A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Sábado, 25 de Novembro de 2017

08/12/2010 10:21

Justiça permite que índios acampados recebam assistência

Marta Ferreira

Famílias Guarani-Caiuá estão em área de Paranhos desde agosto

A Justiça Federal reconsiderou pedido do MPF (Ministério Público Federal) em Mato Grosso do Sul e determinou que os proprietários da Fazenda São Luiz, no município de Paranhos, aceitem a entrada de representantes de órgãos de assistência aos cerca de 50 indígenas Guarani-Caiuá que estão acampados em uma área da fazenda desde 19 de agosto. A decisão é do dia 1º de dezembro e foi divulgada hoje pelo MPF.

A previsão é que os atendimentos comecem já a partir de sexta-feira, quando a Funai (Fundação Nacional do Índio) e o Ministério Público Federal enviarão representantes ao local.

O impasse envolvendo essa área começou em outubro do ano passado, quando vinte famílias indígenas entraram no local. Eles permaneceram até 2 de nocembro, quando houve um conflito entre índios e um grupo de supostos pistoleiros. Alguns dias depois, o corpo do professor indígena Genivaldo Vera foi encontrado em um córrego nas proximidades da fazenda, com sinais de morte violenta. Outro professor, Rolindo Vera, está desaparecido até hoje.

Segundo a decisão da Justiça, os órgãos estatais responsáveis por prestar assistência aos índios estão autorizados a entrar na fazenda duas vezes por mês, a cada 15 dias, para entrega de cestas básicas e remédios às famílias acampadas. A entrada deve ser comunicada previamente aos proprietários, que não poderão se opor, sob pena de desobediência.

Reviravolta-O pedido, feito no início de novembro, não foi apreciado na época pela Justiça Federal em Ponta Porã porque havia sido concedida ordem de reintegração de posse aos proprietários, determinando a desocupação da área em 10 dias. Ocorre que TRF3 (Tribunal Regional Federal da 3ª Região) cassou a decisão, no dia 16 de novembro, e manteve os índios no local.

A determinação do TRF3 é que eles fiquem “até a produção de prova pericial

antropológica”, ou seja, estudos que confirmem os indícios de ocupação tradicional da região por aquele grupo étnico. O entendimento do Tribunal é de que "existem provas de que a Fazenda São Luiz pode vir a ser demarcada como área tradicionalmente ocupada pelos índios".

Análise dos registros cartoriais da fazenda, realizada por engenheiro da Funai, comprova que as terras são originalmente indígenas, de onde os índios foram expulsos após o início do processo de formação das fazendas da região. Os estudos antropológicos na região estão em andamento.

MPE entra com ação e consegue suspender do 'Dourados Brilha 2017'
Após as 16ª e 10ª promotorias de Justiça de Dourados - cidade localizada a 233 km de Campo Grande - entrarem com ação, a Justiça estadual concedeu li...
'Ônibus da Saúde' fará neste sábado atendimentos em Fátima do Sul
O programa de prevenção "Ônibus da Saúde", realizado pela Cassems, levará atendimento especializado em oncologia até Fátima do Sul - cidade localizad...
Justiça determina que prefeitura suspenda cobrança da taxa de lixo
Decisão tomada pela Justiça Estadual determinou que a prefeitura de Bataguassu - cidade localizada a 335 km de Campo Grande - suspenda a cobrança da ...


Os Índios invadem, bagunçam tudo, não produzem m... nenhuma e ainda recebem assistência.
Acho que vou parar de trabalhar e buscar nas minhas raizes (bisneta de indios) uma forma de garantir essa moleza toda tambem.
 
Clarice Haustmann em 08/12/2010 12:55:41
Os indios nao invadem, eles só querem que e seu de volta a terra, o comentario da Clarice, ela nao saber que fala!!!! so lê nossa historia mais...vai ver que os indios lutaram pela nossa terra Mato grosso do sul (que e Hoje) ..Viva nosso Povo Indigena que luta para subsistencia do nosso governo...
 
jorge antonio neves em 08/12/2010 02:19:55
imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions