ACOMPANHE-NOS    
JUNHO, QUARTA  29    CAMPO GRANDE 16º

Interior

Aumento de infectados com gripe leva cidade do interior a toque de recolher

Número de pacientes com sintomas gripais cresce, devido às variantes de influenza e coronavírus

Por Guilherme Correia | 07/01/2022 09:10
Homem caminha de máscara pelas ruas de Ribas do Rio Pardo; município decretou toque de recolher a partir das 22h. (Foto: Marcos Maluf)
Homem caminha de máscara pelas ruas de Ribas do Rio Pardo; município decretou toque de recolher a partir das 22h. (Foto: Marcos Maluf)

O município de Ribas do Rio Pardo, a 98 quilômetros de Campo Grande, decretou nesta sexta-feira (7), toque de recolher a partir das 22h (de segunda a quinta-feira) e das 23h (nas sextas, sábados e domingos) por pelo menos 10 dias. Em todos os dias, a medida tem fim às 5h da data seguinte.

Em meio ao crescimento de casos de covid-19 e da influenza H3N2, a prefeitura decidiu que seria necessário retornar a prática, que ganhou popularidade no começo da pandemia, como forma de reduzir a mobilidade urbana e evitar o contágio.

A prefeita em exercício Guiomar Soares dos Santos (PSOL) considerou "a necessidade de preservação da saúde da comunidade diante da pandemia em curso", além de deliberação feita em comitê de enfrentamento à covid - composto por várias entidades civis e políticas de Ribas, tais como associação comercial, vereadores e outros órgãos.

Ao Campo Grande News, o prefeito João Alfredo Danieze (PSOL) explica que os casos de covid-19 no município reduziram a zero até o começo de dezembro e que não havia necessidade de restrições. “Era diretriz da administração continuar com as restrições, mas o comitê formado por várias entidades resolveu acabar com o toque de recolher e inclusive, o uso de máscaras na cidade”.

A vice-prefeita, que está me substituindo nas minhas férias, resolveu determinar uma reunião extraordinária da covid e decidiu que as restrições deveriam retornar e, sobretudo, a do toque de recolher. Foi marcada uma reunião daqui dez dias e estamos vendo a evolução disso para ver se restringimos mais ou não.”

Danieze ressalta que os casos têm surgido com frequência na cidade - há, ao menos, nove casos de influenza H3N2 no município, segundo ele, variante que tem provocado surtos de gripe em todo o País.

Ele também destaca que a cidade recebeu quase 3 mil trabalhadores por conta da fábrica de celulose em construção, o que aumenta o fluxo de habitantes. “Isso é preocupante, além do aspecto da saúde pública, mas também pelo da segurança pública. O toque de recolher é uma forma da Polícia Civil e Polícia Militar de coibir crimes.”

Questionado se a decisão sofreu críticas por parte da população, o prefeito avalia que a medida foi bem recebida. “Acredito que não, foi uma situação praticamente unânime no comitê, composto por entidades como associação comercial, que tem uma interferência grande no conselho, Poder Legislativo, delegados de polícia, membros da administração pública.”

Outra ação foi a reabertura de central da covid para auxiliar na triagem de casos e demais atendimentos, em vigor desde a quinta-feira (6). “A quantidade de pessoas que buscou a central da covid foi assustadora”, comenta.

Os dados da Secretaria Municipal de Saúde de Ribas indicam que ao menos 53 infecções pelo coronavírus já foram registradas em 2022, sendo 17 e 18 apenas ontem e quarta-feira.


No entanto, os registros do Ministério da Saúde e da SES (Secretaria Estadual de Saúde), consultados pela reportagem na manhã de hoje, possuem uma série de defasagens associadas ao ataque hacker aos sistemas federais e o consequente apagão de dados.

Em live nesta semana, a secretária-adjunta de Saúde, Crhistinne Maymone, ressaltou que havia muita subnotificação por parte do Estado e governo federal no começo do ano, devido à metodologia utilizada. A previsão é de que, nos próximos dias, os casos comecem a ser inseridos nas plataformas e que haja um boom de confirmações epidemiológicas.

Entretanto, até o começo de dezembro, as infecções vinham reduzindo expressivamente por conta da vacinação.

Decreto - A restrição deve ocorrer até 17 de janeiro, quando será feita outra reunião para decidir os próximos passos.

Além disso, a obrigação do uso de máscaras em locais abertos ou fechados, de acesso público, também retornou.

Somente profissionais de saúde e outras atividades essenciais, como transporte intermunicipal, funerárias, postos de combustível, indústrias, hotéis, por exemplo, estão aptos a funcionar.

O sistema de delivery está permitido até 23h59, de segunda a quinta, e até 1h nos fins de semana. Os estabelecimentos também têm de seguir uma série de medidas de biossegurança, incluindo lotação máxima de 50% do espaço.

Práticas esportivas coletivas e eventos estão proibidos e atividades religiosas têm uma série de exigências descritas em decreto. Por fim, segundo o documento, o uso de bebidas alcoólicas também está vedado em locais públicos.

De máscara, mulher caminha nas ruas do comércio de Ribas. (Foto: Marcos Maluf)
De máscara, mulher caminha nas ruas do comércio de Ribas. (Foto: Marcos Maluf)
Nos siga no Google Notícias