A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Segunda-feira, 22 de Janeiro de 2018

09/11/2009 11:24

Famílias são despejadas de área no bairro Montevidéu

Redação

Dez famílias que ocupavam a área da fazenda Botas, localizada no bairro Montevidéu, em Campo Grande, foram retiradas nesta manhã em cumprimento à reintegração de posse concedida pelo juiz Geraldo de Almeida Santiago.

A ação foi acompanhado por 18 policiais da Cigcoe (Companhia Independente de Gerenciamento de Crises e Operações Especiais). O grupo entrou no terreno, na região onde será construído o Shopping Iguatemi.

Dentre os invasores, uma das famílias é de Izolita Nunes Barcelos, de 51 anos, que morava no local há dez dias, com três filhos e três netos. Ela reclama que vive apenas com a renda mensal de um salário mínimo e não sabe para onde ir. "Não sei o que vai ser agora", disse aos prantos, ao ver o barraco de lona ao chão.

Izolita conta que esperava uma ajuda da prefeitura, para conseguir um novo lar para a família. "Ele (prefeito) teve aqui na quinta-feira e prometeu ajudar com uma casa. Pediu que fizéssemos uma lista com 10 nomes e entregasse para um funcionário que esteve no outro dia aqui, mas ele se negou assinar o papel que fizemos".

Há um ano, Izolita veio de Rio Verde de Mato Grosso para Campo Grande em busca de trabalho e facilidades para o tratamento médico de dois filhos, um cadeirante e outro com problemas mentais. Mas segundo ela, a família só tem encontrado dificuldades. "Essa cidade é cruel", desabafa.

Agora o desafio da família e outros 9 moradores e conseguir um novo local para morar. Alguns moram em casas alugadas, mas também estão em processo de despejo por falta de pagamento.

Como o caso de Antonio Marcos Korzniwccki, de 37 anos. Ele conta que mora em um barroco de favor no bairro Monte Castelo e há duas semanas se instalou com a mulher e duas crianças na área. "Não temos onde ficar. Só Deus sabe o que vai ser agora".

O pedreiro José Pedro Lopes, de 36 anos, carregava o que sobrou do barraco nas costas. O aluguel de R$ 280 mensal, previsto pelo pedreito, deixará a renda da família ainda mais apertada. "Ganho em média 600 a 700 por mês. Fica bem arrochado".

Depois do despejo, as famílias colheram no local assinaturas para tentarem um processo que lhes concedam o direito a uma casa.

Especialista diz que doenças vasculares aumentam em até 30% no verão
Dados da Sociedade Brasileira de Angiologia e de Cirurgia Vascular, seção Rio de Janeiro (SBACV-RJ), indicam que as altas temperaturas, comuns da épo...
Com 817 processos, Justiça retoma julgamentos nesta segunda em MS
O TJMS (Tribunal de Justiça de Mato Grosso do Sul) retoma nesta segunda-feira (22) as sessões de julgamento dos órgãos colegiados da Corte. Somente n...
Prazos processuais voltam a correr a partir de amanhã no judiciário de MS
O TJMS (Tribunal de Justiça de Mato Grosso do Sul) alerta que os prazos processuais voltam a fluir normalmente a partir desta segunda-feira (22) no j...
imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions