ACOMPANHE-NOS     Campo Grande News no Facebook Campo Grande News no Twitter Campo Grande News no Instagram
JUNHO, QUINTA  20    CAMPO GRANDE 32º

Interior

Terceiro envolvido em morte de pintor enterrado vivo é preso

Jailson da Conceição Nascimento foi encontrado na casa da namorada arrumando as malas para fugir

Por Ana Paula Chuva | 24/05/2024 15:41
Jailson sendo entregue por policial militar na delegacia de Nova Alvorada do Sul (Foto: Rones Cezar | Alvorada Informa)
Jailson sendo entregue por policial militar na delegacia de Nova Alvorada do Sul (Foto: Rones Cezar | Alvorada Informa)

Jailson da Conceição Nascimento, 22 anos, apontado como terceiro envolvido na morte de Magno Fernandes Monteiro, foi preso na noite de quinta-feira (23). O rapaz foi encontrado em Nova Alvorada do Sul, cidade a 116 quilômetros de Campo Grande, na casa de uma mulher com quem estava se relacionando.

De acordo com o site Região News, o rapaz foi surpreendido pelos policiais enquanto arrumava as malas para fugir. Após ser preso ele confirmou envolvimento no crime e foi conduzido para a Delegacia de Polícia Civil de Sidrolândia, onde caso é investigado.

 “Ele confirmou que executaram a vítima com marteladas no crânio, além das facadas no abdômen e que o enterraram ainda vivo, aos gritos”, afirmou a delegada Cynthia Gomes.

O outros dois envolvidos no assassinato, João Pedro Lopes e Otávio Miguel, foram presos na tarde de quarta-feira (22), logo após a ossada da vítima ser encontrada embaixo de um pé de mandioca no quintal da casa onde morava sozinho.

Em depoimento, João contou que enterrou Magno vivo após o trio agredi-lo com marteladas e facadas. Uma jovem, ex-namorada do rapaz, é investigada por participação no homicídio e na ocultação do cadáver.

Os dois primeiros rapazes presos passaram por audiência de custódia nesta sexta-feira (24) e tiveram a prisão preventiva decretada pelo juiz Fábio Henrique Calazans Ramos.

Ossada de Magno encontrada embaixo de pé de mandioca (Foto: Divulgação | PCMS)
Ossada de Magno encontrada embaixo de pé de mandioca (Foto: Divulgação | PCMS)

Caso -  Magno desapareceu em maio do ano passado, no entanto, a família só procurou delegacia da cidade em novembro. Com isso, foram inciadas as buscas e testemunhas foram ouvidas. O alerta sobre os autores acendeu depois que a namorada de João procurou a unidade para denunciar estar sendo ameaçada por ele, três meses antes do cadáver ser encontrado.

 Na ocasião, ela relatou que o rapaz disse que faria com ela o mesmo que fez com Magno. No entanto, alegou que acreditava que ele estivesse falando apenas da boca para fora. A denuncia acendeu um alerta na delegada responsável pelo caso que decidiu levar o rapaz para prestar depoimento.

De acordo com ela, João negou o envolvimento no crime e de forma fria seguiu a vida normalmente, já que por não estar em situação de flagrante e nem estar com mandado de prisão em aberto, foi liberado. A delegada Cynthia Gomes afirmou que mesmo assim a investigação continuou e a todo momento, tanto a jovem quanto o rapaz negavam envolvimento no crime.

No entanto, a polícia já tinha informações de que Magno havia sido enterrado no quintal da casa onde morava. Inclusive, a garota chegou a participar de algumas buscas, mas de forma fria fingia não saber de nada. Na manhã de ontem, familiares do pintor ligaram para a delegada e informaram que um cadáver havia sido encontrado no terreno enquanto uma pessoa capinava o local e eles acreditavam se tratar do corpo de Magno.

As equipes imediatamente foram para a residência, junto com a Perícia e confirmaram se tratar de uma ossada humana. A jovem foi novamente levada para prestar depoimento e o autor foi preso no local de trabalho. A garota confessou que sabia do crime desde o dia em que aconteceu. Já João Pedro continuou negando até que decidiu confirmar ter matado Magno.

Conforme a delegada, ele relatou o homicídio com detalhes sórdidos e entregou outros dois participantes, um deles sendo Otávio que foi preso em casa. Equipes do GOI (Grupo de Operações e Investigações) e do Corpo de Bombeiros também deram apoio nas buscas e prisões. Os objetos usados no crime não foram encontrados.

Bombeiros e peritos no local onde ossada foi encontrada (Foto: Divulgação | PCMS)
Bombeiros e peritos no local onde ossada foi encontrada (Foto: Divulgação | PCMS)

Depoimento – À polícia, João contou que ele e o pintor tiveram uma briga e que na ocasião foi ameaçado por Magno. Ele afirma ainda que foi agredido pelo homem com um soco na boca e teve sua motocicleta derrubada. O desentendimento teria acontecido porque a vítima não queria que o rapaz se relacionasse com a jovem que era sua parente.

Em depoimento na quarta-feira, ele relatou que contou sobre a briga aos dois amigos que disseram “vamos matar esse cara”. Com isso, uma semana antes do crime eles combinaram como seria o crime. Já no dia dos fatos, João estava em uma festa onde fez uso de cocaína com um Otávio e por volta das 23h foram buscar Jailson para executar Magno. O trio então foi para a casa da vítima.

Eles entraram pelo portão do terreno, que já estava aberto, foram até o barraco, que estava escuro já que não havia luz no local. Otávio teria ido na frente com um martelo. Quando ele viu Magno deu o primeiro golpe na testa. O pintor chegou a ficar tonto, mas se recuperou. A vítima tomou o martelo da mão do rapaz e lhe deu um golpe no ombro.

Os outros dois conseguiram recuperar o objeto de Magno e enquanto Otávio segurava o homem, eles o esfaquearam na região do abdômen. O pintor ainda estava vivo quando foi novamente agredido com marteladas na cabeça. Ainda segundo o relato de João, a vítima estava gritando de dor quando o trio decidiu enterrá-lo vivo. Eles então foram ao terreno e cavaram o buraco perto do pé de manga.

Otávio segurou Magno pelas mãos e Jailson pelos pés e o jogaram no local. Logo depois, fecharam a “cova” e por estar chovendo muito, pisotearam a terra molhada para compactar o solo. Por fim, eles jogaram uma lona no local e foram embora. Ele nega que a namorada tivesse conhecimento do crime, mas a jovem afirmou à polícia que sabia, inclusive, ela quem avisou João que Magno estava sozinho em casa.

Ela relatou que chegou a pedir para que o rapaz não fizesse aquilo para não estragar sua vida e que não valia a pena. Ela contou ainda que ouviu o grito de Magno e depois disso viu os três saindo da casa. Eles teriam dito que chamariam um carro para levar o corpo da vítima, mas não deu certo e por isso enterram no quintal.

Magno foi enterrado vivo no quintal da casa onde morava (Foto: Reprodução | redes sociais)
Magno foi enterrado vivo no quintal da casa onde morava (Foto: Reprodução | redes sociais)

Receba as principais notícias do Estado pelo Whats. Clique aqui para acessar o canal do Campo Grande News e siga nossas redes sociais.

Nos siga no Google Notícias