A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Quarta-feira, 28 de Junho de 2017

24/09/2014 12:38

Taxa de sobrevivência de empregos em MS é menor que média nacional

Caroline Maldonado
O setor de água, esgoto, atividades de gestão é responsável pelo maior número de contratações em relação ao número de empregados no ano. O segmento contratou 22,1% e demitiu apenas 0,2% (Foto: Marcelo Calazans)O setor de água, esgoto, atividades de gestão é responsável pelo maior número de contratações em relação ao número de empregados no ano. O segmento contratou 22,1% e demitiu apenas 0,2% (Foto: Marcelo Calazans)

A taxa de sobrevivência dos empregos nas empresas sul-mato-grossenses é inferior à média nacional. Do total de 390.361 postos de emprego em Mato Grosso do Sul, 93,6% permaneceu no ano de 2012, em relação ao ano anterior, de acordo com pesquisa realizada pelo IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística).

Em todo o Brasil, os empregos que se mantiveram nesse período foram 95,4% do total. No entanto, o Estado contratou nesse ano 24.867 pessoas, o que representa 6,4% do total de empregados, percentual maior do que a média nacional de contratações que é de 4,6%, conforme o levantamento. As demissões, por sua vez, representam 1,4% do total, quantidade inferior a média do Brasil, que é de 1,7%.

Em Campo Grande, do total de 169.994 assalariados em 2012, 5,8% entrou e 1,2% saiu dos postos de trabalho. O percentual é inferior a taxa nacional de contratações que é de 4,6%, enquanto a taxa de saída ficou em 1,7%. Na Capital; o setor de água, esgoto, atividades de gestão é responsável pelo maior número de contratações em relação ao número de empregados no ano. O segmento contratou 22,1% e demitiu apenas 0,2%, o menor percentual de todos os setores pesquisados. Também apresentaram apenas 0,2% de demissões as áreas de saúde humana e serviços sociais; atividades imobiliárias; além de atividades financeiras, de seguros e serviços relacionados.

Tambem estão entre os que tem maior número de contratações em relação aos empregados naquele ano, o setor de artes, cultura, esporte e recreação, com 12,1%; alojamento e alimentação, com 8,8%; construção, que contratou 8,2% e a indústria de transformação que registrou 6,5% de entradas em postos de trabalho em 2012.

Dentre os setores que apresentam menor número de contratações estão eletricidade e gás com 1,4%; atividades administrativas e serviços complementares, com 2,1%; educação, com 2,4%; agricultura, pecuária, produção florestal, pesca e aquicultura, com 2,8% e saúde humana e serviços sociais, com 3,5%.

Remuneração – Conforme a pesquisa, no Brasil do total de salários e outras remunerações das empresas de alto crescimento, 73,9% foram pagos a homens e 26,1%, à mulheres. Levando em conta o total de empresas, 70,6% dos salários e outras remunerações foram pagos aos homens, enquanto 29,4% às mulheres.

Os salários médios mensais das empresas de alto crescimento foram de R$ 1.965,07 para homens e R$ 1.405,38 para mulheres. Os valores têm diferença de 28,5%. No total de empresas, o salário médio mensal foi de R$ 1 924,12 para os homens e R$ 1 378,03 para as mulheres, o que significa diferença de 28,4%.

Prefeitura abre 56 vagas para profissionais de educação física
Processo seletivo aberto da prefeitura quer contratar 56 profissionais de educação física para atuar no programa “Movimenta Campo Grande”. Os salário...
Concurso da Câmara de Ribas do Rio Pardo com 20 vagas inscreve até 7 de julho
Terminam no dia 7 de julho as inscrições do concurso público da Câmara Municipal de Ribas do Rio Pardo, distante 103 quilômetros de Campo Grande. No ...



imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions