ACOMPANHE-NOS    
OUTUBRO, QUINTA  21    CAMPO GRANDE 32º

Interior

Ex-prefeito alvo de operação em Maracaju deve se entregar hoje

Advogado de Maurílio Azambuja diz que ele está vindo do Pantanal e ainda não há horário para chegada

Por Nyelder Rodrigues | 23/09/2021 10:25
Maurílio Azambuja é investigado por suspeita de comandar esquema de desvio. (Foto: Divulgação)
Maurílio Azambuja é investigado por suspeita de comandar esquema de desvio. (Foto: Divulgação)

O ex-prefeito de Maracaju, Maurílio Azambuja (MDB), deve se apresentar ainda nesta quinta-feira (23) à Polícia Civil, em Campo Grande. Maurílio está foragido desde ontem, quando foi o principal alvo da operação Dark Money, realizada pelo Dracco (Departamento de Combate à Corrupção e ao Crime Organizado).

A defesa de Maurílio é quem confirma a informação, contudo, não há ainda horário específico para ele chegar à sede da delegacia. "Está vindo de viagem do Pantanal, mas será hoje", explica o advogado Rodrigo Dalpiaz.

É Dalpiaz quem também faz a defesa de Lenilso Carvalho Antunes, secretário de Finanças de Maracaju - cidade que fica a 160 km de Campo Grande -, na gestão de Maurílio à frente da prefeitura. Lenilso foi preso em Umuarama (PR), em um hotel, e veio de lá direto para a sede do Dracco, onde permanece detido.

A operação Dark Money foi deflagrada ontem, para desmontar esquema de corrupção na prefeitura de Maracaju - as situações investigadas não têm ligação com a atual gestão municipal. Seis pessoas foram presas e apenas o ex-prefeito ficou foragido entre os alvos da ação encabeçada pelo Dracco.

Os policiais apreenderam em Maracaju R$ 252 mil em dinheiro e cheques, além de outros bens de valor e farta documentação. Em nota, a delegada chefe do departamento, Ana Cláudia Medina, informou que foram apreendidos até ontem eletrônicos, smartphones, computadores, documentos, dez veículos e até um barco com carretinha.

Lâminas de cheque de valores diversos somam R$ 109 mil. Já em espécie, as apreensões somam R$ 143 mil. Também foram apreendidos armas de fogo e munições de vários calibres, joias e discos rígidos. Além disso, diversas contas bancárias de pessoas físicas e jurídicas foram bloqueadas pela Dark Money.

Entre os presos na operação, estão Lenilso, Daiana Cristina Kuhn, Iasmin Cristaldo Cardoso, Pedro Everson Amaral Pinto, Fernando Martinelli Sartori e Moisés Freitas Victor -, os cinco últimos presos em Maracaju mesmo.

Todos eles foram submetidos a exame de corpo de delito e à audiência de custódia, na 1ª Vara de Maracaju. Logo em seguida, foram encaminhados à carceragem de unidades policiais em Campo Grande. Os mandados de prisão são temporários, com validade por cinco dias, prorrogáveis por mais cinco dias.

Nos siga no Google Notícias
Regras de comentário