ACOMPANHE-NOS     Campo Grande News no Facebook Campo Grande News no Twitter Campo Grande News no Instagram
ABRIL, TERÇA  16    CAMPO GRANDE 23º

Interior

Prefeitura tira médico preso da chefia do Samu, mas não define substituto

Designação de Renato Vidigal como coordenador do Samu foi cancelada hoje, mas ele continua servidor do quatro efetivo

Helio de Freitas, de Dourados | 13/11/2019 16:25
Carros da PF deixam Secretaria de Saúde durante operação, no dia 6 deste mês (Foto: Adilson Domingos)
Carros da PF deixam Secretaria de Saúde durante operação, no dia 6 deste mês (Foto: Adilson Domingos)

O médico Renato Oliveira Garcez Vidigal, preso pela Polícia Federal no dia 6 deste mês na segunda fase da Operação Purificação, foi destituído hoje (13) da chefia geral do Samu (Serviço Móvel de Urgência) em Dourados, a 233 km de Campo Grande.

A resolução que o designou para a função, em 15 de fevereiro deste ano, foi cancelada pela secretária municipal de Saúde, Berenice Machado Souza. A medida é retroativa ao dia da prisão, conforme ato publicado no Diário Oficial do Município.

Ao Campo Grande News, o procurador-geral do município, Sérgio Henrique Pereira Martins de Araújo, disse hoje que o substituto de Vidigal no Samu ainda não foi definido, mas será um profissional de carreira do órgão.

Secretário de Saúde de janeiro de 2017 a janeiro deste ano, Renato Vidigal é médico concursado do município. Desde sábado (9), ele está na PED (Penitenciária Estadual de Dourados). Também está no presídio o promotor de eventos Raphael Henrique Torraca Augusto, 36, o “Pardal”, diretor nomeado na Secretaria de Saúde no período em que Vidigal foi titular da pasta.

Investigação da CGU (Controladoria-Geral da União) e da PF aponta Renato e Raphael como sócios da empresa Marmiquente, que tinha contrato de R$ 1,8 milhão com a prefeitura para fornecer refeições a funcionários e pacientes do Hospital da Vida e da UPA (Unidade de Pronto Atendimento).

A segunda fase da Operação Purificação investiga conluio na contratação da Marmiquente e de outras duas empresas, a Maranata Transportes, contratada para carregar pacientes, e uma loja de serviços de informática cujo nome é desconhecido. O caso está em segredo de justiça.

Renato Vidigal foi preso em Dourados, na manhã de 6 deste mês. Raphael Torraca estava em Florianópolis (SC) e se apresentou no dia seguinte à Polícia Federal.

O que era rápido, melhorou! Seja exclusivo, cadastre o telefone (67) 99981 9077 e receba as notícias mais lidas no Campo Grande News pelo seu WhastApp. Adicione na sua lista de contato, mande um "OI", e automaticamente você será cadastrado.

Nos siga no Google Notícias