A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Sábado, 16 de Dezembro de 2017

28/04/2013 10:02

Explorados na indústria têxtil de SP, bolivianos entram por Corumbá

Nadyenka Castro

A fronteira seca Brasil/Bolívia – Brasil/Paraguai é conhecida pela fragilidade na segurança. Entorpecentes entram no País; carros roubados aqui são levados para lá, onde também se escondem foragidos.

Nos últimos anos, são por essas mesmas portas que têm entrado no Brasil pessoas que, com a esperança de trabalho decente, acabam sendo exploradas. “Temos tido enorme número de estrangeiros que vem ao Brasil”, disse o procurador-geral do Trabalho, Luís Antônio Camargo de Melo, em evento do MPT (Ministério Público do Trabalho), em Brasília.

De acordo com o procurador, a maioria das vítimas do tráfico de pessoas é boliviana e vai parar na indústria têxtil de São Paulo. A maior parte delas entra por Corumbá, a 419 quilômetros de Campo Grande. “A grande maioria entra por Corumbá”, afirma Luís Camargo.

Conforme o chefe da Procuradoria do Trabalho, há dois anos havia cerca de 350 mil bolivianos, sendo 100 mil deles já regularizados.

Agora, com o aperto da fiscalização nas costurarias industriais da capital paulista, a preocupação do órgão federal é com o tráfico interno: trabalhadores estão sendo levados para o interior, para igualmente serem explorados.

A punição para as empresas que insistem em promover o tráfico de pessoas é multa e inserção na lista suja do trabalho escravo . Uma delas foi de R$ 4 milhões. Dinheiro utilizado em benefício das vítimas.

Estes trabalhadores são vítimas de duas situações degradantes: tráfico de pessoas e trabalho escravo. São submetidos a jornadas exaustivas, não recebem salário compatível, ficam em débito com o empregador – pois este geralmente paga alimentação, hospedagem -.

Segundo o procurador, há paraguaios que também acabam vindo para o País, entrando por Mato Grosso do Sul, em busca de trabalho e terminam explorados. No entanto, o número é muito pouco perto da quantidade de bolivianos.

O coordenador nacional de Erradicação do Trabalho Escravo, procurador do Trabalho Jonas Ratier Moreno, lembra que muitas das empresas que já foram flagradas explorando bolivianos são marcas conhecidas e até multinacionais.

Diante disso, ele chama para reflexão. “Quando a gente chega na arara [de roupas] e vê a promoção, tem que lembrar que o custo de produção é muito baixíssimo e a troco de exploração”.

Mega-Sena pode pagar R$ 39 milhões no sorteio deste sábado
A Mega-Sena deste sábado (16), que está acumulada, pode pagar R$ 39 milhões para quem acertar os seis números. O concurso 1.997 ocorre às 20 horas, h...
MEC deve homologar Base Comum Curricular na próxima quarta-feira
O Ministério da Educação informou que a Base Nacional Comum Curricular (BNCC), aprovada hoje (15) pelo Conselho Nacional de Educação (CNE), deve ser ...


imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions