ACOMPANHE-NOS     Campo Grande News no Facebook Campo Grande News no Twitter Campo Grande News no Instagram
ABRIL, DOMINGO  21    CAMPO GRANDE 23º

Interior

Ação do Gaeco na prefeitura de Naviraí investiga distribuição de remédios

Justiça determinou afastamento da gerente de saúde e de servidor da pasta; prefeito descarta irregularidades, mas apoia investigação

Helio de Freitas, de Dourados | 31/03/2015 11:15
Coordenador do Gaeco, Marcos Alex Vera de Oliveira (de costas) em frente à sede da prefeitura de Naviraí, nesta terça-feira (Foto: Umberto Zum/Tanamidianaviraí)
Coordenador do Gaeco, Marcos Alex Vera de Oliveira (de costas) em frente à sede da prefeitura de Naviraí, nesta terça-feira (Foto: Umberto Zum/Tanamidianaviraí)

A Operação Remédio Controlado que o Gaeco (Grupo de Atuação Especial de Combate ao Crime Organizado) faz nesta terça-feira em Naviraí, a 366 km de Campo Grande, faz parte de uma investigação conduzida pelo Ministério Público sobre supostas irregularidades na distribuição de medicamentos a pacientes do SUS através da farmácia mantida pelo município. Nenhum mandado de prisão foi cumprido e as duas equipes do grupo especial recolhem apenas documentos no Paço Municipal e na Secretaria de Saúde.

O Campo Grande News apurou que a investigação sobre a distribuição de medicamentos começou após indícios surgidos durante a Operação Atenas, da Polícia Federal, apontando ligação de servidores da Secretaria de Saúde com o ex-presidente da Câmara Municipal, Cícero dos Santos.

O servidor Éder Felipe Souza Lima teria sido citado nas gravações feitas pela PF no ano passado como suposto participante de um esquema operado por Cícero dos Santos para fraudar a distribuição de medicamentos.

Afastamento – Em Naviraí, a investigação do MP é conduzida pelo promotor Daniel Pivaro. A pedido do Ministério Público, o juiz Eduardo Magrinelli Junior expediu os mandados de busca cumpridos hoje e determinou o afastamento por 180 dias da gerente municipal de Saúde, Anelize Coelho, e de Éder Souza Lima. A prefeitura ainda não informou que vai ocupar o cargo de Anelize nesse período.

Através da assessoria de imprensa, o prefeito Léo Matos (sem partido) afirmou não acreditar que tenha ocorrido irregularidade, mas defendeu as investigações e se colocou à disposição do Ministério Público. “Sobre o afastamento da gerente de Saúde Anelize Coelho e do servidor Éder Felipe, a administração municipal acredita na conduta legal dos mesmos, porém respeita a decisão e apoia qualquer investigação”, afirma a nota.

Ainda conforme a prefeitura, a decisão do próprio juiz Eduardo Magrinelli Junior, de conceder a liminar solicitada pelo MP apenas de forma parcial, atesta que as supostas irregularidades não foram comprovadas.

Além do afastamento dos dois servidores, o Ministério Público teria solicitado também o afastamento do prefeito e o indiciamento deles por enriquecimento ilícito. “De acordo com o juiz não há prova concreta, nem mesmo prejuízo ao erário ou enriquecimento ilícito. A Prefeitura de Naviraí acredita na existência de irregularidade e que qualquer ato isolado, que por ventura possa ter sido praticado por algum servidor, deve ser apurado.

A operação, comandada pelo coordenador estadual do Gaeco, promotor Marcos Alex Vera de Oliveira, já foi encerrada e os documentos levados para a sede do Ministério Público em Naviraí.

Nos siga no Google Notícias