ACOMPANHE-NOS    
OUTUBRO, SÁBADO  23    CAMPO GRANDE 29º

Interior

Fronteira destrói 36 toneladas de droga que viriam para o Brasil por MS

Carga recorde, que seria enviada à facções brasileiras, foi apreendida no Paraguai, em julho deste ano

Por Mirian Machado e Helio de Freitas | 17/09/2021 16:08

Ocorre nesta sexta-feira (17), a incineração de 36 toneladas de maconha, carga considerada recorde, apreendida em Concepción, no Paraguai, em julho deste ano. A droga tinha como destino o Brasil. Por esse motivo, agentes especiais da Senad (Secretaria Nacional Antidrogas) do Paraguai em parceria com o Ministério Público estão realizando 6 operações simultaneamente em Amambay e Concepción, para desmantelar uma poderosa estrutura dedicada ao envio de toneladas de maconha para facções criminosas brasileiras.

A droga foi destruída nesta manhã, na Base de Comando da Defesa Interna (CODI) do Departamento de Concepción, que fica cerca de 140 km da fronteira com Mato Grosso do Sul.

O objetivo é acabar com a produção, logística, transporte e tráfico de maconha de lá para cá. Durante as operações, o líder da organização, Rodrigo Florencio Pedrozo Aguero, também conhecido como "KAVAJU" ou "ENGENHEIRO",  e os principais colaboradores foram presos.

A operação que levou à prisão dos quatro traficantes foi batizada de "Horse" devido ao fascínio do chefe do grupo por corridas de cavalos. Ele organizava toda uma estrutura que mobiliza produtores, transportadores e agentes públicos para a efetivação do narcotráfico.

Campo Grande News - Conteúdo de Verdade

Foram identificados também outros líderes, como o administrador, o chefe de logística e colaboradores do Ministério Público encarregados de coordenar e ser elo de ligação com as autoridades da área, para a realização de atividades ilegais.

Dentre os presos, além de Rodrigo, foram Gustavo Miguel Vera Sosa, motorista do Ministério Público e operador logístico; Diego Armando Pedrozo Aguero, auxiliar fiscal e operador logístico da estrutura; Walter Duarte, operador logístico e driver da organização. Além de Eduardo Royg, Fabiola Molas, Elva Cáceres e Arnaldo Arguello, promotores envolvidos.

Nos siga no Google Notícias
Regras de comentário