ACOMPANHE-NOS    
SETEMBRO, SÁBADO  18    CAMPO GRANDE 35º

Interior

Após 7 meses, mulher quer exumação do corpo do ex para provar que deu 2 facadas

Ré confessa questiona perícia da Polícia Civil e alega legítima defesa

Por Gabriela Couto | 24/07/2021 17:21
Jacira Bezerra luta na Justiça para comprovar que não deu mais de duas facadas para se defender do ex-marido (Foto Arquivo Pessoal)
Jacira Bezerra luta na Justiça para comprovar que não deu mais de duas facadas para se defender do ex-marido (Foto Arquivo Pessoal)

Acusada de matar o ex-marido no dia 19 de dezembro de 2020, Jacira de Carvalho Bezerra, 55 anos, diz que está lutando para comprovar que deu duas facadas em Antônio Henrique de Souza Bezerra, de 64 anos, para se defender e não 13 como foi noticiado na época. O fato ocorreu em Bataguassu, a 269 km de Campo Grande.

"Quero a exumação do corpo para provar que dei só duas facadas. Ele morreu por hemorragia aguda e uma facada acertou o miocárdio. Eu vejo aquela cena certinha na minha cabeça. Foram duas que eu dei e foi para matar, porque se ele sobrevivesse eu que morreria. Mas, no livro da perícia estão facadas em locais diferentes do que eu dei", destacou Jacira, contestando o laudo.

Conforme matéria divulgada no dia a análise no corpo de Antônio Henrique comprovou que ele foi atingido por seis facadas no abdômen, outras seis no tórax e uma na região do ombro. Ele também tinha um corte na região da testa e quatro lesões profundas e abertas, provocadas por golpes de barra de ferro.  Se comprovado, a sentença da acusada pode sofrer alteração por conter requintes de crueldade.

Jacira decidiu buscar a imprensa para contar sua versão do crime que ocorreu, segundo ela, após 18 anos de relacionamento abusivo, marcado por ameaças de morte e de violência doméstica. Neste período, Antônio Henrique chegou a ser preso diversas vezes por descumprir a Lei Maria da Penha e medidas protetivas. Ele já havia quebrado o nariz, o braço direito da mulher e inúmeros móveis da residência, recorda ela.

"Ele me ameaçava com palavras. Dizia que eu não iria viver muito tempo porque não aceitava a separação. Para mim, ele era um psicopata", acrescentou. Ela conseguiu se separar em março de 2020 e saiu da chácara onde morava com a vítima. Pouco tempo depois, começou a namorar Floriano Lisbão de Almeida, de 59 anos.

No último encontro que teve com Antônio Henrique, para entregar parte dos gansos e galinhas que pertenciam ao casal, em novembro do ano passado, ocorreu a última ameaça. "Ele questionou mais uma vez se não iríamos voltar. Eu disse que não. Que estava esperando o divórcio. Aí ele falou para eu encomendar o meu caixão que de 2020 eu não passaria viva".

Na versão de Jacira, o ex-marido chegou de surpresa no meio da tarde na chácara Santa Sofia, onde morava com Floriano. "Ele veio com mais dois amigos ex-presidiários que conheceu quando estava na cadeia. Invadiu minha casa e a facada que era no meu pescoço cortou minha mão. O Floriano foi me salvar, na atitude de um marido que viu a esposa em perigo. Ele pegou a barra de ferro que estava com o Henrique e deu uma gravata nele. Jamais pensei que teria coragem de enfiar a faca em uma pessoa, ainda mais que jurava amor eterno e que vivi momentos bons".

Ela enfatiza que tentou acertar o coração do ex-marido de primeiro, mas acabou esfaqueando embaixo da costela e a segunda facada foi em cima do coração. "Mesmo depois de esfaqueado ele ainda tentou pegar a faca e ir para cima de mim, cambaleando. Ou era ele, ou era eu. Eu seria mais uma Elisa Samúdio. Ninguém ia me achar".

A Polícia Civil liberou o casal depois do crime, concordando com a legítima defesa e pelo casal não ter antecedentes criminais. "Hoje vivo com medo de morrer. Tem os dois caras que estavam com ele no dia do crime e que fugiram. Eu perdi meu novo casamento e nunca mais quero saber de homem na minha vida. Vivo hoje pensando que amanhã eu posso estar morta ou posso estar presa. Não faço mais planos. Sempre deixo uma mala de roupas separadas para estar preparada se caso a polícia vier me levar. E nem com o Henrique morto eu consigo perdoar ele. Conseguiu acabar com a minha vida".

Nos siga no Google Notícias
Regras de comentário