A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Domingo, 22 de Outubro de 2017

16/05/2014 12:30

Defesa Civil leva ajuda a 85 famílias atingidas pela cheia no Pantanal

Luciana Brazil
Algumas casas já estão inundadas. (Foto: Divulgação/Ecoa)Algumas casas já estão inundadas. (Foto: Divulgação/Ecoa)

Ao todo, 85 famílias ribeirinhas, que vivem em áreas de inundações nas regiões do Pantanal, vão receber nos próximos dias ajuda humanitária e material da Defesa Civil, conforme informou o chefe do órgão em Corumba, a 419 quilômetros de Campo Grande. A cheia já levou dezenas de produtores rurais a retirar o gado das sub-regiões Abobral, Nabileque, entre outras, manobra que começou para muitos em abril. Conforme o presidente do Sindicato Rural de Corumbá, Luciano Leite, dentro de 15 ou 20 dias a cheia deve chegar a Corumbá, onde o Rio Paraguai já está 4,8 metros acima do nível normal. “O rio está subindo cerca de 8 a 10 centímetros por dia. Podemos dizer que este será um dos maiores picos de enchente”, apontou Luciano. O sindicato ainda não possui dados sobre a quantidade de gados retirados, ou do total de produtores, conforme informou o presidente.

Para que a enchente fosse contida, o nível do rio deveria estagnar na região de Bela Vista do Norte, como explicou Luciano. “Porém, lá, o Rio Paraguai continua recebendo água. Os produtores estão se organizando desde abril, retirando os gados e levando para outras propriedades”.

Uma equipe multidisciplinar, incluindo membros da Defesa Civil, da área de saúde e com o apoio da Marinha, partiu na manhã de hoje (16) para as regiões onde famílias ribeirinhas estão ilhadas. Além de mantimentos, os moradores receberão atendimento médico e odontológico, conforme explicou o chefe da Defesa Civil em Corumbá, Isaque do nascimento. Os trabalhos terão início na Barra de São Lourenço e seguirão para outras comunidades inundadas como Paraguai Miri, Ilha Verde, Mato Grande, entre outras.

A Defesa Civil vai disponibilizar abrigos provisórios para famílias que continuarem nas regiões de inundações, porém em locais secos. “Não sabemos o que vamos encontrar. Pode ser que muitas famílias prefiram continuar nas casas, fazendo jirau (plataforma construída acima do piso) para permanecer no local. Outras podem já ter saído da área e ido para cidade. E a terceira situação é que algumas permaneçam em áreas secas dessas regiões inundadas”, explicou Isaque.

O trabalho da equipe multidisciplinar deve durar cerca de cinco a quatro dias. No dia 25 deste mês, nova equipe recomeça o atendimento a essas comunidades.

A Defesa Civil continua recebendo doações materiais na sede do órgão em Corumbá. “Além dos mantimentos que são entregues rotineiramente, nesse período mais difícil, a ajuda é ainda maior. Então, recebemos doações de pessoas interessadas em doar”, lembrou Isaque.

Endereço- A sede da Defesa Civil em Corumbá fica na Rua 15 de Novembro, 659, Centro.

Vítima é achada morta com 11 ferimentos de arma de fogo no Centro
Homem de 33 anos foi assassinado com vários tiros, por volta das 23h30 de ontem (22), na Rua Vereador Rogério Francisco Santana, no Centro de Bandeir...
Continuam abertas as inscrições para mestrado em Agronegócios da UFGD
A UFGD (Universidade Federal da Grande Dourados) segue com inscrições abertas para o processo seletivo do mestrado em Agronegócios, para candidatos i...
MPE apura em inquérito possível irregularidades no CCZ de Dourados
O MPE-MS (Ministério Público do Estado de Mato Grosso do Sul) apura desde o início do mês em inquérito civil a existência de irregularidades ambienta...



imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions