A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Quarta-feira, 15 de Agosto de 2018

26/07/2011 12:53

Vizinhas ao Cetremi, pessoas preferem ficar na rua, sob pontilhão

Paula Vitorino

Falta de perspectivas de vida e ajuda contribuem para acomodo nas ruas

Morador diz que não fica no Cetremi, prefere liberdade da rua. (Fotos: João Garrigó)Morador diz que não fica no Cetremi, prefere liberdade da rua. (Fotos: João Garrigó)

Apesar dos perigos, muitos preferem continuar vivendo na rua em nome da “liberdade”, e abrir mão de auxílio em uma casa de abrigo ou apoio. As redondezas do Cetremi (Centro de Triagem do Migrante) – saída para Três Lagoas - são um retrato deste cenário.

Bem perto, cerca de 500 metros, no pontilhão da rodovia 262 há um ponto de parada dos andarilhos. Colchões, utensílios de cozinha e roupas já se acumulam no local. Mas passando pela rodovia também é possível ver muitos moradores de rua perambulando pela área.

“Lá é muito chato. Tem horário para tudo, ficam mandando na gente. Não fiquei nem uma semana lá”, enfatiza um dos moradores do pontilhão, de 51 anos, sobre por que, mesmo a poucos metros do Centro, prefere ficar na rua.

Ele e outro companheiro da vida nas ruas, de 30 anos, já passaram pelo Cetremi e contam que o atendimento no local é bom, mas a sensação de ficar morando em um lugar que não é a sua casa “é estranha, como se fosse uma prisão”.

A principal dificuldade é a adaptação às regras do Centro, como horários determinados para refeição e acordar. Mas a moradia no local também implica em uma escolha fundamental: deixar as drogas ou não.

“Aqui pelo menos posso fazer o que quiser, não tem ninguém me cuidando. O que quero mesmo é ir para casa”, diz o senhor.

Outro ponto, questionado pelos moradores, é o prazo para a permanência no Centro, que segundo eles é de 10 dias. “Depois a gente volta para as ruas mesmo”, frisam. Os dois dizem querer voltar para suas cidades, Jardim e

Goiânia, mas ainda não conseguiram as passagens.

Neste fim de semana, a reportagem do Campo Grande News também mostrou a história de 4 andarilhos que há cerca de 2 anos e meio moram na calçada da Santa Casa. Uma das moradoras garante que a Prefeitura Municipal nunca foi oferecer auxílio, como emprego e moradia digna, e que tudo que eles queriam é uma oportunidade de melhorar.

No entanto, a assessoria da administração pública afirmou que os andarilhos já foram procurados por equipes da Secretaria de Políticas e Ações Sociais e Cidadania, e, se recusaram a aceitar as opções de auxílio oferecidas.

Moradores se conheceram na rua e dividem espaço e mantimentos do pontilhão. Moradores se conheceram na rua e dividem espaço e mantimentos do pontilhão.

Dependência - Mas a permanência nas ruas em muitos casos não se trata de preferência, e sim, de dependência. O vício nas drogas, no álcool é o que “empurra” a maioria para as ruas e também os afasta da família e outras pessoas que lhe queriam bem.

“O vício estraga tudo. A maioria que está na rua é por causa disso”, afirma o rapaz.

Nesta manhã, a reportagem encontrou os dois companheiros embaixo do pontilhão, enquanto outro ainda dormia. Durante a conversa, o homem iniciou o preparo de um cigarro de maconha, mas ao ser questionado se iria fumar naquele momento garantiu que “não, vou guardar para quando vocês forem embora”.

O cigarro ficou reservado atrás da orelha e logo que nossa equipe saiu do local ele o acendeu. Os dois andarilhos são viciados em álcool e pasta base de cocaína. Mas o senhor resume o vício dizendo que “qualquer droga serve”.

Sobre o acesso as drogas, eles contam que é fácil comprar e que a cidade é a “Capital das drogas”, pela localização nas fronteiras. “Sempre aparece gente aqui vendendo ou então conseguimos em qualquer lugar”, diz.

Ele e o rapaz afirmam que nunca foram para uma clínica de tratamento para dependentes químicos e que o vício nas drogas começou já aos 12 anos. Eles ainda garantem também nunca ter recebido nas ruas algum tipo de acompanhamento para deixar a dependência.

“Às vezes tem grupos que oferecem alimentação, abrigo, mas seria bom ir para um tratamento”, contam. Eles garantem que aceitariam ser internados para tratamento, caso algum grupo de voluntários oferecesse.

O fundo do poço - Sem grandes perspectivas de vida e com a confiança da família já abalada, a saída do fundo do poço para os andarilhos é algo difícil. Mais que uma simples ajuda social, eles precisam de acompanhamento psicológico e médico, já que a maioria traz histórias de abandono e doenças.

Mostrando o exame positivo da Aids, o senhor conta que pegou o vírus nas ruas, há cerca de 5 anos, e diz ter vindo para Campo Grande depois de ser expulso de Jardim. “Morava na rua lá e começou a juntar muita gente no mesmo local, aí veio a Polícia e me expulsou”, afirma.

Na Capital desde o dia 19 deste mês, ele diz querer voltar para Jardim, mas conta que deve continuar nas ruas de lá, já que a família não aceita o vício. O homem já foi casado e tem filhos, mas diz que todos são evangélicos e não o deixam “fumar nem um cigarrinho dentro de casa”. “Não agüentei essa humilhação não”, frisa.

Pontilhão já virou moradia para andarilhos. Pontilhão já virou moradia para andarilhos.

Já o rapaz conta que decidiu sair de casa há cerca de 2 anos, depois que a mulher também ficou viciada em drogas e álcool, e ameaçava se matar. “Decidi ficar longe pra não prejudicar mais eles”, conta.

Ele tem um filho de 2 anos e meio e outro de 8 anos. O rapaz veio para Campo Grande com a empresa onde trabalhava, mas perdeu o emprego e passou a viver pelas ruas. No entanto, ele garante que tem um canto para dormir cedido no galpão da antiga empresa.

O andarilho diz querer voltar para a cidade natal, mas também se contradiz afirmando que ainda não está na hora.

Os dois contam que na rua fazem novos companheiros a cada dia e vão “se virando” como podem. “A gente se acostuma”.

Atendimento - No Cetremi, funcionários contam que o vai e vem de moradores é freqüente. Muitos aproveitam para conseguir passagens interestaduais, andam pelo Brasil, mas depois voltam.

Os funcionários ainda confirmam a realidade retratada pelos andarilhos, a liberdade para viver na rua e continuar no vício acaba valendo mais que a oportunidade de recomeçar a vida.

“Para eles isso em uma cadeia, onde não podem continuar fumando”, revela.

A reportagem apurou que o Centro iniciou há cerca de um mês um programa diferenciado para pessoas que são de outras cidades, que recebem assistência para voltar ao local de origem, e para os andarilhos da Capital.

Antes, os moradores de Campo Grande tinham um prazo para permanecer no Centro, mas com o novo atendimento o assistido permanece no local até a conclusão do tratamento. O andarilho recebe acompanhamento psicológico, alimentação e participa de palestras.

A reportagem tentou contato com a coordenação do Centro nesta manhã para esclarecer como funciona o programa e as regras para permanecia no Centro, mas foi informada de que os responsáveis não têm autorização da administração municipal para repassar informações.

A assessoria da Prefeitura Municipal também não deu retorno até o fim desta manhã. O motivo seria a morte de um funcionário da SAS (Secretária de Assistência Social), que paralisou parcialmente as atividades na secretaria.



