A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Domingo, 22 de Outubro de 2017

09/11/2016 12:35

Contra governo Temer, servidores e sindicalistas fazem greve geral na sexta

Em Dourados, movimento vai envolver estudantes, professores e demais trabalhadores locais e de cidades da região

Helio de Freitas, de Dourados
Servidores da UFGD vão participar do protesto na sexta (Foto: Divulgação)Servidores da UFGD vão participar do protesto na sexta (Foto: Divulgação)

Servidores públicos, estudantes e bancários participam sexta-feira (11) em Dourados, a 233 km de Campo Grande, da greve geral convocada em todo o país em protesto contra as medidas que estão sendo tomadas pelo governo Michel Temer.

Professores da UFGD (Universidade Federal da Grande Dourados) e das redes estadual e municipal, técnicos administrativos da UFGD e bancários já confirmaram participação a mobilização, que começa às 8h na Praça Antonio João e deve incluir o bloqueio da Avenida Guaicurus, que liga o perímetro urbano à cidade universitária.

Estudantes da universidade federal se reúnem hoje à noite para decidir se participam da greve geral. Já os professores da Uems (Universidade Estadual de Mato Grosso do Sul) fazem assembleia amanhã e também deve aderir à paralisação.

A greve geral protesta contra o controle dos gastos do governo, contra a terceirização, contra as reformas da Previdência, trabalhista e do ensino médio e defende o piso nacional, o emprego e o pré-sal.

Em carta encaminhada aos senadores de Mato Grosso do Sul, os sindicatos cobram apoio contra as medidas encaminhadas pelo governo Temer ao Congresso.

“A intensificação dos ataques neoliberais à classe trabalhadora, e aos seus direitos sociais, promovidos pelo governo federal, Congresso Nacional e Judiciário coloca na ordem do dia a necessidade de enfrentamento cada vez mais intenso aos projetos em curso que, se aprovados, trarão enormes prejuízos à população brasileira”, afirma trecho do documento.

De acordo com os manifestantes, a PEC 55 que tramita no Senado, que era a PEC 241 na Câmara dos Deputados, indica redução ainda maior dos investimentos no serviço público, especialmente na educação e saúde, por 20 anos.

“Tal redução ocasionará uma profunda precarização do trabalho e do atendimento à população que depende necessariamente dos direitos sociais garantidos na Constituição Federal e que serão destruídos caso a PEC seja aprovada”, afirmam os servidores e sindicalistas de MS.

O movimento também critica o que chama de “contrarreforma da Previdência e trabalhista”, a reforma do ensino médio, a “Lei da Mordaça” (escola sem partido) e outros projetos de lei que tramitam no Congresso Nacional “e que confrontam o interesse das trabalhadoras e trabalhadores, especialmente da educação”.

Para demonstrar insatisfação com as medidas e lutar contra a retirada de direitos, as categorias apontam a necessidade de intensificar a mobilização em conjunto com outros segmentos da classe trabalhadora, movimentos sociais e estudantil.

“Conclamamos os senadores de Mato Grosso do Sul a defenderem a educação pública e os direitos sociais e trabalhistas conquistados de forma democrática, votando contra a PEC 55, denominada PEC do fim do mundo pelos movimentos sociais, sindicais e estudantes”, afirma o documento.

Vítima é achada morta com 11 ferimentos de arma de fogo no Centro
Homem de 33 anos foi assassinado com vários tiros, por volta das 23h30 de ontem (22), na Rua Vereador Rogério Francisco Santana, no Centro de Bandeir...
Continuam abertas as inscrições para mestrado em Agronegócios da UFGD
A UFGD (Universidade Federal da Grande Dourados) segue com inscrições abertas para o processo seletivo do mestrado em Agronegócios, para candidatos i...
MPE apura em inquérito possível irregularidades no CCZ de Dourados
O MPE-MS (Ministério Público do Estado de Mato Grosso do Sul) apura desde o início do mês em inquérito civil a existência de irregularidades ambienta...



imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions