ACOMPANHE-NOS     Campo Grande News no Facebook Campo Grande News no Twitter Campo Grande News no Instagram
JUNHO, DOMINGO  23    CAMPO GRANDE 24º

Cidades

Em liberdade, Bruno diz que prisão perpétua não traria vítima de volta

Aline dos Santos | 25/02/2017 17:13
Eliza Samudio desapareceu em 2010.
Eliza Samudio desapareceu em 2010.

Na primeira entrevista após deixar o presídio, o ex-goleiro Bruno Fernandes, condenado pela morte de Eliza Samudio, disse que prisão perpétua não traz a vítima de volta.

“Independente (sic) do tempo que eu fiquei também, eu queria deixar bem claro, se eu ficasse lá, tivesse prisão perpétua, por exemplo, no Brasil... não ia trazer a vítima de volta”, afirmou o ex-goleiro à TV Globo Minas.

Ele avalia que pagou pelo que cometeu. “Paguei, paguei caro, não foi fácil. Eu não apagaria nada. Isso serve pra mim de experiência, serve como aprendizado e não como punição”, diz.

Eliza Samudio desapareceu em 2010. À época, a jovem buscava na Justiça que o então goleiro do Flamengo reconhecesse a paternidade de seu filho. Atualmente, o menino mora em Campo Grande com a avó.

Em 2013, Bruno foi condenado a 22 anos e três meses de prisão pelo homicídio triplamente qualificado da ex-amante. No entanto, ele foi solto ontem (dia 24) por decisão do ministro Marco Aurélio Mello, do STF (Supremo Tribunal Federal), que concedeu habeas corpus.

Com isso, recebeu o benefício de aguardar o julgamento do recurso de pena instaurado por sua defesa. O ex-goleiro estava na Apac (Associação de Proteção e Assistência ao Condenado) em Santa Luzia, Belo Horizonte (MG). Mãe de Eliza, Sônia Moura lamentou a decisão do ministro do Supremo. "Estou indignada. Infelizmente a Justiça humana é falha", afirmou ao Campo Grande News.

Nos siga no Google Notícias