A prefeitura deve retirar das ruas esse povo; não há motivo hoje no Brasil para aceitar o elemento morar na rua e atrapalhar a vida dos outros. Tem serviço para todo tipo de pessoa e as prefeituras encaminham, por isso todo cidaddão tem que obedecer normas. Não está doente, tem que trabalhar e pagar impostos como os demais.
 
luiz alves pereira em 27/07/2011 09:33:39
É impressionante como algumas pessoas pensam que o problema não é nosso!! Todos de alguma maneira somos responsáveis, principalmente por que nós delegamos poderes à representantes que na realidade não se manifestam efetivamente à respeito. É fato que estamos diante de um gigantesco problema de saúde pública e não será resolvido com discriminação ou com o trabalho efetivo da polícia. Essas pessoas estão doentes e como doentes não tem condições de trabalhar, precisam ser internadas para receberem o tratamento adequado e posteriormente se readaptarem ao convivio entre a sociedade. Caso isso não aconteça, as ruas ficarão com um número ainda maior de pessoas nessa situação, as prisões mais cheias do que atualmente estão e com isso, os meios de comunicação terão muitas notícias de barbáries para divulgar. pois nada sendo feito a tendência é que a situação se agrave ainda mais.
 
Victor gordin em 27/07/2011 01:32:18
o grande problema é que quem nãoquer trabaçhar mudar de vida tentar ter uma oportunidade sempre vai ter uma justificativa. concordo com rodrigo as pessoas no cetremi tem comida banho cama - mas tem que trabalhar então........


e sustentamos todos
 
MARCEL DOS SANTOS NOBRE em 26/07/2011 10:23:30
"muitos preferem continuar vivendo na rua em nome da “liberdade”, esta frase responde a grande indagação "pq a rua?" Sim liberdade de ñ ter que acordar cedo p/ trabalhar, ñ ter que se preocupar se o salário vai dar p/ pagar todas as contas e principalmente ñ ter que se preocupar com alimentação, pois a sociedade alimenta muito bem aqueles que ora se encontram em situação de rua. Então vem o questionamento, pq sair de uma vida de "liberdade" onde se recebe comida e esmola(leia-se: dinheiro usado p/ comprar drogas).Se queremos que este cidadão(ã) deixe as ruas teremos que parar de mantê-los nesta condição, ñ dando esmolas(alimentos, cobertores e dinheiro) e sim cobrar e acompanhar o que está sendo feito através de Politicas Públicas - que sim provocarão mudanças significativas neste meio social.
 
Maria Onara em 26/07/2011 06:08:09
Trabalhei um bom tempo no Cetremi e a reclamação dos migrantes é sempre a mesma, a falta de liberdade. Na verdade, o que não tem no cetremi é cachaça e drogas, o que eles encontram na rua com facilidade. É um dos poucos trabalhos da prefeitura que merece respeito pela politica implantada.

Para ganhar a passagem de volta a cidade deles tem que trablahar, e isso eles não querem. preferem mendigar e tomar a cachacinha deles.
 
Rodrigo Ostemberg em 26/07/2011 02:19:29
Não é falta de ajuda do poder público, ser morador de rua é uma opção, pois estas pessoas possuem família e há oportunidades para todos. O problema é a droga, o assistencialismo, é as pessoas pensarem que o poder público tem obrigação de fazer tudo. Não é bem assim. Essas pessoas não pagam impostos. Pela lógica social, porque nós temos que arcar com eles? Ou seja, para receberem ou até mesmo para aceitarem a assistência, eles deveriam procurar se reinserirem no sistema, mas não conseguem sair do esquema que estão. É triste, muito triste, mas uma questão de escolha.
 
Lucas Martinez em 26/07/2011 01:23:06
É realmente muito triste ter que ler este tipo de noticia, ver essas pessoas nas ruas humilhadas, esquecidas e por inumeras razões, sejam elas quais forem, mostra que a sociedade espera somente que a maquina publica resolva a situação. Mas a verdade é que muitas dessas pessoas são despejadas de suas casas sem ter qualquer tipo de ajuda, simplesmente, sofrem suas depressões e quedas e não recebem o apoio necessario das familias....infelismente a realidade é essa, não ha persistencia no amor das familias em recuperar a dignidade das pessoas que desabam em seus erros, que a própria sociedade criou.
 
Gilmar Barboza em 26/07/2011 01:19:25
imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions