ACOMPANHE-NOS     Campo Grande News no Facebook Campo Grande News no Twitter Campo Grande News no Instagram
ABRIL, QUINTA  18    CAMPO GRANDE 16º

Interior

Com fábrica quase pronta, Ribas do Rio Pardo viverá “nova dor do crescimento”

Prefeitura aponta que chegarão os moradores definitivos e exigirão infraestrutura e lazer

Por Maristela Brunetto | 24/02/2024 09:23

Ribas passará a receber "moradores definitivos" quando fábrica for ativada (Foto: Arquivo/ Andre Luiz- All Drones)
Ribas passará a receber "moradores definitivos" quando fábrica for ativada (Foto: Arquivo/ Andre Luiz- All Drones)

O prefeito de Ribas do Rio Pardo, João Alfredo Danieze (PT), acredita que a cidade viverá uma “nova dor do crescimento”, agora que se aproxima a conclusão da obra da fábrica da Suzano, prevista para ser ativada em junho, e chegarão à cidade os trabalhadores permanentes e suas famílias. Ele comentou que no segundo semestre do ano passado houve o pico da obra, com cerca de 12 mil pessoas envolvidas.

O empreendimento envolve cerca de R$ 22 bilhões, segundo a empresa divulga em seu site, com a criação da maior fábrica de celulose do mundo. Esse é o maior volume de recursos privados sendo investidos no País.

A chamada dor do crescimento vira e mexe é mencionada. A cidade vivenciou um crescimento abrupto e demanda emergencial de serviços públicos. Já agora em março, o prefeito estima que ocorrerá nova redução do fluxo de pessoas temporárias na cidade, com cerca de cinco a seis mil pessoas.

Ele elenca dois gargalos que precisam de solução : habitação e a BR-262, que, com o aumento considerável do tráfego de veículos pesados passou a ser palco de muitos acidentes. A BR atravessa a cidade. O governador Eduardo Riedel disse que pretende vê-la entregue ao setor privado este ano, junto com trecho da 267, entre Bataguassu e Nova Alvorada do Sul, e a MS-040, de Campo Grande a Santa Rita do Pardo. Há estimativa de sejam necessários R$ 5 bilhões para melhorar as condições das rodovias.

Prefeito de Ribas aponta que problemas emergenciais passaram, mas agora surgem novas demadas (Foto: Marcos Maluf)
Prefeito de Ribas aponta que problemas emergenciais passaram, mas agora surgem novas demadas (Foto: Marcos Maluf)

Danieze explica que os “moradores definitivos” demandarão mais oportunidades de lazer e iniciativas culturais, já que permanecerão na cidade. Outros serviços essenciais ele aponta como encaminhados. Na educação, o Estado tem duas escolas, fez reformas e ampliação e há uma terceira prevista. Para as crianças de até 3 anos, a prefeitura vai entregar duas unidades, mas há falta de cerca de 200 vagas enquanto isso.

Na saúde, o prefeito mencionou que o hospital local saltou de um para três médicos atendendo, com mais dois disponíveis para emergências. O quadro subiu de 14 para 53 médicos prestando serviço na cidade, disse.

A cidade se deparou com mais problemas, mas também passou a contar um volume muito maior de recursos, diante do crescimento econômico. Em receita própria, a prefeitura recolhe mais ISS (Imposto Sobre Serviços) e dos repasses constitucionais, como cota de ICMS e demais receitas do FPM (Fundo de Participação dos Municípios), Danieze estimou que o incremento tenha sido de 40%.

Moradores definitivos- Quando a fábrica da Suzano começar a operar, a unidade terá quadro de cerca de 600 trabalhadores. Já a cadeia de produção deve envolver 3 mil pessoas.  Os envolvidos com a produção da celulose tiveram acesso a cursos e receberam bolsa durante os estudos. A prática na atividade envolveu atuar por seis meses na unidade da Suzano em Três Lagoas.

A empresa está construindo na cidade 950 moradias para os funcionários, segundo o gerente industrial da unidade, Leonardo Pimenta. Além disso, a empresa já tinha informado em 2023 que fez parceria com o poder público em uma série de ações, como a melhoria da estrutura do hospital local e na segurança pública, somando cerca de R$ 32 milhões.

Escola particular – Ribas também ganhará uma escola particular a partir do ano que vem, tendo como público prioritário os filhos dos industriários. Trata-se de um empreendimento do Sesi (Serviço Social da Indústria), que utilizará salas de aula contêiner, o que permitirá a ampliação conforme a demanda. Segundo o superintendente do Sesi, Regis Borges, os filhos de funcionários da indústria terão descontos a partir de 20% nas mensalidades.

Nos siga no Google Notícias