ACOMPANHE-NOS    
DEZEMBRO, SÁBADO  04    CAMPO GRANDE 27º

Interior

Advogado executado na fronteira já foi preso por tráfico no Brasil

Preso no Paraná entregando cocaína, Joel Angel Villalba Aguero foi expulso do Brasil

Por Helio de Freitas, de Dourados | 25/10/2021 17:44
Policiais no local onde advogado ligado ao tráfico foi executado em Pedro Juan (Foto: ABC Color)
Policiais no local onde advogado ligado ao tráfico foi executado em Pedro Juan (Foto: ABC Color)

O advogado Joel Angel Villalba Aguero, 45, executado por pistoleiros nesta segunda-feira (25) na fronteira era ligado ao tráfico de drogas. Ele havia sido preso pelo menos duas vezes em território brasileiro, a primeira em 2006, no Paraná.

Ex-funcionário público e filiado ao Partido Liberal, Joel foi morto a tiros na frente de sua casa no bairro Dom Bosco, em Pedro Juan Caballero, cidade separada apenas por uma rua de Ponta Porã (MS), a 323 km de Campo Grande. Ele chegou a correr para dentro da casa, mas foi crivado de balas e morreu. O pai dele foi ferido de raspão.

O advogado Joel Angel Villalba Aguero (Foto: Reprodução)
O advogado Joel Angel Villalba Aguero (Foto: Reprodução)

Joel e a mulher, Dalcy Antonia Sanchez de Escobar, foram presos em junho de 2006 em Curitiba (PR) quando entregavam oito quilos de cocaína ao uruguaio Daniel Makoto Hirai Torii.

A droga estava no estepe de uma caminhonete Hyundai com placa do Paraguai. Os dois paraguaios foram flagrados por policiais federais quando entregavam a chave do carro a Daniel, na rodoferroviária da capital paranaense.

A prisão dos três traficantes revelou naquele ano a rota Pedro Juan Caballero-Curitiba-Montevidéu. Joel confessou que tinha sido contratado na época por R$ 2 mil para levar a droga da fronteira com Mato Grosso do Sul até Curitiba. De lá, a cocaína seria levada por Daniel até a capital uruguaia.

No início do ano passado, após cumprir a pena por tráfico internacional, Joel Villalba foi oficialmente expulso do território brasileiro. A portaria com a expulsão foi publicada no Diário Oficial da União no dia 6 de abril de 2020.

Nos siga no Google Notícias
Regras de comentário