A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Sexta-feira, 15 de Dezembro de 2017

04/08/2015 15:09

Em reunião no Incra, José Rainha defende invasões de fazendas em MS

Juliana Brum
Auto se intitula digno e que se orgulha de sua condenação há 31 anos de prisão (Foto - Marcos Ermínio)Auto se intitula digno e que se orgulha de sua condenação há 31 anos de prisão (Foto - Marcos Ermínio)

Ex-líder do MST (Movimento dos Sem Terra), coordenador das invasões em São Paulo e dos ativistas mais combativos do País, José Rainha Júnior veio à Capital para encontro com lideranças, na manhã de hoje (4), no Incra (Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária). Ele defendeu o confronto, as invasões de propriedades rurais e a união de todos os movimentos sociais. 

Rainha contou que veio apoiar e doar um pouco do conhecimento como integrante há 35 anos dos movimentos que defendem a reforma agrária no pais. Ele já liderou uma grande manifestação em 1991 no Mato Grosso do Sul. Ele disse que sabe da luta dos sem-terra no Estado desde essa época.

"Temos que entender que não há outra maneira sem se confrontar e invadir. Vai chegar em um momento que não terá o que fazer e vocês procuradores do Incra terão que voltar ao Estado para negociar as invasões, porque a única forma de conquistar é invadindo", ressaltou, diante dos dirigentes do órgão no Estado.

Ele voltou a criticar que Mato Grosso do Sul é dominado pelo agronegóciio. Condenado a 28 anos de prisão por vários crimes no Pontal de Paranapanema, em São Paulo, ele disse que tem orgulho da pena e dos 13 anos de prisão. "Nunca trai o movimento", destacou. 

"Temos que ser mansos como carneiros, mas vorazes como os lobos. Precisamos esquecer o ego 'eu' e saber que as terras são para o grupo. Devemos conquistar juntos, a união faz a força. Não há outra saída do que ir para o pau, além do limite da lei", enfatizou, sob aplausos. O líder cobrou ética e dignidade dos que participam dos movimentos sem-terra.

Ele também não poupou a presidente da República, Dilma Rousseff (PT). Ele até já prevê a derrota do PT nas próximas eleições e organiza os movimentos para enfrentar um "governo da direita" em 2018.

Representantes do Governo Federal e do Incra Nacional participaram do debate (Foto - Marcos Ermínio)Representantes do Governo Federal e do Incra Nacional participaram do debate (Foto - Marcos Ermínio)

O encontro reuniu assentados e procuradores do Incra. Eles discutiram as reivindicações do setor. Os sem-terra prometeram apresentar uma relação de terras que serão vistoriadas pelo Incra e que podem ser destinadas para a reforma agrária em MS. A prioridade é retomar o assentamentos em 2016.

Estiveram representantes de movimentos como: FNL (Frente Nacional de Luta Campo e Cidade), MSTB (Movimentos dos Sem Terra do Brasil),MASC (Movimento Agrário Cristão),OLT (Organização de luta pela Terra), além de sindicalistas dentre outros.

Rainha se manifestou no final da reunião ( Foto - Marcos Ermínio)Rainha se manifestou no final da reunião ( Foto - Marcos Ermínio)


Num país serio esse crápula estaria preso ao invés de estar instigando lutas de classes, e o mais grave, participando de reuniões dentro de um órgão do governo, não tem jeito mesmo no Brasil o sujeito é julgado, condenado e continua livre e solto e olha que esse é bandido mesmo, não é nenhum pobre agricultor sem terra.
Isso é uma vergonha, o Brasil não é um país serio, a impunidade predomina em todos os setores do crime organizado.
 
juvenul em 04/08/2015 20:05:25
imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions