A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Domingo, 28 de Maio de 2017

09/10/2014 07:41

Secretário visita obra e diz que ampliação será entregue em novembro

Caroline Maldonado
Secretário de Estado de Segurança esteve vistoriando as obras na terça-feira, dia 7 (Foto: Divulgação/Sejusp)Secretário de Estado de Segurança esteve vistoriando as obras na terça-feira, dia 7 (Foto: Divulgação/Sejusp)

O Governo do Estado anunciou a entrega de parte da amplianção do presídio Ricardo Brandão em Ponta Porã, a 323 quilômetros de Campo Grande. As sete celas para 84 detentos e cozinha industrial que começaram a ser construídas em abril serão inauguradas em novembro, segundo a Sejusp (Secretaria de Estado de Justiça e Segurança Pública).

As obras continuam e está previsto para o ano que vem a finalização de mais 10 celas com capacidade para 100 internos e consultórios médico e odontológico. Ao todo, serão 204 novas vagas que, segundo o secretário de Estado de Justiça, Wantuir Jacini, representam a modernização do sistema prisional da região.

As obras são executadas a baixo custo com a utilização da mão de obra dos próprios detentos, que a cada um dia trabalhado reduzem um no total da pena. "Os tijolos utilizados na construção são feitos no presídio, também pelos internos, que acompanhados por profissional especializado e por um servidor penitenciário fabricam uma média de mil unidades por dia", contou o diretor-presidente da Agepen (Agência Estadual de Administração do Sistema Penitencário), coronel Deusdete Oliveira Filho.

O coronel, o secretário Jacini e o arquiteto da Sejusp, Fábio Alex Correa vistoriaram o andamento da construção na terça-feira (7). Segundo Deusdete, as obras estão sendo executadas por meio de uma parceria entre o Governo do Estado, através da Agepen, com a Prefeitura Municipal, a Covep (Coordenadoria das Varas de Execução Penal) e Conselho da Comunidade, instituições que uniram forças para buscar medidas práticas e eficazes para ampliar as vagas no sistema prisional do município.

Os próprios detentos também trabalham nas obras do presídio (Foto: Divulgação/Sejusp)Os próprios detentos também trabalham nas obras do presídio (Foto: Divulgação/Sejusp)

A Unidade Penal Ricardo Brandão (UPRB) opera com capacidade limite, mas ainda assim é considerada modelo para todo o Estado, segundo o secretário. De cordo com a Sejusp, mais de 70% dos internos exercem atividades laborais dentro do presídio, que possui um total de doze oficinas. Como parte do programa de recuperação e reinserção social desenvolvidos pela Agepen, os presos trabalham, estudam e participam de cursos de informática.
Segundo o diretor-presidente da Agepen, o sistema conta com mais de 170 parceiros, que geram emprego e renda e contribuem para ressocialização dos detentos.

Em menos de 24 horas, três pessoas foram esfaqueadas na região Pantaneira
Três pessoas foram esfaqueadas em Corumbá e Ladário – região distante 419 quilômetros de Campo Grande – nas últimas 24 horas. As ocorrências, atendid...
Homem é ferido por tiros em tentativa de roubo e vai preso por tráfico de drogas
Um homem de 25 anos foi atingido por dois tiros na manhã deste domingo (28) na Vila Boa Vista em Ponta Porã, há 323 km da Capital. Segundo o boletim ...
Duas motocicletas são furtadas de dentro do pátio de Prefeitura
A Prefeitura de Paranaíba, distante 422 km de Campo Grande, foi furtada na madrugada deste domingo (28). Segundo o boletim de ocorrência, a policia f...



imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions