ACOMPANHE-NOS    
JULHO, DOMINGO  05    CAMPO GRANDE 21º

Interior

Prefeitura tem até amanhã para fornecer equipamentos de saúde

Prazo foi determinado pela Justiça em ação do Ministério Público diante de escassez de EPIs e remédios em plena pandemia

Por Helio de Freitas, de Dourados | 02/06/2020 13:51
Prefeita Délia Razuk (centro) e secretária de Saúde (à esquerda) recebem equipamentos de proteção doados por entidades (Foto: A. Frota/Divulgação)
Prefeita Délia Razuk (centro) e secretária de Saúde (à esquerda) recebem equipamentos de proteção doados por entidades (Foto: A. Frota/Divulgação)

Termina nesta quarta-feira (3) o prazo de dez dias úteis determinado pela Justiça para a prefeitura acabar com a escassez de equipamentos de proteção, insumos e medicamentos na rede de saúde pública de Dourados, a 233 km de Campo Grande. O prazo foi estipulado pelo juiz da 6ª Vara Cível José Domingues Filho em ação do Ministério Público de Mato Grosso do Sul.

A ordem judicial é clara: o município de Dourados deve restabelecer integralmente o acervo de insumos, EPIs, reagentes e medicamentos em falta ou em situação crítica na CAF (Central de Abastecimento Farmacêutico), “necessários ao funcionamento a contento da rede hospitalar e ambulatorial de urgência e emergência”, e na Funsaud (Fundação de Serviços de Saúde), que administra a UPA e o Hospital da Vida.

O juiz também estipulou o mesmo prazo para o município elaborar e manter cronograma de aquisição prévia dos medicamentos, insumos, EPIs e reagentes para garantir a regularidade do abastecimento dos estoques.

Problema antigo - “A documentação demonstra que desde 2015 existem evidências do funcionamento precário do Hospital da Vida e da UPA de Dourados, com ausência de insumos e medicamentos básicos para funcionamento e atendimento da população, além de falta de equipamentos de proteção individual”, afirmou o magistrado ao conceder a liminar solicitada pelo MP.

José Domingues Filho prossegue: “em vistorias, constatou-se, no ano de 2019, a falta de antibióticos e drogas vasoativas. Também se registrou falta de leitos, de material como lençol e coberta, bem como funcionários tendo sua saúde prejudicada, sofrendo de estresse decorrente do ambiente insalubre de trabalho”.

Segundo a decisão judicial, faltavam insumos básicos, como álcool em gel, ataduras, luvas, máscaras, seringas, sondas e termômetros.

“Tal situação se manteve por todo o ano de 2019, nas diversas vistorias realizadas. A documentação mostra ainda requisições de medicamentos para a CAF, bem como de materiais, que não foram atendidas quase que na sua totalidade”, afirmou José Domingues Filho.

Conforme a ação, nova inspeção feita neste ano constatou a continuidade da falta ou insuficiência de diversos insumos e equipamentos de proteção individual. “O atendimento à população pelo SUS é essencial, notadamente em tempos de pandemia da covid-19. E para tanto, imprescindível a presença no hospital e UPA de quantidades suficientes de medicamentos, insumos e equipamentos de proteção individual para os profissionais que atual na linha de frente no combate à pandemia”, citou o juiz.

Para José Domingues Filho, a falta ou insuficiência de medicamentos, insumos, materiais e equipamentos de proteção individual ganha ainda mais gravidade e urgência diante da pandemia de coronavírus.

“Evidencia-se sua desídia em providenciar o regular fornecimento de medicamentos, materiais, insumos e equipamentos de proteção individual para atendimento da população, de forma eficiente e eficaz, causando prejuízos à sociedade em geral”, disse o juiz. A prefeitura ainda não se manifestou sobre o caso.