ACOMPANHE-NOS     Campo Grande News no Facebook Campo Grande News no Twitter Campo Grande News no Instagram
FEVEREIRO, QUARTA  28    CAMPO GRANDE 24º

Cidades

Governo adia negociação com professores para calcular impacto no orçamento

Zana Zaidan | 07/11/2013 07:47
Puccinelli recebeu o presidente da Fetems e garantiu estudo mais detalhado antes de aprovar reajuste dos professores (Foto: Divulgação)
Puccinelli recebeu o presidente da Fetems e garantiu estudo mais detalhado antes de aprovar reajuste dos professores (Foto: Divulgação)

Depois de participar ontem (7) de longa reunião com a entidade que representa os professores do ensino público de Mato Grosso do Sul, o governador André Puccinelli (PMDB) optou por adiar a definição sobre o plano salarial da categoria em 2014.

Segundo o presidente da Fetems (Federação dos Trabalhadores em Educação de Mato Grosso do Sul), Roberto Botareli, Puccinelli vai analisar de forma técnica e elaborada o impacto que as reivindicações dos professores vai causar nos cofres públicos do Estado. A data-base de reajuste é 1º de janeiro, diferente dos demais servidores estaduais, que é maio.

Os professores pedem que o piso salarial de R$ 1.810, 05 que corresponde à carga horária de 40 horas seja referente a 20 horas. Ou seja, os profissionais que trabalham nas escolas teriam os salários dobrados, equivalentes a R$ 3.620,10.

Outro pedido do governo foi para que a Fetems aguarde uma definição sobre o reajuste do Piso Nacional, que tramita no Congresso Nacional. A legislação federal determina que nenhum professor receba menos que R$ 1.567, atualmente. No Estado, o salário pago é de R$ 243,05 a mais do que a lei estabelece.

Botareli esperava que a reunião, que durou cerca de 2 horas e meia, fosse definitiva e já saísse houvesse uma proposta finalizada para apresentar para a categoria em Assembleia Geral. “A reunião não superou as nossas expectativas e nós continuaremos na luta pela implantação do piso por 20 horas”, afirmou.

Conquistas – Já a partir do início do ano letivo de 2014, entra em vigor a lei aprovada pela Assembleia Legislativa e sancionada por Puccinelli que estabelece 1/3 de hora- atividade para o planejamento de aulas na rede Estadual de ensino.

Reivindicação antiga dos professores, o acordo foi firmado em outubro do ano passado mas, como não haveria tempo hábil para implantar a medida neste ano, a mudança passa a valer para 2014, quando os profissionais terão direito de usar 1/3 da carga exclusivamente para planejamento de aulas, correção de provas e demais atribuições.

Nos siga no Google Notícias