ACOMPANHE-NOS    
MAIO, QUINTA  26    CAMPO GRANDE 29º

Interior

“Índio tem que trabalhar e ganhar dinheiro”, diz ministra Damares Alves

De novo sem ir a aldeias, ministra lança em Dourados projeto de proteção a crianças e adolescentes indígenas

Por Helio de Freitas, de Dourados | 28/01/2022 16:56
Damares Alves ao lado do prefeito Alan Guedes, nesta sexta em Dourados (Foto: Divulgação)
Damares Alves ao lado do prefeito Alan Guedes, nesta sexta em Dourados (Foto: Divulgação)

A ministra da Mulher, da Família e dos Direitos Humanos Damares Alves disse hoje (28) que os índios precisam trabalhar e ganhar dinheiro. A afirmação foi feita durante entrevista coletiva em Dourados, a 233 km de Campo Grande, onde ela lança projeto-piloto para proteger crianças e adolescentes indígenas da violência.

Planejada após o estupro coletivo e assassinato de uma menina de 9 anos de idade em 2021 na Aldeia Bororó, a ação vai reunir oito ministérios e terá apoio do Governo de Mato Grosso do Sul e da Prefeitura de Dourados.

Damares conversou com jornalistas antes de começar a audiência pública, no auditório da Unigran, e falou do projeto elaborado para atender comunidades indígenas também no Mato Grosso e Roraima.

“A ação passa por diversas áreas. Eu não posso falar de criança sem falar da mãe da criança. Já vem junto também a Casa da Mulher Brasileira, para atender casos de violência contra a mulher indígena. Também vamos trazer ações para o idoso indígena e capacitação do jovem para o mercado de trabalho. Índio tem que ganhar dinheiro, tem que trabalhar”, afirmou Damares.

A ministra não quis informar o valor total a ser investido no projeto por também envolver outros ministérios, mas disse que o dinheiro para o início das ações já está garantido. “A gente começa imediatamente. O plano passa pela área da saúde, da educação e área do esporte, vamos fazer trabalho de impacto”, prometeu Damares, complementando que o projeto será experiência para o País.

Além da Reserva Indígena de Dourados, formada pelas aldeias Bororó e Jaguapiru e ocupada por índios guararani-kaiowá e terenas, as ações serão feitas em área xavante em Barra do Garças (MT) e numa área ianomâmi em Roraima. “Vamos mudar a política de atendimento à criança e ao adolescente indígena no Brasil”.

Entre as autoridades presentes na audiência pública estão o prefeito de Dourados Alan Guedes (PP) e a secretária estadual de Direitos Humanos, Assistência Social e Trabalho Elisa Nobre, que representa o governador Reinaldo Azambuja.

Longe da aldeia – Assim como ocorreu em agosto do ano passado, na primeira vez que esteve em Dourados para acompanhar o drama dos povos indígenas, Damares Alves não pisou nas aldeias. Ela disse que seguiu protocolo por causa do aumento do contágio pela covid-19.

“Quando a gente veio estava na pandemia. A pandemia diminuiu, mas agora, novamente por causa dessa onda da ômicron, estamos sendo orientados pelos agentes sanitários para não ir até a área. Mas vocês vão me ver muito aqui, já até falei para o prefeito arrumar uma casinha para mim”, disse a ministra.

Cacique faz reza tradicional dos guaranis em audiência pública com Damares (Foto: Letícia Franco/RIT TV)
Cacique faz reza tradicional dos guaranis em audiência pública com Damares (Foto: Letícia Franco/RIT TV)


Nos siga no Google Notícias