A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Segunda-feira, 22 de Janeiro de 2018

22/09/2015 19:15

Greve do INSS chega a 81 dias e população sofre para receber benefícios

Thiago de Souza
Apesar de agendado, secretária Célia Silva não foi atendida. (Foto: Gerson Walber). Apesar de agendado, secretária Célia Silva não foi atendida. (Foto: Gerson Walber).
Perícia médica funciona parcialmente e atendimento é lento. (Foto: Gerson Walber)Perícia médica funciona parcialmente e atendimento é lento. (Foto: Gerson Walber)

A greve dos servidores do INSS (Instituto Nacional de Seguridade Social) completa 81 dias e o impasse entre Governo Federal e o comando da greve continua.

Em Campo Grande cerca de 40% dos médicos peritos aderiram à greve. O atendimento está demorado e para algumas pessoas a perícia chega a ser remarcada por duas vezes.

O transtorno da greve é bem palpável para Célia Silva, 51, que busca a aposentadoria. "A pessoa trabalha 35 anos para se aposentar, vem aqui é não é atendida", questionou a secretária, que agendou primeiro atendimento dia 1º de agosto. Mesmo diante das dificuldades, ela diz que a paralisação dos servidores é legítima. "Eu não tiro a razão deles. Eles têm o direito de reivindicar", refletiu a secretária. 

Mais grave é a situação do frentista Olandir Priano da Silva, 42. Ele sofreu um acidente ao cair de um andaime em um posto de gasolina, e devido aos dois adiamentos da perícia médica, não recebe salário. "Estou vivendo com ajuda dos familiares, pai...tio", lamentou o homem. Sua primeira perícia era para ser feita dia 22 de agosto, mas foi adiada para hoje (22) de setembro. No entanto, o frentista também concorda com a greve, apenas acredita que o prejuízo a população não deveria ser tão grande.

De acordo com o comando de greve em Campo Grande, representantes do movimento estavam reunidos na tarde desta terça-feira (22), com o ministro do Planejamento Nelson Barbosa, em Brasília. A principal reivindicação da categoria foi atendida, que era a fixação da gratificação de 50% no salário, fazendo com que os servidores se aposentem com, praticamente, o salário integral.

O impasse fica por conta dos dias parados. O governo quer que os servidores paguem em hora, porém, os funcionários exigem pagar em forma de quantidade de atendimentos, fazendo mutirões para tentar zerar as filas, por exemplo.



imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions