ACOMPANHE-NOS     Campo Grande News no Facebook Campo Grande News no Twitter Campo Grande News no Instagram
MAIO, QUARTA  22    CAMPO GRANDE 24º

Interior

Paraguai diz que PCC tem "exército" em Ponta Porã e Pedro Juan Caballero

Fontes do Ministério Público ouvidas pelo jornal ABC Color revelam que facção brasileira é dona da fronteira após morte de Rafaat

Helio de Freitas, de Dourados | 19/05/2017 15:25
Armas aprendidas no interior de SP na terça saíram do Paraguai e passaram por MS (Foto: Divulgação)
Armas aprendidas no interior de SP na terça saíram do Paraguai e passaram por MS (Foto: Divulgação)

As autoridades paraguaias estão convictas de que a facção criminosa PCC (Primeiro Comando da Capital) assumiu totalmente o controle do tráfico de drogas e de armas na Linha Internacional entre o departamento de Amambay e Mato Grosso do Sul.

Fontes do Ministério Público paraguaio revelaram ao jornal ABC Color que após eliminar o antigo chefão da fronteira, Jorge Rafaat, em junho do ano passado, o PCC colocou pelo menos 200 homens em Ponta Porã e Pedro Juan Caballero para eliminar os concorrentes e assumir o controle total do fornecimento de maconha, cocaína, armas e munição para o Brasil.

De prontidão - Autoridades paraguaias que pedem para não serem identificadas temendo sofrer represália do crime organizado, afirmam que os “soldados” do PCC, fortemente armados, ficam escondidos em Ponta Porã e cidades de Amambay, aguardando ordens para fazer operações na fronteira.

“O certo é que após o assassinato de Jorge Rafaat Toumani, o PCC tomou o domínio do crime organizado na fronteira. Seus homens foram colocados em locais estratégicos, como as cidades paraguaias Capitán Bado, Bella Vista Norte e Pedro Juan Caballero”, afirma a fonte ao jornal ABC.

Cada membro do PCC teria suas obrigações bem definidas, segundo as autoridades paraguaias, que atualmente fazem um minucioso e secreto levantamento para descobrir os integrantes da facção nos presídios paraguaios e morando ilegalmente naquele país.

“Uma parte está designada especificamente ao tráfico de cocaína, armas e marihuana ao mercado brasileiro. Outro grupo se dedica a lavar o dinheiro obtido através da comercialização de drogas e armas”, revela a autoridade.

Para policiais e membros do Ministério Público paraguaio, não restam dúvidas que o PCC era o dono do carregamento de drogas e armas apreendido terça-feira (16) em Teodoro Sampaio (SP).

Os 4.619 quilos de maconha, 31 pistolas, três fuzis 7.62, quatro fuzis 5.56 e duas metralhadoras calibre 50 e farta munição saíram do Paraguai e foram enviados para Amambai, em Mato Grosso do Sul, antes de seguir para São Paulo.

Nos siga no Google Notícias