ACOMPANHE-NOS    
JANEIRO, QUARTA  27    CAMPO GRANDE 23º

Interior

Único fornecedor de combustível para prefeitura, posto é alvo da PF

PF cumpre 12 mandados em MS e no Rio de Janeiro contra esquema em Ladário

Por Silvia Frias | 26/11/2020 07:09
Auto Posto Ladário, empresa fornecedora de combustíveis para a prefeitura (Foto/Divulgação)
Auto Posto Ladário, empresa fornecedora de combustíveis para a prefeitura (Foto/Divulgação)

A PF (Polícia Federal) cumpre 12 mandados de busca e apreensão em Mato Grosso do Sul e no Rio de Janeiro, na investigação contra corrupção envolvendo licitações da Prefeitura de Ladário com fornecedora de combustíveis.

A Operação Posto Exclusivo cumpre 11 mandados em Corumbá e Ladário, além de 1 no Rio de Janeiro (RJ), todos expedidos pela 1ª Vara Federal de Corumbá.

A investigação teve início após denúncia que indicava haver conluio de um empresário do ramo de combustíveis com servidores municipais. O nome da operação faz referência ao fato da empresa investigada ser a única fornecedora de combustível à Prefeitura de Ladário, vencendo sucessivas licitações com suspeitas de fraudes.

Conforme apuração da reportagem, a empresa prestadora de serviço é Auto Posto Ladário Ltda, de propriedade de Munir Sadeq Ramunieh. Ele chegou a tentar concorrer à prefeitura do município, pelo MDB, mas teve a candidatura indeferida pelo TRE-MS (Tribunal Regional Eleitoral),  justamente por prestar serviço à prefeitura.

A decisão do TRE data de 11 de novembro. Na ocasião, os magistrados se basearam no fato de que Ramunieh não se desincompatibilizou da empresa Auto Posto Ladário Ltda., da qual é proprietário, dentro de um período de seis meses anterior ao pleito. O contrato foi assinado em  março de 2020 e ainda está em vigor.

Os investigados poderão responder pelos crimes de corrupção passiva e ativa, por crimes previstos na Lei de Licitações e Contratos e por organização criminosa, prevista na Lei nº 12.850/2013, conforme aprofundamento dos trabalhos.

#matéria atualizada às 7h19 para acréscimo de informações.

Nos siga no Google Notícias
Regras de comentário