A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Terça-feira, 12 de Dezembro de 2017

17/11/2015 09:09

Câmara decide nesta terça se abre processo de cassação de Wallas Milfont

Prefeito é acusado de receber dinheiro do Ministério da Saúde e do governo do Estado para duas unidades de ESF que não existem, segundo vereador oposicionista

Helio de Freitas, de Dourados
Sessão da Câmara de Itaporã, na manhã desta terça-feira (Foto: Divulgação)Sessão da Câmara de Itaporã, na manhã desta terça-feira (Foto: Divulgação)

A Câmara de Vereadores de Itaporã, cidade a 227 km de Campo Grande, decide nesta terça-feira (17) se o prefeito Wallas Milfont (PDT) vai ou não enfrentar um processo de cassação por improbidade administrativa devido a suposta irregularidade na aplicação de recursos federais destinados à saúde.

Uma CPI (Comissão Parlamentar de Inquérito) foi instaurada para apurar denúncia de que o município teria recebido dinheiro do Ministério da Saúde e do governo do Estado para duas unidades do ESF (Estratégia Saúde da Família). O relator da comissão, Gladstone Rafael da Silva (PTB), que faz oposição a Milfont, apontou no relatório que as unidades não existem.

Ao Campo Grande News, Gladstone disse que as irregularidades foram comprovadas pela CPI e que o município terá de devolver pelo menos R$ 600 mil ao Ministério da Saúde. “O relatório da CPI já foi aprovado. Na sessão de hoje a Câmara vai decidir se abre ou não o processo de cassação”, explicou.

Prefeito tem maioria – Dos 11 vereadores de Itaporã, cidade de 22 mil habitantes localizada a 20 km de Dourados, seis apoiam o prefeito. “Tenho cinco votos pela abertura do processo de cassação, mas estamos conversando com os demais, para mostrar que as irregularidades são passíveis de perda de mandato. Vou defender a cassação do prefeito”, afirmou Gladstone. Segundo ele, a saúde do município “está acabada”.

“A CPI foi criada após algumas denúncias de que foram criados dois ESFs, que fisicamente não existem. Esses postos ‘fantasmas’ ficaram recebendo dinheiro estadual e federal durante um ano, cerca de R$ 460 mil. Recentemente recebi um relatório da Secretaria de Saúde do Estado comprovando que receberam o dinheiro e gastaram em outra coisa. Tudo isso foi incluído no relatório da CPI, que agora se transformou em pedido de abertura de processo de cassação”, afirma Gladstone.



imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions