ACOMPANHE-NOS    
JULHO, TERÇA  27    CAMPO GRANDE 15º

Interior

Morte de empresária corumbaense foi causada por infecção bacteriana, diz filho

Loiva Pozza Mezacasa teve covid-19, mas faleceu em decorrência de outro problema de saúde

Por Alana Portela | 19/03/2021 06:18
Loiva Pozza Mezacasa toda sorridente passeando de barco. (Foto: Arquivo pessoal)
Loiva Pozza Mezacasa toda sorridente passeando de barco. (Foto: Arquivo pessoal)

Aos 70 anos, morte de Loiva Pozza Mezacasa não foi em decorrência de covid-19, segundo o filho André Mesacaza. “Ela se curou do vírus e ficou em Campo Grande para se restabelecer, pois precisava fazer exames do coração porque estava com as veias entupidas”, explica.

Loiva morava em Corumbá, 419 quilômetros de Campo Grande. Era conhecida por ser uma das donas do Restaurante Laço de Ouro, um estabelecimento tradicional na cidade. No dia 16 deste mês, ela estava internada num hospital da Capital, onde faleceu.

A notícia da morte foi publicada pelo Campo Grande News, com base nas informações do Correio de Corumbá. A reportagem tentou contato com a família, porém não havia conseguido retorno até ontem (18).

Ainda abalado com a perda, o filho explica o que aconteceu com a mãe que já tinha pegado covid no fim do ano passado. “Foi em dezembro, estava se tratando no hospital de Corumbá, mas teve complicações no coração e foi pedida a transferência para Campo Grande”, conta.

Conforme André, sua mãe recebeu os cuidados necessários e conseguiu se recuperar da doença causada pela covid. No entanto, ela tinha outros problemas de saúde, como hipertensão e diabetes, e assim que se restabeleceu, precisou tratar um problema cardíaco.

“Ficou na casa da minha irmã em Campo Grande para se restabelecer. Depois fez um exame do coração”, conta.

Através do exame, os médicos perceberam que Loiva estava com as veias que dão acesso ao coração obstruídas e precisava fazer cirurgia de ponte de safena. “Duas veias dela estavam com 95% de entupimento e outra totalmente entupida”, fala.

No entanto, para o procedimento, Loiva precisou retirar uma veia da perna para colocar no lugar da que estava obstruída. “Foi feita com sucesso”. Contudo, devido a diabetes, o corte na perna da empresária não estava cicatrizando e isso agravou o quadro.

“Contraiu uma bactéria no hospital por conta da ferida, mas foi tratada e sarou. Quando estava se recuperando no quarto, ela pegou outra bactéria onde passou mal novamente, isso há mais de duas semanas”, relata André.

Os médicos continuaram tratando a empresária. “Fizeram o possível, ela lutou bastante. Mas, infelizmente não foi possível salvar a minha mãezinha”, explica o filho com tom de voz baixo ao se recordar do amor que sentia pela mãe.

O corpo de Loiva foi levado para Corumbá, onde foi velado e sepultado pela família nessa quarta-feira (17). Nas redes sociais, foi possível ver familiares e amigos postando fotos e se despedindo da empresária.

Nos siga no Google Notícias
Regras de comentário