ACOMPANHE-NOS    
AGOSTO, DOMINGO  14    CAMPO GRANDE 31º

Interior

Pecuarista preso em operação já foi condenado por tráfico de cocaína

Também foram cumpridos dois mandados de prisão de temporária de Edmur Guimara Bernardes e do vigia Idevan Silva de Oliveira

Por Viviane Oliveira | 28/06/2019 09:15
Movimentação de policiais da Deco durante operação na manhã de ontem (27) (Foto: divulgação/Polícia Civil)
Movimentação de policiais da Deco durante operação na manhã de ontem (27) (Foto: divulgação/Polícia Civil)

O pecuarista Nelson Vicente Palchetti Junior, 67 anos, preso durante a Operação Ícaro - fase Rota Caipira que investiga suposto sequestro e roubo de aeronave no dia 18 deste mês, deflagrada ontem (27) em Paranaíba, distante 422 quilômetros de Campo Grande, já foi condenado a nove anos e quatro meses de prisão pelo crime de tráfico de drogas. O caso aconteceu há 19 anos.

Durante a operação de ontem também foram cumpridos dois mandados de prisão temporária de Edmur Guimara Bernardes, 78 anos, e do vigia de aeroporto Idevan Silva de Oliveira, 52 anos. Na casa de Nelson, amigo de longa da data de Edmur, onde seria cumprido apenas mandado de busca e apreensão, foram localizadas pistola 765, revólver calibre 38, munições e documentos. Ele também mantinha na cidade comércio clandestino de combustível de aviação, segundo informou a polícia.

Nelson passará por audiência de custódia na Justiça nesta sexta-feira (28), para definir se ficará preso esperando o andamento do inquérito ou se poderá responder em liberdade. Já Edmur e Idevan devem continuar presos. A operação foi desencadeada pela Deco (Delegacia Especializada de Combate ao Crime Organizado) e teve apoio da 1ª Delegacia Regional de Paranaíba.

Outro caso - Em 2003, Nelson Palchetti foi preso em Mirassol (SP), segundo o site Diário da Região, de São José de Rio Preto (SP). Ele estava foragido desde agosto de 2000, quando policiais federais invadiram o hangar do Aeroporto Municipal de Paranaíba e apreenderam 138 quilos de cocaína. A droga estava sendo transferida de um avião para o fundo falso de um caminhão. Na ocasião, várias pessoas foram presas por envolvimento.

Edmur foi preso por equipes da Deco (Foto: divulgação/Polícia Civil)
Edmur foi preso por equipes da Deco (Foto: divulgação/Polícia Civil)

Conforme a denúncia na época, Nelson e Edmur Guimara foram responsáveis por facilitar o descarregamento da droga no aeroporto. Pela participação no crime, Edmur receberia R$ 2,4 mil. “A participação de Palchetti Júnior no delito é clara, uma vez que antes de o avião aterrissar, ainda ajudou Edmur a retirar outra aeronave que tomava espaço no hangar e, com isso, concorreu para facilitar o descarregamento da droga”, de acordo com o desembargador José Augusto de Souza, da seção criminal do Tribunal de Justiça de Mato Grosso do Sul.

Rota Caipira - Além das prisões de ontem (27), foram cumpridos cinco mandados de busca e apreensão em residências, fazenda e em três hangares do aeroporto. Segundo a delegada Ana Cláudia Medina, responsável pelas investigações do roubo da aeronave (no dia 18 deste mês) de propriedade do empresário Samuel Garcia, levantou suspeita da polícia o fato de, no dia seguinte ao suposto crime, o piloto Edmur pousar no aeroporto de Cáceres, no Mato Grosso, alegando que conseguiu fugir e decolar com o avião durante um descuido dos sequestradores. O nome da operação, Rota Caipira, faz referência ao tráfico de drogas.

Nos siga no Google Notícias