ACOMPANHE-NOS    
OUTUBRO, SEGUNDA  25    CAMPO GRANDE 28º

Interior

Jovem que matou filha de policial é condenado, mas pode recorrer em liberdade

Caio Valvassori foi condenado por homicídio qualificado

Por Adriano Fernandes | 23/09/2021 23:36
Caio Valvassori Staut, de 24 anos. (Foto: Arquivo)
Caio Valvassori Staut, de 24 anos. (Foto: Arquivo)

Mesmo após ter sido condenado por homicídio qualificado, nesta quinta-feira (23), o jovem Caio Valvassori Staut, de 24 anos, vai continuar em liberdade. Ele é acusado da morte de Marielle Andrade Vieira, de 18 anos, com um tiro na nuca, em 20 de novembro de 2015, em Ivinhema, a 282 km de Campo Grande.

Caio foi julgado pelo Tribunal do Júri de Dourados, contudo, a sentença proferida pelo juiz Eguiliell Ricardo da Silva, no início desta noite, indica que o réu “poderá apelar em liberdade, diante da ausência de receio de perigo e da inexistência concreta de fatos novos ou contemporâneos para se decretar sua prisão preventiva”.

Caio Valvassori Staut chegou a ser preso em flagrante no dia do crime, mas desde o habeas corpus concedido em 1º de março de 2016, respondeu ao processo solto. Marielle foi morta dentro de uma casa, no centro de Ivinhema, durante uma festa. A defesa alegou que Caio queria dar apenas um susto em Marielle e que achava que a arma estava sem munição.

Por fim, a maioria do jurados concordou que a conduta de Caio, “por provocar a morte da vítima, decorreu de culpa, consistente em imprudência de disparar a arma de fogo, sem a devida cautela, infringindo o dever de cuidado”.

O réu também foi interrogado durante o júri popular, mas a sentença indica que “o motivo do crime não foi esclarecido”, conforme o Dourados News. A princípio, a pena imposta ao réu seria de 16 anos e 6 meses de reclusão. Porém, acabou sendo reduzida para 12 anos em regime inicial fechado, mas com a possibilidade do jovem recorrer da decisão em liberdade.

Nos siga no Google Notícias
Regras de comentário