ACOMPANHE-NOS     Campo Grande News no Facebook Campo Grande News no Twitter Campo Grande News no Instagram
ABRIL, QUARTA  17    CAMPO GRANDE 22º

Interior

Tribunal nega recurso da União para nova eleição de reitor da UFGD

Decisão valida lista tríplice ignorada por Bolsonaro; reitora temporária ocupa cargo

Helio de Freitas, de Dourados | 26/10/2020 14:52
Nomeados pelo MEC, Mirlene Damázio e Luciano Geisenhoff comandam UFGD há um ano (Foto: Divulgação)
Nomeados pelo MEC, Mirlene Damázio e Luciano Geisenhoff comandam UFGD há um ano (Foto: Divulgação)

A União foi derrotada mais uma vez no episódio envolvendo a lista tríplice para reitor da UFGD (Universidade Federal da Grande Dourados), ignorada em 2019 pelo Ministério da Educação.

Na sexta-feira (23), o desembargador federal Nery Júnior, do TRF3 (Tribunal Regional Federal da 3ª Região), rejeitou recurso da União que pedia outra eleição interna. O resultado da consulta seria usado para definição de nova lista tríplice.

Através do recurso conhecido como “tutela cautelar antecedente”, a União pediu que fosse determinada, de imediato, a instauração de novo procedimento de escolha de reitor da UFGD.

Na ação, a União pediu que o TRF determinasse não haver “prévio conluio entre os professores no sentido de se absterem de se inscrever perante o Colégio Eleitoral caso não se sagrem vencedores perante a comunidade acadêmica” e que consulta prévia tenha “caráter meramente indicativo, isto é, não pode ser imposta vinculação entre o seu resultado e a decisão soberana do Colégio Eleitoral, sob pena de nulidade do procedimento”.

Na prática, Nery Júnior valida a eleição interna que apontou como vencedor o professor Etienne Biasotto. Ele encabeçou a lista tríplice enviada ao Ministério da Educação. Entretanto, a eleição foi contestada pelo MPF (Ministério Público Federal) através de ação civil pública.

Briga política - Em junho do ano passado, o Governo Bolsonaro ignorou a consulta prévia e nomeou a professora Mirlene Ferreira Macedo Damázio como reitora temporária. Em seguida, ela nomeou Luciano Oliveira Geisenhoff como vice-reitor, também temporário.

Alinhados ao grupo político que apoiou a eleição de Bolsonaro, os dois comandam a UFGD até agora. Etienne Biasotto é filiado ao Partido dos Trabalhadores.

Ainda no ano passado, a Justiça Federal em primeira instância rejeitou a ação do MPF e reconheceu a legalidade da eleição e da lista tríplice. O Ministério Público Federal recorreu, mas até agora o recurso não “subiu” para o TRF.

Na decisão de sexta-feira, o desembargador Nery Júnior é claro ao dizer que a sentença dada pelo juiz federal em Dourados nega todos os argumentos de ilegalidade no processo de escolha do reitor apontados pelo MPF.

Para o desembargador do TRF, a UFGD fez o que determina a Lei 9.192/95 e o Decreto 1.916/96, uma vez que a elaboração da lista tríplice é de responsabilidade da instância máxima e a realização da consulta prévia é mera faculdade, “sem caráter vinculativo”.

Na ação, o MPF questionou o fato de os outros dois candidatos que disputaram a eleição interna não terem sido incluídos na lista tríplice. Entretanto, os candidatos tinham feito acordo que apenas o vencedor apresentaria o nome para a lista.

Nery Júnior sustentou que o artigo 207 da Constituição Federal consagra a “autonomia didático-científica, administrativa e de gestão financeira e patrimonial das universidades”.

Dessa forma, a decisão de primeira instância da Justiça Federal segue válida e o MEC terá de nomear um dos nomes da lista tríplice. Além de Etienne Biasotto, fazem parte da lista Jones Dari Goettert e Antônio Dari Ramos.

Eles não participaram do pleito, mas se candidataram para compor a lista. A norma interna da UFGD permite esse tipo de procedimento. Opositores do atual comando da UFGD afirmam que a decisão do desembargador federal é mais um passo para acabar com a intervenção na reitoria da Universidade.

Nos siga no Google Notícias