A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Domingo, 28 de Maio de 2017

18/11/2011 15:38

Justiça decreta indisponível imóvel doado pela prefeitura de Maracaju

Nadyenka Castro

Decisão do juiz Marcus Vinícius de Oliveira Elias anula, em caráter liminar, doação e venda da área, e foi em atendimento a pedido do MPE que impetrou Ação Civil Pública de Anulação de Negócio Jurídico e Responsabilização por Ato de Improbidade Administrativa

Em atendimento a pedido do MPE (Ministério Público Estadual), o juiz Marcus Vinícius de Oliveira Elias, determinou, em caráter liminar, a anulação da doação e venda de um imóvel da prefeitura de Maracaju, município que fica a 160 quilômetros de Campo Grande.

O MPE ingressou com Ação Civil Pública de Anulação de Negócio Jurídico e Responsabilização por Ato de Improbidade Administrativa contra o prefeito do município, Celso Luiz da Silva Vargas, Erimar Hildebrando, procurador jurídico afastado e Valdemar Barbosa Dama.

Na ação, o promotor de Justiça de Defesa do Patrimônio Público e Social de Maracaju, Estéfano Rocha, pediu a anulação da negociação e denunciou o prefeito. O magistrado acatou o pedido e a denúncia.

Com isso, o imóvel público que foi negociado fica indisponível e o administrador municipal passa a responder processo por improbidade administrativa.

O caso - Conforme a ação, o Município de Maracaju doou um terreno a Valdemar Barbosa Damascena, que em menos de 30 dias após receber o terreno vendeu o imóvel a Erimar Hildebrando, na época Procuradora Jurídico do Município, por R$ 80.000,00. O mesmo imóvel foi avaliado em R$ 120.000,00.

No mês passado, a Câmara aprovou a convocação do procurador do município para explicar a compra do terreno pela prefeitura.

Em agosto deste ano, o poder público doou uma área de mil metros quadrados para Valdemar Barbosa Dasmacena. Trinta dias depois, o terreno foi vendido, por R$ 80 mil, para o procurador Erimar Hildebrando, casado com a sobrinha de Valdemar.

De acordo com o vereador Valdenir Portela Cardoso (PSDB), autor da denúncia, a Câmara aprovou projetos em dezembro de 2010 e começo deste ano autorizando doação de mais de 300 áreas, que seriam destinadas a loteamentos sociais, construção de igrejas e incentivo para habitação.

Até agosto, a lei estabelecia que o imóvel doado não poderia ser vendido no prazo de três anos. Contudo, o prazo foi revogado depois em projeto enviado pelo Executivo aos vereadores, que aprovaram a mudança sem saber.

O caso chegou ao MPE que, no curso das investigações, constatou que tudo foi feito ao arrepio da legislação.

MPE propõe ação contra o prefeito de Maracaju por doação de área pública
O promotor de Justiça de Defesa do Patrimônio Público e Social de Maracaju, Estéfano Rocha, propôs ação civil pública para anular a negociação de um ...
Carro é abandonado com mais de 400 kg de maconha
Um carro Ford Ka prata com placas de Dourados, foi encontrado na manhã deste domingo (28) abandonado na rua Benjamin Constant em Rio Brilhante, a 163...
Pescadores do Paraná são multados em R$ 5,3 mil por pesca ilegal em rio de MS
A PMA (Polícia Militar Ambiental) autuou quatro pessoas, três deles do Paraná, por pesca ilegal durante fiscalização no rio Ivinhema, ocorrida de sáb...



imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions