ACOMPANHE-NOS    
JANEIRO, QUARTA  19    CAMPO GRANDE 30º

Interior

Família de jovem morta após festa avisava que na fronteira "se mata um por dia"

Kaline havia mudado para Ponta Porã há um mês para estudar, mãe e padrasto aconselhavam sobre riscos da região

Por Ana Oshiro | 09/10/2021 16:57
Kaline havia se mudado para Ponta Porã há um mês (Foto: Redes Sociais)
Kaline havia se mudado para Ponta Porã há um mês (Foto: Redes Sociais)

Kaline Reinoso de Oliveira, de 22 anos, morta com 14 tiros em um atentado em Pedro Juan Caballero, no Paraguai, na manhã deste sábado (9), será velada e enterrada na cidade natal, Dourados, a 233 km de Campo Grande, neste domingo (10) às 7h na Pax Primavera.

Nascida e criada na segunda maior cidade de Mato Grosso do Sul, Kaline começou a faculdade de medicina há cerca de 6 meses. "Ela tava fazendo online por causa da pandemia, há um mês se mudou pra Ponta Porã, porque as aulas presenciais voltaram. A gente não conhecia nenhuma amiga dela da faculdade, eram todas novas", explicou Anderson Coelho, padrasto da jovem.

Pistoleiros atiraram mais de 100 vezes contra carro onde jovens estavam (Foto: FD Notícias PY)
Pistoleiros atiraram mais de 100 vezes contra carro onde jovens estavam (Foto: FD Notícias PY)

A mãe de Kaline precisou ser medicada e não teve condições de conversar com a reportagem do Campo Grande News. Anderson disse que ele e a esposa sempre se preocupavam com Kaline. "Ela falou que ia em uma festa, a gente ficava apreensivo e avisava que lá mata um por dia, sempre dava conselho, mas sair pra festa assim é normal pros jovens de hoje", contou.

O casal foi até Pedro Juan Caballero para resolver as burocracias e contratar a funerária que fará o translado do corpo da jovem. "Não chegamos a ver a Kaline, só os amigos da faculdade que viram, eles que fizeram o reconhecimento antes da gente chegar. Graças a Deus resolveram rápido pra nós, em outro país é difícil liberar o corpo, mas foi bem rápido, ainda bem", disse o padrasto da jovem.

De acordo com Anderson, o clima era de muita tristeza e choro, e por isso não foi possível conversar com a família das outras vítimas. "Não tem nem como, né? Uma situação desse nem tem o que falar. Ela morreu por acaso", lamentou.

Alvo dos pistoleiros, Osmar foi morto com 31 tiros (Foto: ABC Color)
Alvo dos pistoleiros, Osmar foi morto com 31 tiros (Foto: ABC Color)

Atentado - Osmar Vicente Álvarez Grance, de 32 anos, envolvido com tráfico de drogas era o único alvo dos pistoleiros, ele foi morto com 31 tiros. O crime aconteceu por volta das 6h30 e foram mais de 100 disparos contra seis pessoas. Entre os mortos está Haylée Caroline Acevedo, de 21 anos, que é filha do governador de Amambay (PY), Ronald Acevedo.

Também foi executada a jovem Rhannye Jamilly Borges de Oliveira, de 18 anos, de Cáceres (MT), o corpo dela tinha 10 perfurações de bala, conforme a perícia. As três jovens estudavam medicina na UCP (Universidade Central do Paraguai).

Duas pessoas ficaram feridas no atentado, sendo uma brasileira e um rapaz paraguaio, ambos de 20 anos que foram atingidos na perna direita, de acordo com o site Ponta Porã News.

Nos siga no Google Notícias
Regras de comentário