A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Sábado, 16 de Dezembro de 2017

18/08/2008 11:31

Governo de MS libera aumento de produção de carvoarias

Redação

A Semac (Secretaria de Meio Ambiente, Cidades, Planejamento, da Ciência e Tecnologia de MS) publicou hoje no Diário Oficial, alterações na lei de licenciamento ambiental para carvoarias.

O novo texto diminui as exigências de informações relativas aos mapas de georreferenciamento das áreas onde são realizadas atividades carvoeiras. Esta medida pretende acelerar os processos de licenciamento para o setor de carvoejamento em Mato Grosso do Sul.

Outra novidade é que as carvoarias poderão aumentar a produção. Antes, a resolução estipulava um limite embasado na quantidade de fornos. Agora, este limite pode ser aumentado, conforme a capacidade dos fornos e as normas estipuladas na resolução.

As mudanças foram comemoradas pelo Sindcarv (Sindicato das Indústrias e dos Produtores de Carvão Vegetal de Mato Grosso do Sul). Segundo o presidente do sindicato, Marcos Brito, a publicação já é uma resposta ao protesto realizado pela categoria no dia 11 de agosto.

Brito diz que as negociações com o Estado estão avançando, mas o problema é com o Ibama. O órgão responsável pela fiscalização bloqueou cerca de cem unidades de indústrias de carvão em MS.

De acordo com o Sindicarv, o setor de produção de carvão vegetal movimenta cerca de R$ 500 mil por mês e emprega 15 mil trabalhadores. Em Mato Grosso do Sul, existem cem indústrias de carvão vegetal.

Meio Ambiente - No ano passado, 101 carvoarias clandestinas foram fechadas em Mato Grosso do Sul por funcionarem sem autorização. Entidades de defesa do meio ambiente reclamam que a atividade é uma das mais nocivas e, em Mato Grosso do Sul, está se proliferando pela necessidade de abastecer a siderurgia, principalmente fixada em Corumbá.

Outra preocupação apontada pela organização Rios Vivos é que a atividade ganha espaço em pontos de ecossistema delicado. Antes era restrita a região leste do Estado, perto de Ribas do Rio Pardo, que já foi considerada a capital do carvão.

 

Como o cerrado nativo foi derrubado, a produção passou a se fixar em outros pontos, agora preferencialmente nas regiões de Bonito, incluindo o município de Jardim, onde fica a nascente do rio da Prata.

 

MEC deve homologar Base Comum Curricular na próxima quarta-feira
O Ministério da Educação informou que a Base Nacional Comum Curricular (BNCC), aprovada hoje (15) pelo Conselho Nacional de Educação (CNE), deve ser ...
Presos da penitenciária federal da Capital são julgados por crime em RN
Um preso custodiado no presídio federal de Campo Grande foi julgado, ao lado de outros três homens, na quinta-feira (14) e nessa sexta-feira (15) por...
Governo Federal reduz período do horário de verão para 2018/19
O presidente Michel Temer assinou hoje (15) um decreto reduzindo em duas semanas o horário de verão em 2018. No ano que vem, a medida começará a vale...
Inscrições para o Vestibular 2018 da UFMS seguem abertas
A UFMS (Universidade Federal de Mato Grosso do Sul) segue com inscrições abertas para o Vestibular 2018, que selecionará alunos para cursos de gradua...
imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions