ACOMPANHE-NOS     Campo Grande News no Facebook Campo Grande News no Twitter Campo Grande News no Instagram
MAIO, SEXTA  24    CAMPO GRANDE 25º

Interior

Começa em SP julgamento de índios acusados de matar policiais em 2006

Advogado douradense contratado como assistente da acusação diz que não foi intimado e entra com recurso para suspender júri

Helio de Freitas, de Dourados | 04/06/2019 10:28
Cacique Carlito de Oliveira é um dos réus no julgamento iniciado hoje em São Paulo (Foto: Ruy Sposati/Cimi)
Cacique Carlito de Oliveira é um dos réus no julgamento iniciado hoje em São Paulo (Foto: Ruy Sposati/Cimi)

Começou nesta terça-feira (4), na sede do Tribunal Regional Federal da 3ª Região em São Paulo, o julgamento de cinco índios guarani-kaiowá acusados pela morte de dois policiais civis e de ferimentos em um terceiro. Os crimes, conhecidos como “Chacina de Porto Cambira”, ocorreram em 1º de abril de 2006, em Dourados, a 233 km de Campo Grande.

Estão nos bancos dos réus o cacique Carlito de Oliveira, uma das principais lideranças dos guarani-kaiowá da região sul de Mato Grosso do Sul, Ezequiel Valensuela, Jair Aquino Fernandes, Lindomar Brites de Oliveira e Paulino Lopes.

Eles são acusados pelo assassinato, a pauladas, tiros e golpes de faca, dos agentes Ronilson Magalhães Bartie, na época com 36 anos, e Rodrigo Lorenzatto, que tinha 26 quando foi morto. O também policial Emerson José Gadani foi ferido a facadas, mas sobreviveu e atualmente está aposentado.

O julgamento acontece após uma década de batalha judicial entre a defesa e a assistência da acusação sobre o local do júri. O advogado douradense Maurício Nogueira Rasslan, contratado para atuar como assistente da acusação, defendia que o julgamento ocorresse em Dourados, mas em 2016, a pedido do próprio MPF (Ministério Público Federal), a 11ª Turma do TRF determinou a transferência do júri para São Paulo.

Pesou para a decisão do TRF a manifestação do procurador da República Manoel de Souza Mendes Junior a favor do desaforamento. Em fevereiro de 2015, ele alegou que a população de Mato Grosso do Sul está “impregnada de preconceitos” por causa das disputas entre fazendeiros e índios.

Não foi intimado – Ao Campo Grande News, o advogado Maurício Rasslan disse nesta manhã que não foi intimado para o julgamento em São Paulo. “Não fui intimado para o júri, fiz questão de ordem, falei com o procurador. A juíza vai decidir se vai ou não continuar o júri sem a minha presença”.

Além dos cinco que começam a ser julgados hoje, outros quatro do mesmo grupo foram denunciados pelos crimes. Entretanto, segundo a assessoria do Cimi, um deles morreu e outro, um indígena Ofaié, foi impronunciado, ou seja, as acusações contra ele foram consideradas improcedentes. Os outros dois estão em liberdade. Eles são réus em um segundo processo e aguardam julgamento.

Chacina de Porto Cambira – O ataque dos índios aos policiais teve grande repercussão na época. A Polícia Civil alegou que os agentes estavam à procura de um homem acusado de matar um pastor evangélico em Dourados dias antes e que teria se escondido no acampamento dos índios.

Já o grupo liderado por Carlito Oliveira afirmou na época que os policiais foram ao local para ameaçá-los, já que estavam em uma área invadida. Os três policiais foram espancados, esfaqueados e feridos a tiros disparados de suas próprias armas.

Nos siga no Google Notícias