A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Segunda-feira, 11 de Dezembro de 2017

03/12/2015 11:09

Sem-terra prometem ocupar fazenda arrendada por usina de Bumlai

Área fica próxima à BR-463, entre Dourados e Ponta Porã, e está ocupada com cana; líder do grupo diz que lavoura foi paga com dinheiro do BNDES, mas usina não pagou empréstimo

Helio de Freitas, de Dourados
Barracos ocupados por famílias que prometem invadir fazenda arrendada por usina de Bumlai (Foto: Eliel Oliveira)Barracos ocupados por famílias que prometem invadir fazenda arrendada por usina de Bumlai (Foto: Eliel Oliveira)
Líder do MSTB na região, diz que ocupação será no sábado (Foto: Eliel Oliveira)Líder do MSTB na região, diz que ocupação será no sábado (Foto: Eliel Oliveira)

Famílias ligadas ao MSTB (Movimento Sem Terra Brasileiro) acampadas nas margens da BR-463 estão se mobilizando no município de Dourados, a 233 km de Campo Grande, e prometem ocupar uma fazenda de plantação de cana, arrendada pela Usina São Fernando. A indústria pertence à família do pecuarista José Carlos Bumlai, preso pela Polícia Federal há uma semana na 21ª fase da Operação Lava Jato.

Um dos líderes do movimento na região, que se identificou apenas como Douglas, disse que a área foi escolhida porque a usina usou dinheiro do BNDES (Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social) para plantar a lavoura e não pagou o empréstimo. Segundo ele, a São Fernando deve R$ 12 bilhões ao BNDES, o que justificaria a ocupação pelos trabalhadores.

“Tudo que foi desviado tem que ser repatriado para aqueles que menos têm e mais trabalham. Essa terra tem cana de uma usina falida, que deve R$ 12 bilhões e esse é um dinheiro do povo”, afirmou Douglas.

O líder do grupo afirmou que a reforma agrária está parada há sete anos em Mato Grosso do Sul. “[A reforma agrária] está parada por culpa desses corruptos que desviam dinheiro de tudo que é lugar”, disse Douglas.
Segundo ele, 400 pessoas estão no acampamento que começou a ser montado há 90 dias ao lado da fazenda arrendada pela São Fernando. A maioria morava em Fátima do Sul e Dourados antes de montar os barracos no local.

Outras 350 famílias do município de Douradina são esperadas no local. Douglas disse que a ocupação vai acontecer na madrugada de sábado (5). O grupo acampado na beira da estrada é formado por homens, mulheres e crianças.

Operação Lava Jato – A Usina São Fernando Açúcar e Álcool Ltda. pertence a José Carlos Bumlai, preso no dia 24 de novembro em Brasília e atualmente recolhido na sede da PF em Curitiba (PR), e a seus dois filhos, também implicados nas ações desencadeadas pela Polícia Federal.

No mesmo dia da prisão de Bumlai, duas equipes da Polícia Federal cumpriram mandados de busca e apreensão na São Fernando, decretados pelo juiz Sérgio Moro, da Justiça Federal em Curitiba. Documentos e arquivos de computador foram apreendidos.

Atualmente a indústria enfrenta dois pedidos de falência, em tramitação na 5ª Vara Cível de Dourados. Um dos pedidos de falência foi feito pelo BNDES, pelo não pagamento de dívida de R$ 300 milhões.

A atual dívida da São Fernando seria de R$ 1,2 bilhão e não R$ 12 bilhões, como declarou o líder do MSTB. Depois do BNDES, o Banco do Brasil é o segundo maior credor, com dívida de R$ 82 milhões.

O outro pedido de falência foi feito pelo Banco Industrial do Brasil S/A. O processo, assim como o pedido de falência feito pelo BNDES, ainda está em andamento e não há previsão de quando será decidido. O valor da dívida é desconhecido.

Os processos serão decididos pelo juiz Jonas Hass Silva Júnior. A usina está em recuperação judicial desde 2013.



Aguardem, os dias do MST e sua laia estão contados, deixa o PT sair que vão ter que trabalhar para se sustentar, como todos nós. Eles começaram invadindo terras improdutivas, agora eles invadem qualquer terra, principalmente as produtivas pois aí eles vendem mais caro, pra provar o que eu digo não precisa ir longe, dê uma boa olhada no cidadão sentado na cadeira pra fazer uma foto e sair nos jornais, se isso não é pose, cara e jeito de puro sangue, eu não sei de mais nada, o senhor da foto passa só pela imagem que nunca bateu um prego na vida, nunca trabalhou em absolutamente nada honesto, isto tá estampado no rosto e na pose dele, agora quem é pior, ele ou os que o seguem?
 
Max em 03/12/2015 14:43:21
Uma coisa não tem nada a ver com a outra, Não tenho terras, posso ser chamado então de sem-terra, trabalho muito e sou do povo, mas não vou tentar tomar aquilo que não me pertence, isso é roubo, apropriação indébita, ilegal e dá cadeia. Quem quer terra que trabalhe para comprar, se não conseguir, paciência, pois a grande maioria não consegue tudo o que deseja.
 
Juliano Maciel em 03/12/2015 12:43:09
imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions