A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Domingo, 17 de Dezembro de 2017

02/02/2011 23:40

Estudo da Unesp aponta que turismo tem alterado costumes em Bonito

Jorge Almoas

Mesmo com alicerce da sustentabilidade, atividade turística modifica comportamentos

Estudo de caso defendido na Unesp (Universidade Estadual Paulista) aponta que a atividade turística, ainda que baseada em conceitos sustentáveis, realizada em Bonito tem alterado costumes locais da população. A tese foi defendida por Marçal Rogério Rizzo, na pós-graduação em Geografia na instituição de ensino.

No trabalho “Encontros e desencontros do turismo com a sustentabilidade: um estudo de caso do município de Bonito”, Marçal defende que as raízes culturais não estão sendo preservadas.

“O turismo substituiu a agropecuária na geração de empregos no município, mas não se preocupou em preservar raízes, o que está levando ao esquecimento de muitas lendas e tradições”, afirma Marçal.

O economista realizou o estudo por quatro anos, com entrevista de 49 pessoas e mais de duzentos questionários aplicados a moradores da região.

Uma das causas dessa descaracterização cultural está no fato de que boa parte dos empresários envolvidos em atividades turísticas na localidade são “forasteiros”.

“A maioria, encantada com as belezas naturais, decide se estabelecer no local, mas, como não possuem vínculos, não souberam preservar o legado dos tropeiros e vaqueiros típicos da região”, observa o estudioso.

Comida típica – Marçal cita como exemplo dessa “deformação” a culinária. Em vários pontos do comércio de Bonito, é vendida a carne de jacaré, o que leva a crer que a iguaria é um prato típico do município.

No entanto, o réptil é encontrado no Pantanal. Assim, toda a carne de jacaré servida em Bonito vem de criadouros de regiões pantaneiras. “É uma tentativa de vender um ambiente exótico ao viajante. Na verdade, a alimentação dessas comunidades é bem mais simples”.

Um patrimônio cultural de Bonito é o arroz carreteiro, feito com charque e cozido na panela de ferro, tradicionalmente produzido pelos carreteiros, homens que viajavam em comitivas, levando cargas em carretas puxadas por bois até o sul do país.

Turismo sustentável - Muitos fazendeiros e sitiantes estão apostando no turismo rural para gerar renda. Os viajantes pagam para conhecer cachoeiras, rios e grutas localizadas nas propriedades. Na área urbana, consomem serviços como hospedagem e alimentação, além de produtos artesanais.

O controle de visitações em pontos turísticos – como a gruta do Lago Azul – impede que os locais fiquem superlotados e não há degradação dos espaços públicos. Para frequentar as atrações é obrigatória a presença de um guia, com exceção dos balneários.

Para Rizzo, Bonito é um caso bem-sucedido de turismo de natureza, mas que ainda há muito a fazer. “O futuro do turismo na região depende do fortalecimento da comunidade. É preciso incluir o máximo de pessoas, já que há espaço para crescimento”, afirma.

O estudo completo pode ser acessado neste endereço [http://www.dominiopublico.gov.br/pesquisa/DetalheObraForm.do?select_action=&co_obra=197209] [link]

Curso de instrutor de trânsito do Detran oferece 50 vagas na Capital
O Detran-MS (Departamento Estadual de Trânsito de Mato Grosso do Sul) está com inscrições abertas para o curso de Formação de Instrutor de Trânsito e...
Mega-Sena acumula de novo e prêmio estimado sobe para R$ 43,5 milhões
Mais uma vez a Mega-Sena ficou sem vencedor na faixa principal e, com isso, a premiação acumulou e pode chegar a R$ 43,5 milhões no próximo concurso,...
Mega-Sena pode pagar R$ 39 milhões no sorteio deste sábado
A Mega-Sena deste sábado (16), que está acumulada, pode pagar R$ 39 milhões para quem acertar os seis números. O concurso 1.997 ocorre às 20 horas, h...


imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions