ACOMPANHE-NOS     Campo Grande News no Facebook Campo Grande News no Twitter Campo Grande News no Instagram
MARÇO, DOMINGO  03    CAMPO GRANDE 26º

Cidades

Jornalista não aparece em audiência do Caso Rogerinho

Redação | 21/06/2010 08:03

O jornalista Agnaldo Gonçalves, assassino do garoto Rogério Pedra, o Rogerinho, não compareceu hoje a audiência no Fórum de Campo Grande. Estava agendado depoimento dele e de outras 3 testemunhas de defesa, mas Agnaldo continua no litoral de São Paulo, segundo informa o advogado do réu, Valdir Custódio.

Nesta manhã serão ouvidas as testemunhas Sebastião Geraldo Pereira da Silva, Emerson Delaus de Carvalho Pereira e o empresário Antônio João Hugo Rodrigues, dono do Jornal Correio do Estado e também suplente de senador.

O advogado diz que vai solicitar ao juiz Carlos Alberto Garcete para que o réu seja ouvido por carta precatória, instrumento utilizado nos casos em que os envolvidos no processo vivem distantes da cidade onde tramita a ação.

Agnaldo mora atualmente em Praia Grande (SP). Caso o juiz concorde com o procedimento, a Justiça de Mato Grosso do Sul terá de enviar as questões à Justiça de São Paulo, para que o jornalista seja ouvido.

O réu teve novamente a prisão decretada no 31 de maio, durante audiência também das testemunhas de defesa, sob alegação de que estaria obstruindo o trabalho da Justiça.

Ele é acusado de forjar a separação da esposa para transferir bens e assim escapar de pagamento caso seja condenado a indenização de 1,3 milhão, solicitada pela família de Rogerinho, como danos morais.

Mas na sexta-feira, antes mesmo de ser preso, Agnaldo conseguiu habeas corpus e continua em liberdade.

Valdir Custódio avalia que a decisão favorável, mesmo em liminar, já é um indicativo de que a Justiça acredita que o jornalista não se separou para burlar a lei.

Já o advogado da família, Ricardo Trad, espera que a decisão seja revista e concedido o mandado de prisão. "Ele está transferindo patrimônio para outras pessoas no sentido de burlar a Justiça. A ausência dele hoje é mais um motivo para prisão preventiva", argumenta.

Nesta manhã, mais uma vez parentes e amigos do garoto compareceram para acompanhar os depoimentos, com camisetas com o rosto do menino estampado, mas aguardam do lado de fora da sala de audiências.

A irmã do avô de Rogerinho, Tânia Maria Pedra, é uma entre os manifestantes. Ela diz que compareceu ao fórum para ver "quem tem coragem de defender o Agnaldo".

Nos siga no Google Notícias