ACOMPANHE-NOS     Campo Grande News no Facebook Campo Grande News no Twitter Campo Grande News no Instagram
MAIO, QUINTA  23    CAMPO GRANDE 25º

Cidades

Explorados na indústria têxtil de SP, bolivianos entram por Corumbá

Nadyenka Castro | 28/04/2013 10:02

A fronteira seca Brasil/Bolívia – Brasil/Paraguai é conhecida pela fragilidade na segurança. Entorpecentes entram no País; carros roubados aqui são levados para lá, onde também se escondem foragidos.

Nos últimos anos, são por essas mesmas portas que têm entrado no Brasil pessoas que, com a esperança de trabalho decente, acabam sendo exploradas. “Temos tido enorme número de estrangeiros que vem ao Brasil”, disse o procurador-geral do Trabalho, Luís Antônio Camargo de Melo, em evento do MPT (Ministério Público do Trabalho), em Brasília.

De acordo com o procurador, a maioria das vítimas do tráfico de pessoas é boliviana e vai parar na indústria têxtil de São Paulo. A maior parte delas entra por Corumbá, a 419 quilômetros de Campo Grande. “A grande maioria entra por Corumbá”, afirma Luís Camargo.

Conforme o chefe da Procuradoria do Trabalho, há dois anos havia cerca de 350 mil bolivianos, sendo 100 mil deles já regularizados.

Agora, com o aperto da fiscalização nas costurarias industriais da capital paulista, a preocupação do órgão federal é com o tráfico interno: trabalhadores estão sendo levados para o interior, para igualmente serem explorados.

A punição para as empresas que insistem em promover o tráfico de pessoas é multa e inserção na lista suja do trabalho escravo . Uma delas foi de R$ 4 milhões. Dinheiro utilizado em benefício das vítimas.

Estes trabalhadores são vítimas de duas situações degradantes: tráfico de pessoas e trabalho escravo. São submetidos a jornadas exaustivas, não recebem salário compatível, ficam em débito com o empregador – pois este geralmente paga alimentação, hospedagem -.

Segundo o procurador, há paraguaios que também acabam vindo para o País, entrando por Mato Grosso do Sul, em busca de trabalho e terminam explorados. No entanto, o número é muito pouco perto da quantidade de bolivianos.

O coordenador nacional de Erradicação do Trabalho Escravo, procurador do Trabalho Jonas Ratier Moreno, lembra que muitas das empresas que já foram flagradas explorando bolivianos são marcas conhecidas e até multinacionais.

Diante disso, ele chama para reflexão. “Quando a gente chega na arara [de roupas] e vê a promoção, tem que lembrar que o custo de produção é muito baixíssimo e a troco de exploração”.

Nos siga no Google Notícias