ACOMPANHE-NOS     Campo Grande News no Facebook Campo Grande News no Twitter Campo Grande News no Instagram
JULHO, TERÇA  23    CAMPO GRANDE 19º

Empregos

PRFs protestam na Ponte da Amizade pedindo pagamento de indenizações

Liana Feitosa | 14/07/2015 12:34
Participantes caminharam com faixas e cartazes em trecho entre a delegacia da PRF e a Ponte da Amizade. (Foto: Divulgação PRF)
Participantes caminharam com faixas e cartazes em trecho entre a delegacia da PRF e a Ponte da Amizade. (Foto: Divulgação PRF)

Cerca de 150 agentes da PRF (Polícia Rodoviária Federal) participaram de passeata em Foz do Iguaçu, no Paraná. Os participantes caminharam com faixas e cartazes em trecho entre a delegacia da PRF e a Ponte da Amizade, que liga a cidade de Foz do Iguaçu à Ciudad del Este, no Paraguai.

"A Ponte da Amizade é um símbolo conhecido do país quando se fala de comércio na fronteira. É um ponto comum aos servidores que atuam na fronteira, por isso foi escolhido", explica Lúcio Nogueira, presidente do SinPRF-MS (Sindicato dos Policiais Rodoviários Federais de Mato Grosso do Sul).

De MS, participaram 15 policiais. O sindicato e a FenaPRF (Federação Nacional dos Policiais Rodoviários Federais) buscam restruturação do plano de carreira, aumento de efetivo e regulamentação da indenização de fronteira, que prevê pagamento indenizatório a servidores em exercício em unidades que atuam estrategicamente vinculadas à prevenção, controle, fiscalização e repressão dos delitos transfronteiriços.

“Em MS, são 1.517 quilômetros de fronteira seca a serem fiscalizados pelos postos de Corumbá, Ponta Porã e Anastácio, corredor não apenas de entrada de drogas, como também saída de carros roubados no Brasil e os policiais não recebem adicional de fronteira por isso, o que acaba por desmotivar quem é locado nessas regiões”, explica.

Passeata cumpriu trajeto de quatro quilômetros e o trânsito ficou parado por 15 minutos. (Foto: Divulgação PRF)
Passeata cumpriu trajeto de quatro quilômetros e o trânsito ficou parado por 15 minutos. (Foto: Divulgação PRF)

De acordo com Nogueira, a lei que prevê pagamento de indenização de fronteira já tem dois anos, mas não está regulamentada.

O sindicato também pede conscientização da população e apoio em relação a outros pontos comuns a servidores públicos de outros setores do funcionalismo como, por exemplo, o não pagamento de adicional noturno ou periculosidade. "Não recebemos esses adicionais e esse não é um problema exclusivo da PRF", amplia o sindicalista.

A passeata cumpriu trajeto de quatro quilômetros e o trânsito ficou parado por 15 minutos e, depois, lendo nos dois sentidos. Na Ponte da Amizade, os PRFs cantaram o Hino Nacional e fizeram panfletagem e adesivagem de carros.

"Queremos mostrar para a sociedade que estamos numa luta justa, queremos buscar a sensibilidade da população em relação às nossas reivindicações", completa Nogueira.

Nos siga no Google Notícias