A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Domingo, 26 de Fevereiro de 2017

19/08/2011 15:05

Viação é condenada a indenizar em R$ 15 mil deficiente maltratada em ônibus

Marta Ferreira

A empresa Canarinho foi condenada a pagar R$ 15 mil em indenização a uma passageira por danos morais, em razão de um episódio ocorrido em 2006, quando uma adolescente deficiente foi maltratada por uma funcionária da empresa.

´

O processo foi movido pelos pais da adolescente com deficiência intelectual que tem direito ao transporte rodoviário gratuito e, março de 2006, pegou um ônibus da empresa à caminho da Apae (Associação de Pais e Amigos dos Excepcionais) e acabou entrando no veículo pela porta da frente, o que exigem a passagem pela roleta, e não pela porta de trás.

Segundo consta da ação, a cobradora do veículo passou a gritar com a jovem chamando-a de “louca, débil mental, deficiente, boba”, entre outras ofensas.

De acordo com a família, depois disso, ela passou a se recusar a ir para a escola, demonstrando medo de entrar no ônibus. Só voltou à Apae alguns dias depois, porém transportada por uma Kombi.

Na primeira instância, a empresa foi condenada a pagar o valor de R$ 30 mil e correu, questionado o montante. A empresa sustenta que se a mãe da estudante estivesse acompanhando a filha no transporte coletivo, a situação não teria ocorrido.

Em seu voto, o desembargador Marco André Nogueira Hanson, relator do processo, ressalta que a indenização deve ter caráter punitivo e preventivo, com o objetivo de a conduta danosa não voltar a se repetir, além de compensar o dano sofrido. Contudo, escreveu, não pode se transformar em um meio de enriquecimento ilícito.

O relator disse que deve ser levada em conta a situação financeira das apeladas, esboçada no ato de litigar sob o manto da justiça gratuita. “Diante das peculiaridades apresentadas nos autos, verifica-se que o valor de R$ 30 mil fixado em primeira instância mostra-se elevado, já que para fixação dos danos morais vários fatores devem ser levados em conta, por ter a indenização dupla finalidade, quais sejam, confortar a vítima e servir de punição ao causador do dano, verificando-se sua extensão, o grau de culpa ou dolo do violador, somado ainda à situação econômica do lesado e do causador do dano”, explica.

Dessa forma, os desembargadores entenderam que, por ser a apelante uma empresa de médio porte, e a ofendida ser solteira e viver com seus pais, seria justo minorar a indenização para R$ 15 mil, reformando a sentença.

Homem é socorrido em estado grave após ser ferido com cinco facadas
Jovem de 26 anos foi ferido com pelo menos cinco facadas, na madrugada de hoje (26), na Avenida Brasil, no Bairro Centro, em Campo Grande. Genaro Fl...
Homem é preso por comércio ilegal e 216 kg de pescado são apreendidos
Equipes da PMA (Polícia Militar Ambiental) e Imasul (Instituto de Meio Ambiente de Mato Grosso do Sul) prenderam em Anastácio - cidade localizada a 1...



imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions