ACOMPANHE-NOS    
JANEIRO, DOMINGO  24    CAMPO GRANDE 29º

Interior

Outra vítima de "Tenente Terror", comerciante diz que policial "não é normal"

Outra vítima do "Tenente Terror" relatou as agressões verbais que sofreu do PM no dia 20 de janeiro

Por Viviane Oliveira | 24/11/2020 13:23
Segundo outra vítima do Tenente Terror, o PM gosta de intimidar as pessoas e se altera muito rápido  (Foto: reprodução/vídeo) 
Segundo outra vítima do Tenente Terror, o PM gosta de intimidar as pessoas e se altera muito rápido  (Foto: reprodução/vídeo)

Depois que foi divulgado o vídeo do tenente da Polícia Militar, André Luiz Leonel Andréa, espancado uma mulher de 44 anos algemada dentro do quartel de Bonito, denúncias contra o policial começaram a aparecer. Dessa vez, o filho de um comerciante no município de Bodoquena relatou as agressões verbais que sofreu do PM no dia 20 de janeiro deste ano. “Ele me fez revirar a lata de lixo e o tempo todo chamava a gente de “verme da sociedade. Esse PM não deve ser normal, porque ele se exalta demais ”, contou.

Segundo a vítima, que pediu para não ser identificada com medo de represália, se preparava para fechar o comércio do pai, por volta das 18h, quando o tenente com sua equipe chegou e encontrou quatro mulheres sentadas numa mesa tomando cerveja. Entre  elas, havia uma adolescente de 17 anos, mas a garota estava acompanhada pela mãe e, segundo o rapaz, não havia consumido bebida alcoólica.

A situação foi um prato cheio para o tenente passar a agredir as mulheres verbalmente, segundo o denunciante. “Ele passou a ofendê-las com palavras de baixo calão, de forma bem agressiva”, lamentou. Segundo o comerciante, para evitar mais confusão começou a recolher as mesas que estavam na calçada e jogou as garrafas de cerveja no lixo, foi quando o PM se irritou.

“Ele perguntou onde estavam as garrafas, disse que estavam no lixo, que a lixeira estava ao lado e que ele podia ficar à vontade”. Nervoso, o policial fez o comerciante revirar o lixo, pegar as garrafas vazias  e colocar de volta sobre a mesa. “Ele se exalta muito rápido. Andava com fuzil pendurado no pescoço para intimidar as pessoas”, disse. Na época, o tenente era comandante do Batalhão de Bodoquena e subordinado a Bonito Assista, abaixo, ao vídeo.

Afastado das ruas - O tenente afastado das funções por determinação do governador Reinaldo Azambuja (PSDB) foi transferido para Campo Grande. A medida foi tomada depois do militar ter espancado uma mulher dentro do quartel em Bonito, no dia 26 de setembro deste ano. Ontem, ela formalizou a denúncia na Corregedoria da Polícia Militar e durante a entrevista  à imprensa disse que o PM é conhecido na cidade como o "Tenente Terror".

A transferência para a Capital, por "inconveniência da permanência" do tenente no comando do 3º Pelotão de Bodoquena ­ foi publicada nesta terça-feira (24) no DOE (Diário Oficial do Estado). O militar também foi dispensado da função de confiança que exercia como comandante da unidade. Ele deixa o trabalho de rua e assume responsabilidades administrativas.

Nos siga no Google Notícias
Regras de comentário