ACOMPANHE-NOS    
AGOSTO, QUARTA  10    CAMPO GRANDE 14º

Interior

Segurança Pública recebeu “pedido de socorro” dos índios para agir em invasão

Documento solicitava forças policiais para resguardas vidas em área de crescente tensão

Por Aline dos Santos | 27/06/2022 08:14
Documento enviado para Funai, Ministério Público Federal e Segurança Pública. (Foto: Reprodução)
Documento enviado para Funai, Ministério Público Federal e Segurança Pública. (Foto: Reprodução)

A Segurança Pública de Mato Grosso do Sul recebeu “pedido de socorro” para agir na área de invasão em Amambai, a 351 km de Campo Grande, dias antes do conflito de sexta-feira (dia 24) entre policiais e índios. Na ocasião, um indígena morreu e onze pessoas ficaram feridas.

De acordo com documentos exclusivos obtidos pelo Campo Grande News, a Associação de Segurança Comunitário Indígena da Aldeia Amambai encaminhou ofícios nos dias 19 e 23 de junho para Segurança Pública, Funai (Fundação Nacional do Índio) e MPF (Ministério Público Federal).

O relato é de brigas entre os indígenas, presença de menores de idades alcoolizados e que muitos se aproveitam do clima de tensão para o uso de armas.

“Portanto, solicitamos apoio e que sejam tomadas as providências urgentemente com o objetivo de resguardas as vida dos indígenas e declaramos ainda que não compactuamos com esse tipo de violência dentro desta aldeia”, informa o ofício da associação.

Ainda na sexta-feira (dia 24), secretário estadual de Justiça e Segurança Pública, Antônio Carlos Videira, negou que o Batalhão de Choque da Polícia Militar tenha ido a Amambai para atender ocorrência de invasão em fazenda.  Um dia antes, na quinta-feira, foi registrado Boletim de Ocorrência comunicando a invasão de indígenas na fazenda Borda da Mata.

Numa entrevista coletiva, o secretário disse que a Polícia Militar foi acionada por proprietários rurais devido a tráfico de drogas e furtos em uma área que fica perto da aldeia. Segundo Videira, o Choque foi surpreendido por indígenas e revidou.

“Não é uma reintegração de posse. Tem muitas pessoas do tráfico em Amambai, por isso reforçamos a segurança levando o Choque, que é especializado. Porém, quando chegaram, foram recebidos a tiros. Nunca tivemos problemas em Amambai. Era uma aldeia pacífica. Isso se iniciou há pouco tempo, após a eleição acirrada pela liderança", afirmou o secretário.

O titular da Sejusp declarou que "dentro da aldeia, o cacique já tinha reclamado que havia pessoas que não eram dali e que estavam utilizando armas espalhando a violência ali dentro. Havia indígena contra indígena”.

O índio Vito Fernandes, 42 anos, morreu no conflito. A ação foi na Fazenda Borda da Mata. O local é chamado pelos guaranis de terra indígena “Guapo’y Mirim Tujury”.

Leia o documento na íntegra. (Foto: Reprodução)
Leia o documento na íntegra. (Foto: Reprodução)


Nos siga no Google Notícias