ACOMPANHE-NOS     Campo Grande News no Facebook Campo Grande News no Twitter Campo Grande News no Instagram
ABRIL, TERÇA  23    CAMPO GRANDE 31º

Interior

Mulher é presa em SP por envolvimento em sequestro de esposa de empresário

A vítima, que continua desaparecida, foi levada por homens armados quando chegava em uma empresa da família

Viviane Oliveira | 06/02/2022 07:12
Imagem de câmera de segurança mostra o momento em que a mulher foi levada pelos bandidos (Foto: reprodução / vídeo)
Imagem de câmera de segurança mostra o momento em que a mulher foi levada pelos bandidos (Foto: reprodução / vídeo)

Mulher, que não teve o nome divulgado, suspeita de envolvimento no sequestro de Célia Donizete de Moraes, 56 anos, foi presa na noite de ontem (5) em São Paulo. A vítima, que continua desaparecida, foi levada por homens armados quando chegava em uma empresa da família, na manhã de ontem (5), em Ponta Porã, distante 313 quilômetros de Campo Grande.

A prisão da suspeita foi feita após troca de informações entre os agentes de segurança envolvidos na operação. Após troca de dados com policiais paraguaios também foi possível identificar o homem, de 33 anos, natural de Capitán Bado, que seria um dos mandantes do crime.

Ontem à tarde, o VW Gol cinza usado para levar Célia foi encontrado e periciado. A dona do automóvel foi detida, mas em depoimento à polícia afirmou que havia vendido o carro e registrado em cartório.

Por ordem do secretário de Segurança Pública do Mato Grosso do Sul, Antônio Carlos Videira, todas as equipes disponíveis na região de fronteira estão nas ruas. A expectativa é de que nas próximas horas haja um desfecho para o sequestro que já dura mais de 15 horas.

Sequestro - Célia Morais estava numa caminhonete, quando foi abordada pelos homens armados, que chegaram no veículo Gol prata. Toda ação foi filmada por câmeras de segurança. As imagens mostram quatro homens dentro do carro e o momento em que dois deles saem para pegar a vítima. Célia é esposa do empresário Jonas Pinheiro, dono de um comércio de materiais para construção, chamado Cimentão, em Pedro Juan Caballero.

Trabalham em conjunto para elucidar o caso policiais do Paraguai, policiais civis de Ponta Porã, Garras  (Delegacia de Repressão a Roubo a Banco, Assaltos e Sequestros), Defron (Delegacia Especializada de Repressão aos Crimes de Fronteira) e a Guarda Municipal de Fronteira.

Nos siga no Google Notícias