparcialidade e este não parece ser o caso.
 
Suely Buriasco em 04/06/2013 23:54:37
Primeiro escravagistas, depois barões do café, depois donos de grandes lavouras cultivadas e cuidadas as custas da exploração do trabalho escravo e infantil, por último reis do gado e, agora somente detentores da terra que servem apenas para fiar empréstimos a juros de 2 a 2,5% do BNDS, FCO E BANCO DO BRASIL enquanto 90% dos brasileiros pagam juros médios de 5 a 7% ao mês. O senhor Dom Dimas demorou para se pronunciar mas antes tarde do que nunca, parabéns pela coragem. Eles têm que entender nos quatro cantos deste país que essa pátria não pertencem aos 20% que têm no bolso 85% da riqueza produzida no país. Me lembro agora da entrevista dada por PAULO FREIRE em 1997 denominada "a marcha" que agora me parece ter sido uma profética previsão de um dos mais ilustre pensador deste país.
 
Antonio Barbosa em 04/06/2013 23:14:38
O governo está certo em tentar evitar insegurança jurídica para a sociedade. A Funai ganhou tanto poder que ela pode decidir sozinha qualquer coisa a qualquer momento. A Funai não aceita a proibição de ampliação de terras já demarcada por ela mesma, isso dá a ideia de que o objetivo é ampliar reservas indígenas quando der na telha. Uma verdadeira bagunça.
 
Jorge Souza em 04/06/2013 23:01:08
Dom Dimas: Por que a Igreja não doa as terras que possui para os índios ou para os sem-terra? Por que o Vaticano não distribui seu ouro aos pobres? Por que senhor e os outros padres não dão abrigo em suas Igrejas? Dar o que é dos outros é fácil, né Dom Dimas?
 
Renato Karim em 04/06/2013 22:17:34
Boa Dom Dimas, que a igreja inicie essa campanha doando aos indígenas as preciosidades da capela sistina, as terras da igreja, os dízimos e coletas e enfim Dom Dimas quando forem fazer uma festa peçam uma vaca gorda para os Indígenas, afinal os produtores hoje são monstros não é mesmo ?
 
alberto Maria Bento em 04/06/2013 21:36:31
Acredito ser um grande equívoca da Igreja apoiar o crime, a desordem e a barbárie perpetrada pelos índios. Para mim, ela deveria ajudar os produtores rurais que compraram a terra do Estado Brasileiro e são quem alimenta e dá trabalho para o Povo de Deus. Se todo o MS virar terra de índio, como a economia vai se manter? Os defensores dos índios deveriam se preocupar com o futuro de seus filhos, num país que ignora o processo econômico e incentiva a falta de desenvolvimento, porque tudo isso é atraso financeiro.
 
Gustavo Ribeiro em 04/06/2013 21:26:30
Eu apoio Dom Dimas, isso mesmo, tem que acabar com essa injustiça que vem acontecendo com os povos indígenas. Vamos pressionar para que haja justiça na morte do índio. Sou a favor a novas demarcações de terra e q a União cubra os prejuízos dos fazendeiros.
 
MICHEL DURANES em 04/06/2013 21:17:05
Parabens! Dom Dimas. pelo comentário. Sabe la como foram adquiridos estas terras no passado? Pois no passado haviam muitos conflitos por terras, como ainda acontece ainda hoje, por exemplo no pará.
 
Flavio Marques em 04/06/2013 21:00:33
A Igreja tem seu lugar. Não voltemos ao passado aonde esta tentava e intervia na atividade estatal. Índio tem bastante esclarecimento, não precisa de orientação e posição de nenhuma entidade religiosa.
 
Pedro Navarro Correia em 04/06/2013 19:36:42
Perfeita e sensata a colocação de D. Dimas... É direito do índio, sim, ver a terra demarcada. E, por outro lado, direito do fazendeiro de boa fé ser indenizado pela União. A culpa não é de nenhum desses personagens mas, sim, da falta de vontade política de nossas autoridades.
 
Roberto Ferreira em 04/06/2013 19:33:32
Já que é bonzinho...pede para o papa francisco doar as terras da igreja pros indios..
 
Caio Prado em 04/06/2013 19:22:12
é isso ai, dom Dimas, agora na missa, qdo vc ver um ex-proprietario de terras, que as teve compradas e pagas corretamente, com impostos pagos por 100 anos ou mais, o sr faca a gentileza de nao pedir dizimo nenhum.
 
francisco guimaraes em 04/06/2013 16:55:10
Até que enfim um pronunciamento daquela que deu início a isso tudo em parceria com reino de Portugal e de Castela , quem sabe eles não possuem algumas terrinhas sobrando dos tempos de grandes conquistas orientadas pelo Papa Nicolau V em 1454 ?????
 
Suzi da Costa em 04/06/2013 16:10:15
imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions