A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Quinta-feira, 14 de Dezembro de 2017

29/10/2013 12:28

Jovem apela a ministro após sofrer transtorno por problema em RG

Viviane Oliveira
Os números da identidade e do CPF não conferiam na lista de inscritos, mas na carta que a estudante recebeu indicando o local da prova, a numeração estava correta. Os números da identidade e do CPF não conferiam na lista de inscritos, mas na carta que a estudante recebeu indicando o local da prova, a numeração estava correta.

Há 4 anos se preparando para fazer o Enem (Exame Nacional do Ensino Médio), a estudante Nayá Thiemy Simabucuro, 23 anos, diz que foi prejudicada no dia da prova, que aconteceu no sábado e domingo porque o número do documento dela não conferia com o da lista de inscritos. 

Na tarde de ontem, a estudante mandou um e-mail para o Ministério da Educação, em Brasília, endereçado para o ministro Aloizio Mercadante, relatando o constrangimento que passou ao ser barrada por uma mulher, que coordenava o exame na Escola Municipal Ione Catarina Gianotti Igydio, no Jardim Noroeste, em Campo Grande.

Nayá cursava fisioterapia na UFMS (Universidade Federal de Mato Grosso do Sul) e resolveu trancar o curso para tentar medicina. Desde então vem se preparando, fazendo cursinho pré-vestibular, para conseguir uma pontuação boa no Enem.

No sábado, a estudante conta que acompanhada de um amigo, que também fez o exame na mesma sala que ela, chegou com 10 minutos de antecedência da abertura dos portões e ao se identificar com o documento de identidade foi barrada antes de entrar na sala, pois o fiscal disse que o número do documento não conferia com a lista de inscritos.

Por conta disso, a jovem relata que foi encaminhada até uma pessoa, identificada por Ana Paula, coordenadora do exame na escola. “Ao ver a minha identidade, ela disse que a foto não era minha. Então tirei os óculos que uso para descanso e pedi que olhasse de novo, no entanto, ela afirmou que o documento era falso”, diz, acrescentando que a identidade foi tirada em 2007.

Depois de muita confusão e prometer que passaria na sala da coordenadora para assinar um termo, que comprometia a autenticidade dos documentos, a estudante foi liberada para fazer a prova. “Eu fiquei abalada emocionalmente pelo transtorno que os organizadores haviam causado e parecia que toda a semana antecedente ao Enem, que me dediquei tentando ficar calma e dormindo cedo, foi em vão”, reclama.

Ao chegar em casa, a mãe da estudante ligou na escola para falar com a coordenadora e saber o que realmente havia acontecido, quando foi informada que a jovem só faria a prova no domingo se fosse acompanhada por ela. “No outro dia a minha mãe me acompanhou e o fiscal informou que eu deveria assinar novamente o termo, no final da prova”, conta.

Por fim a estudante, conta que, no final ainda foi chamada pela coordenadora de desequilibrada e mentirosa. “Ela fez um fiscal voltar na sala, pegar a minha prova e levar até a sala dela, onde eu estava. Realmente o número da identidade e o CPF não batiam, mas não foi erro meu, pois na carta que recebi do Enem meus dados estavam corretos”, lamenta.

Nayá finaliza no e-mail dizendo que foi prejudicada por uma pessoa despreparada para trabalhar na área da educação.

Enem 2013: maior dificuldade no que deveria ser fácil
Um dos pontos mais destacados por estudantes, professores e demais educadores nos últimos anos é a constatação de que o Exame Nacional do Ensino Médi...
Enem 2013 termina sem registro de vazamentos e com 36 candidatos eliminados
Dos mais de 7,1 milhões de candidatos inscritos no Exame Nacional do Ensino Médio (Enem), cerca de 29% não compareceram às provas. Segundo o ministro...
Tema de redação do Enem 2013 discute implantação da Lei Seca
Efeitos da Implantação da Lei Seca no Brasil é o tema de redação apresentado neste domingo (27) aos estudantes que participam do Exame Nacional do En...


Que absurdo..., era só assinar o termo e liberar para fazer a prova, depois investiga a documentação, não precisava fazer essa algazarra toda, isso desestabiliza qualquer candidato antes da prova. Justiça...!
 
Juniele da Silva de Santi Siqueira em 02/11/2013 12:29:58
Sou a mãe do menino que essa ANA PAULA, invadiu a sala na hora em que ele realizava a prova para tirar satisfação. Pelo simples motivo que ele perguntou a outro FISCAL, o nome dela.
Dona ANA PAULA, você pode ter certeza que sua atitude não vai ficar impuni, do que depender de mim e da família da Nayá.
Gostaria muito que a SENHORA, refletisse a respeito do ocorrido.
 
Veronice Sbissigo Burgardt em 30/10/2013 09:28:16
Márcia Araújo: Acho que o Sr. Antônio Ferreira Gomes referiu-se especificamente às pessoas envolvidas no episódio relatado pela matéria, e não ao geral. Eu fui chefe de sala no Enem e não me senti atingida pelos termos usados por ele.
 
Mériele Oliveira em 30/10/2013 08:53:31
Isso porque a principal orientação dada aos aplicadores, chefes de sala e coordenadores do Enem é para "não discutir com o candidato", ou seja, a pessoa deixou a irritação falar mais alto e perdeu a razão ao ofender a candidata e acusá-la de portar documento falso. Acredito que caiba sim, processo por danos morais, e a Nayá está certíssima de seguir em frente com o processo (caso decida-se por entrar com processo).
De qualquer forma, vamos torcer também para que ela consiga alcançar média para entrar no curso de medicina.
 
Mériele Oliveira em 30/10/2013 08:50:03
Senhor Antonio , em primeiro lugar gostaria de deixar claro que o seu comentários referente aos chefes de salas e aplicadores foi muito infeliz quando disse ''este bando de analfabetos mal preparados", pois sou educadora e muito bem preparada e com competência de coordenar qualquer exame, de tamanha complexidade como o Enem, portanto, não generaliza o caso.
 
Marcia Araujo em 29/10/2013 22:40:04
Já dizia Carlos Drummond, " Se a educação sozinha não transformar a sociedade, sem ela tão pouco a sociedade muda".
Nessa linha de pensamento, que todos deveriam se conscientizar que o Brasil precisa de mudanças urgentes, a começar pela educação,
colocando profissionais capacitados e equilibrados.
 
Hevellyn Martins em 29/10/2013 20:57:41
Infelizmente pessoas mal preparadas, se sentem por um instante juízes da vida dos outros. Julgam e praticamente já dão a sentença. Lastimável. Conheço Nayá Thiemy desde menina, e toda a família. Lastimo que tenha passado por tamanho constrangimento. Força Thiemy
 
Andréa Oliver em 29/10/2013 20:19:39
Ocorreu comigo o mesmo em uma escola onde fui fazer à prova, o último número do meu RG estava digitado errado e uma mulher que se intitulou como coordenadora pegou meu RG, e não me deixaram entrar na sala, até que a situação se resolvesse. Qdo ela trouxe meu documento, que à essa altura eu já estava uma pilha, apenas disse a ela que não queria passar pelo mesmo constragimento no domingo que ela fizesse constar em ata a situação, Tendo em vista que no segundo dia queria estar bem calma para fazer a redação. Pois bem, ela foi de uma grossura comigo sem tamanho, eu fiquei muito nervosa, só me acalmei depois de respirar bem fundo antes de começar à prova. GENTE TOTALMENTE DESPREPARADA!!!
 
maria nazareno em 29/10/2013 19:10:12
Cara que palhaçada. Sou professor de matemática e meus amigos de trabalho também foram fiscais de prova e ocorreu o mesmo problema. Eles simplesmente fizeram uma ata e deixaram fazer a prova normalmente. Não precisava de tudo isso. Que vontade de aparecer.
 
Carlos Kenji em 29/10/2013 18:56:57
Bom, sou professor de matemática de cursinhos e sei o quanto é árduo o caminho dos alunos que se dedicam para serem aprovados neste exame. Muitas vezes deixam de lado a família, amigos e lazer. Fico muito envergonhado em saber que ainda existem profissionais tão desqualificados que se dizem professores. Mas o que pesou neste fato foi o mal caráter da pessoa. Algumas pessoas quando recebem algum poder, ou direito de julgar e punir, se acham no direito de exercê-la como bem entendem. Essa professora simplesmente deve ser mais uma dessas professoras desqualificadas dando aula a troco de 10 reais. Meus amigos também foram fiscais de prova e aconteceram esse problema de erro de dados pessoas. Eles simplesmente assinaram ata e deixaram os alunos fazerem normalmente. Não precisava de tudo isso.
 
Carlos Kenji em 29/10/2013 18:54:47
Absurdo... Abalou psicologicamente a candidata no dia em que tanto esperou e se preparou.
Depois as pessoas criticam quando a mídia notícia que aluno assassinou diretora, mas também, se ela fez isso com uma pessoa durante uma prova tao importante e rigorosa o que não faz no dia a dia com os alunos deste colégio.
Um absurdo destrata-la na frente dos demais candidatos, o ABALO PSICOLÓGICO E O NERVOSISMO IMPEDEM O RACIOCÍNIO.
sem cintar que esta dissimulada ainda entrou na sala interrompeu a prova de outro candidato, para perguntar: QUE FOI TA QUERENDO FALAR COMIGO? POR QUE QUERIA MEU NOME COMPLETO?
totalmente despreparada, grossa e prepotente...
 
carla marques simabucuru em 29/10/2013 18:52:05
As devidas providências devem ser tomadas. Não podemos cruzar os braços e deixar que o nosso país vire bagunça. Os candidatos não devem sofrer com a falta de preparo e de educação dos funcionários. A "pessoa" têm a função de ajudar, e não de prejudicar, causando abalo emocional nos estudantes. Para que a prova do ENEM aconteça, existe regras e normas, que a "Senhora Ana Paula" deveria ter cumprido ao pé da letra, mas que ao contrário ela quebrou.
 
Silvio Massanori Simabucuro Júnior em 29/10/2013 18:51:29
é inconcebível o que aconteceu!!!situações como esta ,só desestimula os estudantes,que já encontram ao longo do tempo tantos percalços,e,desistem de medicina ,dando margem a que tais profissionais, até mesmo despreparados,sejam importados de outros países!!!pessoas com desequilíbrios e despreparos, como a coordenadora em questão, não deveriam participar de eventos tão importantes, como o exame do ENEM!!!!
 
cleunice martins yamasaki em 29/10/2013 18:48:23
Certos funcionários independentemente de qual área, pensam que só por estarem formados eles tem o direito de tratar as pessoas como eles bem entender, infelizmente essa é a realidade . Mérito deles a formação, mas nem por isso teremos de passar por esses constrangimento e humilhação .
 
Thaisa Pereira Ramalho em 29/10/2013 18:40:18
O futuro de qualquer profissional depende primeiramente do contato com o professor, que vai ajuda- lo a ingressar no ensino superior. No entanto, alguns desses educadores, estão mal preparados, uma vez que nem mesmo eles tem educação. Afinal, são desequilibrados e arrogantes como essa senhora.
 
Cleide Martins em 29/10/2013 17:58:03
Filha, nao conheço voce, me desculpe por chamar de Filha, mais voce deve entrar com um processo de "danos morais" nao contra este bando de analfabetos mal preparados e sim, contra o Ministerio da Educação, que é o responsavel pela aplicação do ENEM, vá em frente nao desista, afinal de contas acredito que voce é brasileira e brasileiro nao desiste nunca.
 
Antonio Ferreira Gomes em 29/10/2013 17:27:54
Concordo com o que disse Guilherme Arakaki.
Lastimável.
 
Jessica Nadine em 29/10/2013 17:03:51
Ridículo isso mesmo. Desequilibrada é a pessoa que deveria estar lá pra ajudar e só atrapalhou a candidata.
 
Paulo Miranda em 29/10/2013 16:38:44
É isso aí... as pessoas têm que ser educadas em qualquer situação. O estresse e a falta de cortesia já está tomando conta das pessoas. Fazer uma prova com toda essa raiva e frustação certamente prejudicou a candidata. Espero que a situação se resolva o mais breve possível.
 
Bruno Abrahão em 29/10/2013 15:48:39
-Tem que se especializar. Porque a coordenação do Enem, não convoca um perito em Documentoscopia para que com categoria analise caso como este desta jovem. É muito sério dizer que um documento é falso sem a devida certeza e para ter certeza, tem que ser perito.
 
luis tibo em 29/10/2013 14:25:37
minha opiniao e que esses "APLICADORES""CHEFES DE SALA " TAMBEM DEVEM FAZER UMA PROVA PRA PODEREM APLICAR O ENEM PORQUE MEU DEUS E CADA COISA QUE VOCE VE E TEM QUE PASSAR NO DIA DA PROVA .......SAO PESSOAS TOTALMENTE SEM NOÇAO .....
 
eliana marcia em 29/10/2013 14:10:26
Normal! Essas pessoas deveriam ser mais preparadas, já que são voluntárias para estar ali... No sábado as fiscais da minha sala, eram ótimas, super bem preparadas e calmas, já no domingo, foi um caos, entrei na sala com o emocional um pouco abalado, a mulher era grossa, mal educada, precipitada... falava alto, querendo pegar as coisas da sua mão, querendo que eu tirasse o que fosse usar ali na porta mesmo, porque não podia mexer em minha bolsa dentro da sala, sendo que ainda faltava 30min para o inicio da prova. Só não foi pior, porque dado momento, explodi e disse que havia lido o edital, alem de ter feito a prova do dia anterior e sabia muito bem como proceder. Complicado!
 
Katia Guilherme em 29/10/2013 13:31:13
Processa eles pedindo dano moral que você tem grandes chances de ganhar.
Só assim pra eles aprenderem a não tratar as pessoas dessa forma.
 
Guilherme Arakaki em 29/10/2013 12:47:11
imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions