ACOMPANHE-NOS    
SETEMBRO, SÁBADO  26    CAMPO GRANDE 31º

Interior

Senado paraguaio vota nesta quarta projeto visto como salvação do comércio

Projeto estipula venda exclusiva para turistas estrangeiros em lojas da fronteira

Por Helio de Freitas, de Dourados | 11/08/2020 16:52
Movimento em loja de Pedro Juan Caballero antes da pandemia (Foto: ABC Color)
Movimento em loja de Pedro Juan Caballero antes da pandemia (Foto: ABC Color)

O Senado do Paraguai vota amanhã projeto visto como salvação dos comerciantes da fronteira, drasticamente afetados pela pandemia do novo coronavírus. Chamado de “sobrevivência comercial da fronteira”, o projeto estabelece regime diferenciado de cobrança de impostos para as lojas que ingressarem no novo sistema.

Em contrapartida, esses estabelecimentos só poderão vender seus produtos a turistas estrangeiros. Se a proposta foi rejeitada, comerciantes paraguaios afirmam que será o “tiro de misericórdia” para decretar a falência de milhares de lojas, especialmente na Linha Internacional com Mato Grosso do Sul.

Conforme o projeto, lojas localizadas em cidades fronteiriças que aderirem ao programa funcionariam como depósitos aduaneiros comerciais para venda exclusiva a não residentes no território paraguaio.

Centros de importados, como os existentes em Pedro Juan Caballero, passariam a funcionar como pontos de reexportação, já que 100% desses produtos vêm de outros países.

“Não vejo alternativa para que o comércio não morra”, afirmou ao jornal ABC Color o presidente da Câmara de Comércio do departamento de Amambay, Víctor Hugo Barreto. Segundo ele, a lei pode ajudar a superar a crise provocada pela pandemia do novo coronavírus.

Desde março, quando a fronteira foi fechada entre Pedro Juan Caballero e Ponta Porã (MS), milhares de trabalhadores perderam o emprego.

No mês passado os comerciantes paraguaios foram autorizados a entregar produtos a clientes brasileiros em barracas de delivery instaladas na rua entre as duas cidades, mas o faturamento está longe do que havia antes da pandemia.

Diretor do Shopping China, fechado desde março, Felipe Cogorno Álvarez disse que o comércio de fronteira é totalmente dependente do turismo. Segundo ele, a lei pode salvar as empresas e recuperar empregos.

A maioria das lojas de Pedro Juan Caballero voltou a funcionar no dia 25 de maio. O Shopping China e o Planet Outlet, no entanto, permanecem fechados.

Felipe Cogorno disse ainda em maio que os dois centros de importados só reabririam após a pandemia. Na fronteira, os boatos são de que as lojas não voltam mais a funcionar. Só o Shopping China tinha cinco mil funcionários.

Ponto de delivery de mercadorias na Linha Intercional (Foto: Ademir Almeida)
Ponto de delivery de mercadorias na Linha Intercional (Foto: Ademir Almeida)


Regras de comentário