A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Domingo, 17 de Dezembro de 2017

20/01/2009 15:59

Funai: índios cobram desvio de R$ 43 mil em combustível

Redação

Nove caciques da reserva indígena Buriti se reuniram nesta tarde com o administrador regional da Funai (Fundação Nacional do Índio) em Campo Grande, Jorge Antonio das Neves, para cobrar providências sobre suposto desvio de R$ 43 mil em combustíveis, além de verbas para a compra de arame para a atividade agrícola nas aldeias.

Segundo os caciques, uma pequena parte deste montante chegou à comunidade. O resto consta como pago em documentos da Funai, mas na prática não foi repassado às aldeias.

O problema levou os índios da região de Sidrolândia e Dois Irmãos do Buriti a derrubar do cargo o chefe do posto indígena Buriti, Samuel Dias, e eleger um novo representante.

Os caciques suspeitam que Samuel possa estar envolvido em esquema comandado pelo ex-administrador regional da Funai em Campo Grande, Claudionor Miranda.

Entretanto, ao Campo Grande News, ele nega qualquer envolvimento no esquema de desvio de gasolina, óleo diesel e arames das aldeias.

"Realmente o antigo administrador deve ter usado de má fé. Ele determinava e eu assinava os documentos, como se estivesse recebendo as benfeitorias, mas na verdade não estava", justificou.

Segundo ele, o antigo administrador da Funai alegava que o processo estava em licitação, entre outras desculpas para não repassar o combustível às aldeias.

"Foi bobeira da minha parte, fico com isso dentro de mim. Ele falava que os processos estavam em pregão, me enganava, eu fico triste por estar sendo acusado de coisas que eu não cometi", declarou.

Documento apresentado pelo atual administrador revela que entre os dias 19 de agosto e 19 de dezembro do ano passado, foram liberados R$ 43.170,29 para a compra de 13.865 litros de óleo diesel e mais gasolina para atender as nove comunidades indígenas.

Entretanto, nem a metade deste valor foi repassado. "Estou prestando contas do que a Funai repassou, que é para eles terem uma noção do que se passa, e antigamente não se fazia isso. Minha preocupação é com o índio, que já não tem, o branco chama o índio de preguiçoso, agora a própria Funai tirar do índio não está certo, tinha alguma coisa acontecendo de errada aqui", afirmou Jorge Antônio das Neves.

Ele promete fazer um levantamento nas contas da antiga administração para descobrir quem são os verdadeiros culpados pela não entrega destes materiais às aldeias.

Um exemplo da disparidade entre o que dizem os documentos e o que realmente é recebido pelas aldeias, é o caso do cacique Elizur Gabriel, cacique da aldeia Buriti. A papelada apresentada pela Funai atesta que foram enviados para sua comunidade 30 rolos de arame, mas nenhum chegou às mãos do líder indígena.

A CGU já havia determinado levantamento nas contas do órgão. Foi determinada uma junta interventora, composta por 3 pessoas, após a exoneração de Claudionor no cargo.

Prestação de contas

Curso de instrutor de trânsito do Detran oferece 50 vagas na Capital
O Detran-MS (Departamento Estadual de Trânsito de Mato Grosso do Sul) está com inscrições abertas para o curso de Formação de Instrutor de Trânsito e...
Mega-Sena acumula de novo e prêmio estimado sobe para R$ 43,5 milhões
Mais uma vez a Mega-Sena ficou sem vencedor na faixa principal e, com isso, a premiação acumulou e pode chegar a R$ 43,5 milhões no próximo concurso,...
imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions