A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Domingo, 28 de Maio de 2017

27/08/2015 19:10

Família conta que índios avisaram para eles deixarem casas de distrito

Priscilla Peres e Filipe Prado, enviado especial a Antônio João
Pela cidade são vistas caminhonetes com móveis de famílias que deixaram suas casas. (Foto: Marcos Ermínio)Pela cidade são vistas caminhonetes com móveis de famílias que deixaram suas casas. (Foto: Marcos Ermínio)

A professora Sandra Vaneiro, 34, moradora do distrito Campestre em Antônio João - distante 279 km de Campo Grande, conta que estava dando aula ontem quando os índios avisaram para que ela e a família deixarem sua residência, porque aconteceria a invasão.

Os índios guarani-kaiowá lutam pela demarcação do território “Ñanderu Marangatu”, que tem 9.700 hectares de extensão. Na sexta-feira (21) eles ocuparam a fazenda Primavera e ontem ampliaram para outras três propriedades rurais, e o distrito de Campestre. Há informação de que 40 famílias deixaram suas casas.

"Agradeço a Deus por eles terem nos avisado e estarmos todos bem", conta a professora, que assim que recebeu o aviso foi para sua casa, comunicou a família e juntos fizeram a mudança para uma residência na cidade. "Minha mãe está muito abalada", diz.

Pio Queiros é dono de uma propriedade rural em Campestre há 60 anos e afirma que esse impasse com os indígenas já dura há 17. "Na sexta eu cheguei na fazenda e os índios fecharam a frente, não me deixaram entrar", afirma ele que ainda diz trabalhar com pecuária na fazenda. "Todo o meu sustento está lá. O estado tem que resolver, mas ninguém faz nada, não tenho nada contra os índios só quero que isso resolva logo".

Ele afirma que é a segunda vez que tem sua propriedade ocupada por indígenas. O vice-prefeito de Antônio João, Antonio Cesar Baby (PSDB) diz que a negociação com os índios está sendo feita pela Famasul (Federação de Agricultura e Pecuária de MS), que amanhã fará uma reunião para comentar o andamento.

Caso - A reserva dos guarani-kaiowá em Antônio João foi homologada em 2005 pelo então presidente Luiz Inácio Lula da Silva depois de duas décadas de luta entre índios e fazendeiros. Naquele mesmo ano, no entanto, o STF (Supremo Tribunal Federal) suspendeu a homologação e o caso está parado há uma década.

Conforme o Cimi (Conselho Indigenista Missionário), os índios já ergueram acampamentos nas fazendas Primavera, Pedro, Fronteira, Barra e Soberania. “Restam apenas duas para ÑanderuMarangatu ser ocupada na íntegra pelos indígenas. Os guarani-kaiowá exigem do governo a presença da Força Nacional na região”, afirma o órgão. As fazendas pertencem ao ex-prefeito de Antonio João, Dácio Queiroz Silva e seus irmãos.

Revoltado, idoso esfaqueia colega que teria lhe dado um beijo no rosto
Homem de 33 anos foi esfaqueado por um idoso de 68 anos, revoltado com a vítima por ele ter lhe dado um beijo no rosto em um bar de Paranaíba, a 422 ...
Foragido da justiça é encontrado morto com facada no peito em rua
Max Alam Bazan de 42 anos, foi encontrado morto com uma facada no peito esta madrugada pela Rua Alan Kardec em Três Lagoas – a 338 quilômetros de Cam...



Quero ver se esse Governador vai apoiar ou abandonar suas origens?
 
TOYOSHI SATO em 27/08/2015 19:52:13
imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions