A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Segunda-feira, 11 de Dezembro de 2017

08/09/2016 11:24

Brasileiro comparado a Escobar mandou matar carcereiro que impediu fuga

Agente penitenciário foi morto junto com o filho, em agosto deste ano, por pistoleiro paraguaio preso sábado e dois brasileiros, ainda foragidos

Helio de Freitas, de Dourados
Sede do grupo especializado da polícia paraguaia, onde Pavão está preso (Foto: ABC Color)Sede do grupo especializado da polícia paraguaia, onde Pavão está preso (Foto: ABC Color)
O brasileiro Jarvis Gimenes Pavão (Foto: ABC Color)O brasileiro Jarvis Gimenes Pavão (Foto: ABC Color)

Preso há seis anos no Paraguai, o narcotraficante brasileiro Jarvis Gimenes Pavão passou a ser apontado como mentor de vários crimes no país vizinho. Assim como fazia o lendário narcotraficante colombiano Pablo Escobar, Pavão teria ordenado, mesmo atrás das grades, a execução do concorrente Jorge Rafaat Toumani e colocado a prêmio a cabeça do presidente do Paraguai Horácio Cartes.

Nesta quinta-feira (8), o brasileiro foi alvo de outra denúncia: é acusado de tramar a morte de um agente penitenciário paraguaio, que foi executado junto com o filho, no mês passado, em Assunção, onde Pavão está preso.

Em julho, o agente penitenciário Mario Lezcano Mereles, 48, tinha descoberto o plano de fuga que provocou a transferência de Jarvis Pavão da penitenciária de Tacumbú para a sede de um grupo especializado da polícia, por ordem direta do presidente daquele país. O plano de fuga envolvia até o uso de dinamite para explodir a muralha, mas o artefato foi descoberto antes.

Pavão e seu comparsa também culpavam o agente penitenciário pela descoberta da cela vip em que o traficante vivia com seus pistoleiros. O caso virou escândalo nacional e derrubou uma ministra de Estado.

Buscas na cela – Ontem, a Divisão de Investigação da Polícia Nacional do Paraguai fez buscas na cela do brasileiro Carlos Henrique Silva Candido Tavares, 36, que seria uma espécie de secretário direto de Jarvis Pavão e um dos líderes do PCC (Primeiro Comando da Capital) no Paraguai.

Os dois brasileiros estão recolhidos desde o início de agosto na sede de um grupo especializado da polícia, na capital paraguaia.

De acordo com o jornal ABC Color, foi Carlos Tavares, a mando de Jarvis Pavão, que contratou o pistoleiro paraguaio Walter Dario Ayala, 23, para matar Mario Mereles e seu filho, Mario Alberto Lezcano, 26, no dia 24 de agosto no bairro San Isidro de Lambaré, em Assunção.

O pistoleiro paraguaio foi preso sábado (3) e confessou o crime. Ele agiu junto com outros dois criminosos brasileiros, que estão sendo procurados pela polícia paraguaia. Um deles seria Jonatan Rodrigo Lima.

A investigação revela que Ayala e o guarda da prisão sempre conversavam e o pistoleiro aproveitou essa situação para se aproximar de Mereles, com a desculpa que tinha uma arma para lhe oferecer.

Recrutado pelo PCC – Segundo policiais que atuam no caso, Carlos Tavares conheceu Walter Ayala na penitenciária de Tacumbú, onde o paraguaio foi recrutado para fazer parte do PCC. Tavares e Pavão também estavam no presídio, mas foram transferidos após a descoberta do plano de fuga. Ayala tinha saiu da prisão dois meses e oito dias antes da execução do agente penitenciário e seu filho.

Em outubro de 2014, Carlos Tavares e outros seis presos fugiram após cavar um túnel e pular o muro da cadeia estadual de Foz do Iguaçu (PR). Um mês depois, o brasileiro comandou um assalto com reféns na cidade paraguaia de Santa Rita, quando uma família inteira ficou na mira de armas por oito horas.



imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions