A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Quinta-feira, 14 de Dezembro de 2017

09/06/2012 21:00

Grupos de apoio à adoção querem diagnóstico sobre reintegração familiar

Agência Brasil

Sub-Título

Associações e grupos de apoio à adoção querem fazer um diagnóstico nacional, com base em indicadores estaduais e municipais, sobre o abrigamento institucional. O objetivo é identificar os problemas que impedem a reintegração familiar e a adoção no país. A proposta faz parte da Carta Unir para Cuidar, apresentada durante o encerramento do 17º Enapa (Encontro Nacional de Associações e Grupos de Apoio à Adoção).

De acordo com a presidenta do Projeto Aconchego, Soraya Pereira, organizadora do evento, o encontro foi produtivo porque as pessoas que participaram perceberam a importância que elas têm no cuidado de adotados e que a ação que fazem repercute no outro.

No documento, as entidades participantes assumem o envolvimento para a implementação de ações e medidas visando a contribuir para o fortalecimento do Movimento Nacional de Apoio à Adoção e ao direito à convivência familiar e comunitária de crianças e adolescentes.

Entre as propostas está a concessão de um assento no Conanda (Conselho Nacional dos Direitos da Criança e do Adolescente) aos grupos de apoio à adoção. “Nossa proposta é uma ação conjunta de muita responsabilidade e de respeito pelo trabalho de todos”, disse Soraya.

As entidades também recomendaram a implantação e o monitoramento do Plano Decenal de Direitos Humanos de Crianças e Adolescentes nos estados, no distrito federal e nos municípios e a elaboração de um plano para execução dos prazos legais, com juízes e promotores de Justiça, visando a operacionalizar a atuação do judiciário no contexto da adoção e da reintegração familiar.

Para a secretária nacional dos Direitos da Criança e do Adolescente da Secretaria de Direitos Humanos, Carmem Oliveira, ainda é preciso avançar em relação aos sistemas de adoção que existem no país. “É a partir de dados que se constituem políticas públicas. É inadmissível que ainda não tenhamos universalizado o Cadastro Nacional de Adoção”.

De acordo com dados do CNJ (Conselho Nacional de Justiça), o Brasil possui 5 mil crianças e adolescentes disponíveis para adoção. Dos 28 mil candidatos a pais incluídos no Cadastro Nacional de Adoção, 35,2% aceitam apenas crianças brancas e 58,7% buscam alguma com até 3 anos. Enquanto isso, nas instituições de acolhimento, mais de 75% dos 5 mil abrigados têm entre 10 e 17 anos, faixa etária que apenas 1,31% dos candidatos está disposto a aceitar.



imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions